A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
105 pág.
APOSTILA_MIDIA_Prof%20Alvaro

Pré-visualização | Página 21 de 22

assim, não é de se esperar que ganhe mal. 
 
Falando o óbvio, clientes trabalham para empresas e, portanto, devem visar lucro 
em suas operações. Para isso, é preciso identificar um objetivo para a ação digital 
e uma estimativa de recursos para viabilizá-Ia a contento. Um blog corporativo, por 
exemplo, deve ter de dois a cinco posts por dia. Isso significa de 10 a 25 posts por 
semana, ou 500 a mil e poucos posts por ano. O cliente é capaz de arcar com 
isso? Não? Então não arrisque, pois a coisa pode ficar feia. (Para que uma área 
dedicada a notícias do ramo de atividade da empresa se você não pode 
disponibilizar um profissional a se dedicar a procurar matérias que possuam os 
assuntos de interesse deste link?) 
 96 
 
O mesmo raciocínio se aplica a outras áreas. Para que se quer o website? Para 
aumentar reconhecimento de marca? Para dar maiores informações sobre 
produtos e serviços? Para Vender on-line? Para dirigir a atenção para outros 
canais de vendas (como concessionárias em websites de automóveis, por 
exemplo)? Para prestar serviços ao consumidor? Para cortar custos? Para 
aumentar a fidelidade à marca? Para ações promocionais? 
 
Para cada uma dessas perguntas há uma resposta clara, direta e eficiente, que 
deve conseguir estabelecer uma meta - e, o que é melhor, mensurá-la. Isso serve 
para justificar verbas para o desenvolvimento de novas ações e a contratação de 
seus futuros serviços, mesmo que eles não sejam os mais baratos ou mais 
rápidos do mercado. 
 
Me parece uma boa recompensa para a árdua tarefa de ler algumas páginas de 
planejamento, não acham? 
 
11.5 - Falando de dados 
 
Segundo uma pesquisa realizada pelo TGI / Ibope, e divulgada pela UOL, dos 
internautas: 
 
 
 
 97 
 
 
 
 
 
 
POR PAGE VIEW: 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 98 
POR USUÁRIOS (MILHÕES) 
 
 
 
 
 
 
POR PAGE VIEW (UOL): 
 
 
 
 
 
 
POR USUÁRIOS (MILHÕES) – UOL: 
 
 
 
FONTE: TGI / IBOPE 
 99 
 
 
11.6 – Artigo: A ERA DOS SITES COMO ESTRATÉGIA DE 
BRANDING 
 
O gerenciamento estratégico de uma marca, também conhecido pelo 
nome de branding, vem sofrendo profundas transformações diante do uso 
cada vez maior da Internet no cotidiano das pessoas. 
 
Dessa forma, as ações on-line se tornaram importantes ferramentas de 
aproximação e relacionamento com o público-alvo das grandes 
empresas. Um exemplo recente desse cenário aparece no hot site da 
campanha BIC Music (www.bicmusic.com.br), que apresenta o mundo 
musical como temática para os novos isqueiros ilustrados da empresa. 
 
"O projeto é uma ação 100% de branding, objetivando rejuvenescimento 
de marca e aproximação com seu target. Além disso, a BIC decidiu lançar 
a campanha de divulgação exclusivamente pela Internet, por se tratar de 
um tema musical e bastante vinculado ao público jovem, que tem uma 
afinidade altíssima com a Internet", explica Heloísa Ticianelli, gerente de 
Marketing e Novos Negócios da EverMedia (www.evermedia.com.br), 
responsável pelo planejamento e criação da campanha. 
 
Para sabermos mais detalhes do desenvolvimento deste projeto, além de 
Heloísa, conversamos também com Douglas Bocalão, coordenador de 
criação da agência. Confira a seguir. 
 
BRANDING é o conjunto de ações ligadas à administração das marcas, nas 
mais diversas áreas, com o objetivo de manter ou ampliar sua posição no 
mercado e consolidá-la cada vez mais na mente dos consumidores. 
 
Webdesign: Em termos de Internet, já se tornou comum no mercado 
internacional as grandes empresas investirem no conceito de 
entretenimento na hora de se criar e desenvolver campanhas 
interativas, tendência que começa a vingar no Brasil. Quais são os 
desafios na hora de se trabalhar com tais projetos? 
 
Heloísa: É uma forma de fazer uma aproximação da empresa com o seu target, e 
não simplesmente vender um produto. É achar pontos comportamentais do seu 
público-alvo e criar uma aproximação fundamentada nos seus hábitos e gostos a 
fim de fazer parte o maior tempo possível não só da sua rotina, mas também do 
lazer. 
 
Wd: Falando na interface gráfica do hot site, vemos que os isqueiros 
personalizados da campanha BIC Music receberam um destaque com 
as ilustrações de cada estilo musical (Rock, Soul, Eletrônica, Hip Hop e 
 100 
Pop Rock). De que forma vocês trabalharam a criação destas 
ilustrações para que elas pudessem se encaixar dentro do projeto 
gráfico? 
 
Douglas: Todas as ilustrações passam a idéia de movimento, cores e da 
liberdade de expressar seu próprio estilo musical. A idéia principal é que cada 
usuário possa olhar para o site e se identificar com ele. 
 
Além disso, todos os estilos musicais trabalhados no site têm características 
marcantes. Buscamos trazer uma identidade forte também para o layout. Para 
chegarmos neste resultado, a equipe saiu a campo para estudar referências 
gráficas em casas noturnas, muros grafitados e capas de disco. O mix de 
tudo isso resultou em formas orgânicas, setas, curvas e cores harmoniosas. 
 
Wd :: Vocês utilizaram muitas setas e traços ornamentados para 
indicar as seções do hot site e orientar a navegação do usuário, além 
delas ilustrarem a própria marca do projeto. Que tipo de estudos 
vocês fizeram para definir o estilo gráfico a ser utilizado? 
 
Douglas: Faz parte da nossa metodologia o processo de imersão, onde 
vamos buscar referências gráficas mundiais, seja por meio de livros, revistas, 
observando as pessoas na rua ou buscando sites pela Internet. Mas não 
podemos confundir imersão com meditação. 
 
Apenas pensar no assunto não traz resultado, é preciso muito esforço, 
rascunhos, estudo de cores, versões preliminares, até alcançarmos o layout 
desejado. 
 
Neste caso, definimos que as formas utilizadas no hot site tinham que 
expressar movimento - um dos elementos primordiais na música. Quisemos 
ambientar o hot site para trazer as mesmas sensações de uma balada. 
 
Wd: A combinação cromática do hot site é puxada para tons fortes, 
porém elas ficaram bem armoniosas. Quais influências e como vocês 
definiram esta etapa dentro do processo de criação? 
 
Douglas: Nossa principal influência foi a street art (arte de rua), onde a 
diversidade de cores e de formas orgânicas é muito grande. A riqueza de 
detalhes que podemos encontrar passeando pelas ruas é impressionante. 
Você pode ver cartazes, grafites, placas de trânsito e até sinalização de lojas 
que podem inspirar e trazer aquele estalo que faltava na criação de um site. 
 
Wd: A tipografia do projeto é inspirada em fontes fantasia e parece 
ter recebido um tratamento especial. Como a sua escolha se insere 
dentro do conceito geral do ho tsite? 
 
Douglas :: A tipografia também sofreu influência da arte de rua. Na maioria 
 101 
dos títulos, aplicamos contornos característicos de grafitismo, além das cores 
fortes e marcantes. Utilizamos a família de fonte Bauhaus, que apesar de ser 
uma fonte clássica, transmite modernidade e se encaixa perfeitamente com a 
comunicação criada para o site. 
 
Wd: O hotsite foi projetado para resoluções de tela a cima de 1024x768 
pixels. Por que vocês adotaram este padrão, já que as estatísticas no Brasil 
ainda apontam um certo equilíbrio nesta área? 
 
Douglas :: Na verdade, o hotsite prioriza a resolução 1024, mas também 
atende a 800x600. O usuário tem uma experiência maior tom a resolução 
1024, já que visualiza mais elementos na tela. Porém, a navegabilidade 
continua sem nenhum comprometimento em 800x600. Mas acreditamos que a 
tendência seja a resolução 1024. 
 
Wd: Um dos destaques do projeto está na disponibilidade da 
ferramenta BIC Web Mixer, no qual o produtor musical Veiga criou, 
com exclusividade, os 52 samplers disponíveis por lá. Como surgiu