Dos crimes contra a vida (Artº 121 ao 137) Com mapa Mental
30 pág.

Dos crimes contra a vida (Artº 121 ao 137) Com mapa Mental


DisciplinaDireito Penal II9.968 materiais283.238 seguidores
Pré-visualização6 páginas
DIREITO PENAL II - DOS CRIMES CONTRA A VIDA 
I-DOS CRIMES CONTRA A PESSOA 
-Conceito: Os crimes contra a vida estão dispostos do art. 121 a 148do CP. Exceto os crimes 
Contra a vida considerada culposos e expressamente prevista em lei, todos são dolosos e estes são 
Levados ao Tribunal do Júri. 
A conduta de um crime doloso poderá ser comissiva (quandohá a pratica de uma ação) ou omissiva 
(quando a ausência de uma ação levou ao crime). 
Os crimes dolosos previstos no art. 121 são: 
- Simples \u201ccaput\u201d
- Privilegiado § 1º 
- Qualificado §2º 
Já os culposos estão dispostos no art. 121, §§ 3º e 4º e podem ser: 
- Simples 
- Qualificado 
II- HOMICÍDIO SIMPLES 
-Conceito:O homicídio simples é a eliminação da vida extra-uterina praticada por outrem, atingindo 
bem-jurídico tutelado pelo ordenamento jurídico que é a eliminação da vida humana extra-uterina. Tal 
Conceito é importante para diferenciar o homicídio do aborto (vida endo-uterina) e do suicídio (que 
(Não é praticado por outrem). 
Objeto jurídico:Protege-sea vidahumanaextra-uterina,quepassa aexistirdepois doparto, queéo 
Bem jurídico mais importante, sendo imperativo da ordem constitucional (art. 5º, caput). 
Sujeitoativo:écrimecomumedeformalivre,ouseja,podeserpraticadoporqualquerpessoaem 
Grupo ou não, empregando ou não armas. 
Sujeitopassivo:éalguém,qualquerserhumano,semdistinções,quesejaapartirdoiníciodoparto. 
Alguém que tenha vida humana extra-uterina. 
-ConsumaçãoeTentativa:Aconsumaçãoédadasemprecomamortedavítima. Semprequeage 
Dolosamente oautorqueratingironúcleo,sejaestaintençãodiretaouindireta. Atentativaocorre 
Quando,iniciadooataqueapraticasejainterrompidaporcircunstânciasalheiasàvontadedoagente, 
Caso contrário, seria desistência voluntária. 
-Elementos objetivos: A conduta típica é matar alguém, é o núcleo do tipo. 
Ohomicídiopodeocorrerpormeiosdiretos(quandoaação PRentende amorteimediatacomodisparo 
(De amar de fogo) ou indiretos (quando a ação é mediata como açular um cão para atacar alguém). 
Osmeiospodemserfísicos(armas),patológicos(transmissãodemoléstiapormeiodevírusou 
(Bactéria) ou psíquicos e morais (provocação de emoção violenta a um cardíaco). 
Ele também pode ser praticado por ação ou por omissão, como já foi dito. 
Em todos os delitos, é indispensável que haja nexo causal entre a conduta e o resultado. 
-ElementosSubjetivos:odoloéavontadedemataralguém,nãoexigindoqualquer foi mespecial. Está 
No foro íntimo do autor e é caracterizado pelo animus necandi. Est. adistinçãoéimportante,pois 
Havendo o elemento subjetivo de animus necandi e não consumado o evento delituoso, este 
Configuraria tentativa de homicídio e não lesão corporal. 
III-HOMICÍDIO PRIVILEGIADO (art. 121§ 1º) 
-Conceito: ocrimeprivilegiado éatenuante depenaeocorrequando oagenteestá impelidoporforte 
Valor socialoumoraleageimediatamenteapósinjustaprovocação. Ressalte-sequeo Cr IME 
Privilegiado édolosoedeveestarconjugadojuntamentecomoart.121,\u201ccaput\u2019,porissoacausade 
Sua diminuiçãoéestabelecidanapenadesteartigode1/6a 1/3,podendoseratémenord oquea 
Pena base. Em outras palavras, ele não é delito autônomo e sim causa de diminuição de pena. 
-Figuras típicas dohomicídio privilegiado:
1-Relevante Valor Social: significa queodelitoéentendidopelasociedadecomojustificável. É 
Aquele quedizrespeitoaosinteressesdavidacoletiva. Ex.:patriotamatatraidordapátria,sujeito 
Mata perigoso bandido da comunidade a fim de segurar a tranqüilidade e etc. 
2-RelevanteValorMoral:éumaquestãomoralindividual,particulardoagente,movidapor 
Sentimentos decompaixãoepiedade. Aeutanásia,porexemplo,nãofoiexcluídaaculpabilidadepelo 
Direito penalbrasileiro,entretantoesteagentegozadediminuiçãodepena,pois há relevante valor 
moral, ou seja, o agente pretende acabar com o sofrimento de um doente irr emediavelmente perdido. 
3-Sob Violenta Emoção Logo Em Seguida De Injusta Provocação Da Vítima: é um elemento 
temporal e exige que estejam presentes as duas figuras. A caracterização ressaltada pelo legislador de \u201clogo em seguida\u201d expressa que é imprescindível que o ato tenha ocorrido imediatamente após injusta provocação e que o agente já estivesse sob forte emoção, o que dificultaria seu autocontrole. 
Assim, esquematicamente, o crime privilegiado depende das seguintes circunstâncias: 
IV-HOMICÍDIO QUALIFICIADO (art. 121 §2º) 
-Conceito:foiummeioqueolegisladorencontroudeagravarocrimeemdeterminadashipótesesem 
queosmeiosourecursosempregadospeloagentedemonstramumamaiorper iculosidadeemenor 
Possibilidade de defesa da vítima, podendo estar presente mais de uma delas, desde que compatíveis: 
1 -mediante paga ou promessa de recompensa, ou por outro motivo torpe; (quanto aos motivos, 
(Subjetiva):Éochamadohomicídiomercenário,quandooagenter exigiu pagamentoparapraticaro 
Crime,oucometeporqueteveumapromessadeserrecompensadoporis são. Assim,responderápor 
Crime qualificado não só quem recebe o valor, mas também quem pagaram o prometeu.
O motivo torpe, por sua vez, é aquele demonstrado pela maldade do sujeito na sua motivação. É motivo 
Abjeto, r impugnante,ignóbil,desprezível,profundamenteimoral,maisbaixonaescaladevalores éticos 
E denotamaior desaprovação espiritual doagente. Ex.: Matarparareceber herança, porque descobriu 
Que a namorada não é virgem, por rivalidade profissional e etc. 
2-pormotivo fútil (quantoaosmotivos,subjetiva): compreende-seaquelesemimportância,frívolo, 
Leviano,ninharia,insignificante. Háinteiradesproporçãoentreocrimeeamotivação. O tribunal tem reconhecido comofútildiscussãoentremaridoemulher,rompimentodenamoro,discussão 
Familiar sem importância, por ter a vítima rida do acusado e etc. 
3-comempregodeveneno,fogo,explosivo, asfixia torturaououtromeioinsidiosooucruel, 
Ou dequepossaresultarperigo comum (quantoaomeioempregado, objetiva): qualificadoras, pois 
denotam a maior periculosidade do agente e dificuldade em defesa da vítima e eventualmente também 
podem causar perigo coletivo. O meio insidioso é o uso de fraude ou armadilha, clandestinos da vítima que não permitem que ela saiba que está sendo atacada. Ex.: armadilha: sabotar o motor de um automóvel. Meio cruel, por sua vez, é sujeitar a vítima a graves e inúteis vexames ou sofrimentos. 
Meio bárbaro, brutal, que aumenta inutilmente o sofrimento da vítima, partida de um animo calmo que permite a escolha dos meios capazes de infligir o padecimento desejado à vítima. A tortura, por exemplo, é cruel. Par a ser qualificadora, no entanto, não é preciso que seja insidioso e cruel, mas sim ou um ou outro. 
4-à traição, de emboscada, ou mediante dissimulação ou outro recurso qu e dificulte ou torne impossível a defesa do ofendido(quanto à execução): São aquelas hipóteses em que o agente se vale Da boa-fé da vítima para maior segurança na prática do seu ato, revelando covardia do autor. Ex.:pais Da SusaneRichtofendor mundo não achava queelaosmataria,senãonãoteriamdormido. NatraiçãoEstá presente o elemento confiança, é um vínculo com pessoas do seu convívio. É a quebra daconfiança Que avítimadepositavanoagenteequeeste,destaconfiança,aproveita-separamataravítima. 
Atingeavítimadescuidadaeconfiante. Emboscadaoutocaiatambéméumatraição,massemvínculo De confiança. Équandooagenteesperaapassagemouchegadadavítima,descuidada,para feri-la. 
Configura-sedissimulaçãoousodeum artifício para se aproximar da vítima, que distraia a sua 
Atenção. Ex.: disfarce de policial. 
5-para assegurar a execução, a ocultação, a impunidade ou vantagem de outro crime( por conexão, subjetivo): Este caso configuraria, em rigor, motivo torpe. Desta for ma, como conexão teleológica, o agente o homicídio é perpetrado para execução de outro crime (ex.: mata para pode provar incêndio) ou consequencial, quando é praticado
Aurélio
Aurélio fez um comentário
devia ter como imprimir
0 aprovações
Renan
Renan fez um comentário
mapa legal digitação dos textos uma ?
0 aprovações
Carregar mais