ARTIGO - Luiz Gustavo de Andrade - Função Social da Empresa Estatal (LEITURA COMPLEMENTAR DE CONST. III)
15 pág.

ARTIGO - Luiz Gustavo de Andrade - Função Social da Empresa Estatal (LEITURA COMPLEMENTAR DE CONST. III)


DisciplinaDireito Constitucional III1.418 materiais12.033 seguidores
Pré-visualização16 páginas
Instituto Memória Editora & Projetos Culturais
Rua Deputado ,\lirio de Barros, 1700, Cio 117, ltl\''''''
CFI' 80.5.,(1.280 - Curitiba/PRo
Cemral de atendimento: (41) .,01 (,.'!042
lHn\ ..in s titll(0111CI1JOrÍ:t. COlD. br
Editor: Anthony Leahy
Projeto Gráfico: Barbara Franco
Re,~são final realizada pelos próprios autores
ISBN: 978-85-5523-164-3
MACEI, D. N.
OLIVEIRA. E. C.
SÉLLOS-KNOERR. V. C. de
TAFURl, J. M.
Estudos em Homenagem ao Professor \Vald)'T Grisard
Filho. Coordenadores: Jose Mario Tafuri, Viviane Coelho de
Sellos-Knoerr. Organizadores: Demetrius Nichele Macei, Eloete
Camilli Oliveira. Curitiha: Instituto Memória. Centro de Estudos
da Contemporancidade, 2017.
308 P
I
I. Direito Empresarial
3. Direito Constitucional I. Título.
2. Direiio Civil
CDD: 340
ESTUDOS EM IIOMLNAliEMAO I'IIOllSSOIl'NALDYI1GHISAIIO fiLHO
!! A FUNÇÃO SOCIAL DAS EMPRESAS
,!ESTATAIS NA LEI 13.303/2016
"LIII~L' r;lv'~1'M/\\1rii,r: "l\iL"ipr,nr:""". W L "._ -'(_ .\u2022...\u2022\u2022,~ ,'-, _
INTRODUÇÃO
O presente estudo tem por objetivo analisar a concepção de
função social da empresa, enquanto principio da ordem econômica
constitucional e sua aplicação ás empresas estatais. Iniciando por
uma abordagem das diferentes vertentes que analisam tal principio, o
trabalho pretende abordar a força normativa do referido principio e
sua efetiva aplicabilidade prática.
Posteriormente, analisar-se-á o exercício da atividade
empresarial pelo Estado, como pressuposto para se compreender a
aplicação do princípio da função social da empresa ás empresas
estatais, gênero do qual são espêcies as sociedades de economia
mista e empresas públicas.
Sem o propósito de esgotar a matéria, propõe-se uma
avaliação da estrutura da ordem econômica da Constituição da
República de 1988, distinguindo-se as diversas formas de atuação,
excepcional, do Estado, no economia. abordando-se aspectos da
inteNenção direta e da inteNenção indireta. contextualizando a
participação do Estado empresário em tal cenário.
Luiz Gustavo de Andrade é advogado. militante em Direito Público. sócio do escritório
Zornig, Andrade & Advogados Associados, Mestre em Direito pela Faculdade- de
Direito do Centro Universitário Curitiba (UniCurjtiba) e professor da graduação e da
pós-graduação dc UniCuritiba. Membro da Comissão de Gestão e Controle da
Administração Pública da OAB-PR.
2M 1F
U
N
Ç
Ã
O
SO
C
IA
L
D
A
EM
PR
ES
A
V
II,
co
no
m
.
_.
t
5°
X
XI
II
V
III
,
-
d
re
sa
no
C
ód
ig
o
C
iv
il.
C
A
ST
R
O
,
C
ar
lo
s
A
lb
er
to
Fa
rr
ac
ha
de
.
Pr
es
er
va
ça
o
e
em
p
C
ur
iti
ba
:
Ju
ru
á.
20
07
.
42
.
_
_
,
FA
C
H
IN
,
Lu
iz
Ed
so
n.
Es
ta
tu
to
Ju
ríd
ic
o
do
Pa
\rr
m
on
io
M
ín
im
o.
R
io
de
Ja
ne
iro
R
en
ov
ar
.
20
01
.
p.
ge
.
P
AI
'S
er
t;l
ío
~
R
O
TH
EN
B
U
R
G
,
W
al
te
r
C
la
ud
iu
s
'P
rln
ci
pi
os
co
ns
tit
uc
io
na
is
,
õF
o
eg
re
.
A
nt
on
io
Fa
br
is
:
20
03
.
54
-5
5
ne
m
/n
em
/a
ed
er
e"
,
to
da
5
C
O
M
PA
R
A
TO
,
Fa
bi
o
K
on
de
r
D
ire
ito
em
pr
es
ar
ia
l"
es
tu
do
s
e
pa
re
ce
re
s
Sã
o
Pa
ul
o:
Sa
ra
iv
a,
19
95
.
p.
75
C
O
M
PA
R
A
TO
.
Fa
bi
o
K
on
de
r.
D
ire
ito
em
pr
es
ar
ia
l:
es
tu
do
s
e
pa
re
ce
re
s
Sã
o
Pa
ul
o
Sa
ra
iv
a
19
95
.
p.
75
.,.
Ib
id
.
W
Al
D
YR
ex
em
pl
o,
e
pr
ot
eç
ão
e
in
cl
us
ão
do
s
tra
ba
lh
ad
or
es
na
,~
es
t~
o
da
em
pr
es
a.
Se
gu
nd
o
D
al
le
gr
av
e
N
et
o,
a
fu
nç
ão
so
ci
al
Im
po
e
ao
pr
op
rie
tá
rio
-
ou
a
qu
em
de
té
m
o
po
de
r
de
C
O
n!
rO
le
,na
em
pr
e~
-
o
de
ve
r
de
ex
er
cê
-lo
em
be
ne
fíc
io
de
ou
tre
m
e
na
o,
ap
en
as
,
de
na
o
o
ex
er
ce
r
em
pr
ej
ui
zo
de
ou
tre
m
",
e
"q
ua
nd
o
m
an
ife
st
a~
,a
na
es
fe
ra
tra
ba
lh
is
ta
si
gn
ifi
ca
um
at
ua
re
m
fa
vo
r
do
s
em
pr
eg
ad
os
,
o
qu
e,
em
ou
tra
s
pa
l~
vr
as
,"
é
re
pr
es
en
ta
do
~e
la
.v
al
or
iz
aç
ão
do
tra
ba
lh
ad
or
,
po
r
m
ei
o
de
um
am
bi
en
te
hi
gi
do
,
sa
la
rlo
Ju
st
o
e,
aC
im
a
de
tu
do
,
po
r
u,
T
tra
ta
m
en
to
qu
e
en
al
te
ça
a
su
a
di
gn
id
ad
e
en
qu
an
to
se
r
hu
m
an
o
.
Pa
ra
el
e,
"a
em
pr
es
a
di
na
m
a
nã
o
só
di
re
ito
s,
m
as
ta
m
bé
m
de
ve
re
s,
de
nt
re
os
qu
ai
s
o
de
tra
ta
m
en
to
di
gn
o
e
re
sp
ei
to
so
ao
tra
ba
lh
ad
or
e
ao
tra
ba
lh
o"
,
se
nd
o,
am
bo
s,
"v
al
or
es
su
pr
em
os
es
ta
tu
id
os
na
C
ar
ta
M
ag
na
(a
rt.
7°
,1
70
e
19
3)
"9
.
N
es
te
co
nt
ex
to
,
pe
rti
ne
nt
e
tra
ze
r
a
vi
sã
o
de
Fa
bi
o
To
ka
rs
,
pa
ra
qu
em
a
fu
nç
ão
so
ci
al
da
em
pr
es
a
nã
o
te
m
co
nd
iç
õe
s
de
pa
ss
ar
do
pa
pe
l:
Q
ua
l
se
ria
a
fin
al
id
ad
e
de
um
a
no
rm
a
qu
e
po
r
qu
e
to
do
s
os
ci
da
dã
os
de
no
ss
o
pa
is
sã
o
pe
ss
oa
s
e
re
ah
za
da
s.
U
m
in
té
rp
re
te
m
en
os
at
en
to
à
re
al
id
ad
e
es
cr
ev
er
ia
od
es
â
m
od
er
ni
da
de
de
no
ss
o
di
re
ito
e
de
no
ss
a
so
cI
ed
ad
e,
M
as
ni
ng
ué
m
so
rr
iri
a
em
ra
zã
o
de
ta
l
no
rm
a,
ou
de
to
da
s
as
su
as
in
te
rp
re
ta
çõ
es
do
ut
rin
ár
ia
s.
qu
e
n!
il:
oe
xi
st
e
ne
nh
um
a
no
rm
a
qu
e
de
cl
ar
e
no
ss
a
M
as
há
ou
tr
as
qu
e
ch
eg
am
pe
rt
o
di
ss
o.
C
on
st
itu
em
ve
rd
ad
ei
ra
s
vá
lv
ul
as
de
es
ca
pe
ps
ic
os
so
ci
al
.
Sã
o
po
st
ul
ad
os
qu
e
no
s
tr
az
em
o
co
nf
or
to
de
riv
ad
o
da
fa
ls
a
se
ns
aç
ão
de
se
rm
os
in
te
gr
an
te
s
de
um
a
so
ci
ed
ad
e
ju
st
a
e
av
an
ça
da
.
C
on
tu
do
,
su
a
ap
lic
ab
ili
~a
de
nu
la
.
N
o
pl
an
o
do
di
re
ito
em
pr
es
ar
ia
l,
há
m
at
ér
ia
s
qu
e
po
de
m
se
r
en
qu
ad
ra
da
s
ne
st
a
ca
te
go
ria
.
A
re
gu
l.a
ça
o
do
ab
us
o
de
po
de
r
ec
on
õm
ic
o,
po
r
ex
em
pl
o,
já
fo
io
bj
et
o
de
di
ve
rs
os
es
tu
do
s
.a
po
nt
am
a
ab
so
lu
ta
fa
lta
de
ef
ic
iê
nc
ia
da
le
i,
qu
e
co
nt
ém
a
po
ss
lb
tll
da
de
de
ju
st
ifi
ca
r
o
m
ai
s
ab
so
lu
to
do
s
m
on
op
ól
io
s
de
ba
ix
o
da
de
qu
e
o
in
te
re
ss
e
do
s
co
ns