A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
108 pág.
O jeitinho brasileiro   Lívia Barbosa

Pré-visualização | Página 1 de 1

Débora
Nota
Fora os exemplos do para que se usa o "jeitinho brasileiro", presta-se para qualificação do nosso modo de ser e as discussões se ele é positivo ou negativonull
Débora
Nota
mídia utiliza o jeitinho para tornar interessante a notícia, lembrando q ela também trabalha com hierarquia
Débora
Nota
favor + e corrupção -; contexto social; questão da identidade; constante mudança e transformação; países de primeiro mundo.
Débora
Nota
O Brasil liga seus problemas a identidade nacional já outros países delegam a culpa a corrupção de um só; diferentes formas de construção das identidades: quentes e frias.
Débora
Nota
subtítulo nos envia para o conteúdo simbólico da igualdade na sociedade brasileira. 
Débora
Nota
Complexo se mostra o estudo de uma coisa que não é exótica e q conhecemos bem, por isso muitos acreditam q não seja relevante!
Débora
Nota
diferenças em relação ao exterior, o clima q se cria nas relações sociais sejam elas (festas, velórios etc).
Débora
Nota
Importanteeeeeeeeee
Débora
Nota
a crítica q se fazia dos sociólogos q tentavam explicar a nossa formação era baseada na sua vida e a na forma como construiu seu tema e não se ele conseguiu tornar alguns pontos aptos a compreensão...DAMATTA
Débora
Nota
volta do uso do termo conciliador e cordial para definir o homem; usado por políticos nos seus discursos diferentemente de qdo fora empregado em 1930.
Débora
Nota
formalismo e consequente jeitinho brasileiro para resolver os impecílios, para Ramos o jeitnho estaria condenado pelo desenvolvimento das sociedades latino-americanas.
Débora
Nota
para Ramos a pessoalidade trazida pelas famílias tbm seria uma causa, que acabaria com a industrialização; como crítica fica o fato de ele considerar apenas como mecanismos e como problema estrutural.
Débora
Nota
o jeitinho não se trata de um sistema ligado a clãs devido ao fato de ele ajudar a burlar o sistema, dentro disso em uma sociedade como Ramos afirma esse indivíduo seria a própria lei.
Débora
Nota
namoro, rua e jeitinho; feudalismo, lei e fatos sociais e a atitude religiosa 
Débora
Nota
a existência o jeito em países latinos não é tão correta pois este deve ser definido como identidade social e a questão do feudalismo no que diz respeito a Portugal e ao Brasil.
Débora
Nota
Trecho importante e depois colocação sobre o catolicismo.
Débora
Nota
pecado é um problema maior no protestantismo q não alivia a culpa, e os dogmas não são assim tão relevantes para a questão;nullOliveira Torres e o jeito prático e teórico.
Débora
Nota
trata o jeito como paralegal e devido a experiência e prática e supõe uma tese indigna sobre a migração para o Brasil q teria sido de refugiados, condenados... 
Débora
Nota
corrupção, tolerância portuguesa, falta da responsabilidade social e o complexo de coitado.
Débora
Nota
Para o autor o jeitinho se estabelece em uma relação de custos e benefícios; esse meio de burlar o sistema legal leva desde a precarização e alienação dos problemas da sociedade quanto a uma forma de lidar com um sistema tão burocrático; gorjetas.
Débora
Nota
ligar o jeitinho estritamente a corrupção leva a pensar q os países q não o fazem são honestos (erroneamente); tratar o jeito não só como mecanismo de ajuste (q gera embaraço e vergonha) mais sim como identidade com aspecto + e -.
Débora
Nota
Trata de uma pesquisa; herança portuguesa; sintoma e indicador do subdesenvolvimento (evolucionismo) e aspectos morfológicos e funcionais (instituição paralegal), mecanismo de ajuste.
Débora
Nota
situações, personagens e domínios para seu uso; análise dos discursos em q ele é empregado e comparação ao VSCQEF?
Débora
Nota
universalismo; ginga, jogode cintura; maneira especial q resolve o problema, a situação inesperada a curto prazo; difícil distinguir entre jeito, favor e corrupção; magnitude e não incidência...
Débora
Nota
favor leva a uma desigualdade (credor e devedor) mas tbm passa o sentido de confiança e legalidade; jeito gera uma noção de igualdade, ciclo do relacionamento q envolve as pessoas seria mais curto e ilegalidade, embora possa se ter um favor a margem da lei e um jeito q segue a lei.
Débora
Nota
corrupção existência da vantagem montante alto contrário ao jeito; negativa moral e a positiva como natural, normal.
Débora
Nota
domínios burocráticos. q envolvem o estado q desconfia e as pessoas q se vêem cercadas de exigências; os únicos domínios em q ele não pode existir é qnto a morte e tragédias, coisas em q não existe a possibilidade das relações diretas.
Débora
Nota
aspecto importante é o sexo (feminino e masculino), mais fácil qdo uma mulher pede a um homem (machismo), mulher e mulher difícil, e homem a mulher tbm (por serem mais rígidas). A forma com q se pede, simpatia, mais do q o dinheiro.
Débora
Nota
a simpatia vem q de qm concede tbm (pode relacionar-se a poder); dinheiro e vestimenta vistos - embora almejados; contrário se estabelece se a pessoa agir de forma "simples" (agir de bom tom); advém do catolicismo q condena o dinheiro e faz a compensação no aspecto moral e espiritual ao contrário do protestantismo q vê a dignidade, trabalho e esforço.
Débora
Nota
para os americanos a pobreza e a miséria não exumem a culpa da pessoa, já no Brasil sim mesmo com o Kardecismo q a vê como culpa da vida passada. Conclusão importante sobre qm usa e como usa q difere um pouco do VSCQEF (poder)
Débora
Nota
chorar miséria, pressa e tornar o outro co-responsável e co-participante do drama para q assim ele se sinta constrangido em não atender.
Débora
Nota
discurso positivo camada de educação inferior e negativo pelas camadas modernas e intelectuais.
Débora
Nota
características em q se emprega o discurso positivo sobre o jeitinho: nacional, agilizar, igualar ...
Débora
Nota
cidadania invertida, não em direitos e deveres mais em necessidades; tbm determinado pela sua eficácia q o valida .
Débora
Nota
positivo vê o pessoal a moral enquanto o negativo a sociedade a política; positivo não liga o jeito a corrupção
Débora
Nota
discurso da crise, jeitinho se presta aos menos favorecidos; com crise econômica teríamos perdido o jeitinho a malandragem a manha...
Débora
Nota
comparação com a ideologia da "educação para os negros", só q agora mais abrangente vinda do discurso erudito.
Débora
Nota
amor a lei, fé na escrita como solução da política e da sociedade q vem desde a época da ditadura militar com os atos institucionais.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.