Convulsao
3 pág.

Convulsao


DisciplinaSemiologia e Semiotécnica585 materiais6.575 seguidores
Pré-visualização2 páginas
Medicina \u2013 3º Período \u2013 Arielle Moraes
Prática Médica I \u2013 Convulsão
Convulsão
Fenômeno neurológico, onde há um transtorno eletrofisiológico anormal e transitório, refletindo no tônus, na musculatura, no movimento do corpo, na liberação de esfíncteres. Haverá movimentos incoordenados dos olhos, perda da consciência, sendo essa a crise convulsiva. 
A crise convulsiva trabalhada em uma emergência, a situação em que o médico vê e percebe a chegada da crise, é uma situação desesperadora. 
Para o pediatra, ou seja, em crianças, o principal motivo da ocorrência de crises convulsivas é a febre alta. No adulto pode ocorrer por outros motivos. 
É normal acontecer da criança fazer uma hipertermia, onde ela vai de uma temperatura normal para uma temperatura muito alta, em uma velocidade muito grande. Isso associado à pré disposição da criança para crises, irá ocorrer a crise convulsiva. 
O momento da crise convulsiva em uma criança é algo muito desesperador para os pais pois eles têm a sensação de que o filho irá morrer, pois a criança está se debatendo muito e virando os olhos. Então a entrada de um paciente na emergência é algo desesperador e cabe ao profissional agir com tranquilidade nesse atendimento, pois se os pais em desespero ver o médico agitado, o médico não terá controle sobre esse atendimento e será difícil cuidar da criança com os pais muito preocupados. Por isso o médico deve-se manter calmo, agir de maneira suave e habilidosa sem mostrar desespero aos pais, mas sim mostrando tranquilidade, e isso consequentemente irá passar tranquilidade para os pais. 
Classificações da Convulsão 
\u25aa Generalizada: ocorre todos os tipos de sintomas, como hipertonia muscular, movimento da musculatura, movimento desordenado muscular, liberação de esfíncteres e perda da consciência
\u25aa Focal Simples: abalo muscular de membros sem perda da consciência (parcial) \u2013 abalo ou hipertonia
\u25aa Focal Complexa: abalo muscular de membros com perda da consciência (parcial) \u2013 abalo ou hipertonia
\u25aa Atônica: ocorre comprometimento da musculatura apenas (hipotonia), sem hipertonia ou movimento muscular, ocorrendo perda da consciência \u2013 ocorre queda, sendo como o desmaio, porém o desmaio ocorre por outras causas, inicialmente não é diferenciável, apenas com coleta de dados da anamnese
\u25aa Ausência: há apenas perda da consciência por alguns instantes, não ocorrendo demais sintomas, sendo mais comum em crianças do que adultos \u2013 paciente fica parado sem transtornos musculares.
Qualquer complicação é preciso procurar um neurologista para fechar um diagnóstico conclusivo e ser passada uma medicação preventiva (anticonvulsivantes).
Tipos de Convulsão
\u25aa Tônico-clônica: crise convulsiva mais frequente, ocorrendo hipertonia muscular e movimento incoordenado do corpo \u2013 abalo muscular
\u25aa Tônica: ocorre hipertonia muscular
\u25aa Atônica: ocorre hipotonia muscular e perda da consciência, semelhante a um desmaio porém com causas diferentes, sem ocorrência de movimento muscular ou hipertonia
\u25aa Clônica: movimento do corpo, paciente fica se debatendo com movimentos incoordenados de membros e do corpo todo
A crise tônico-clônica com liberação de esfíncteres, movimento incoordenado dos olhos e perda de consciência é a chamada crise generalizada. 
Conforme pesquisado e buscado em fontes externas, há dois tipos de convulsões que possuem subtipos. Esses dois tipos principais são as convulsões Generalizadas e as convulsões Focais ou Parciais:
Convulsões Generalizadas
\u25aa Crises de Ausência
\u25aa Convulsões Mioclônicas
\u25aa Convulsões Clônicas
\u25aa Convulsões Tônicas
\u25aa Convulsões Tônico-clônicas
\u25aa Convulsões Atônicas
Convulsões Focais
\u25aa Convulsões Focais Simples
\u25aa Convulsões Focais Complexas
Obs: Convulsão mioclônica não foi citada pelo professor. A mioclônica envolve movimentos involuntários dos membros.
A anamnese se torna muito importante na avaliação da convulsão para que seja identificada o tipo e a causa, e o médico possa administrar a medicação mais adequada, traçando um tratamento. 
Para todas os tipos de convulsões são aplicados o mesmo medicamento, que é o anticonvulsivante, principalmente o Diazepam, podendo variar o medicamento e as doses aplicadas. Em um tratamento, após certo tempo de tratamento com medicamentos pode ser que o médico suspenda a medicação. 
Convulsão Febril
\u25aa Febril: É uma convulsão normal de ocorrer devido ao aumento súbito de temperatura corporal associado à pré-disposição a ter crises convulsivas. Até os 5 anos é comum ocorrer crises febris não indicando quaisquer alterações neurológicas. 
Crianças novas que já apresentaram crises convulsivas febris são orientadas, em caso de início de febre, a tomarem medicação antitérmica e até mesmo banho gelado para evitar ocorrer a crise. Isso porque se a criança já teve uma crise muito nova, indica que ela é pré-disposta a ter crises. 
\u25aa Não febril: Quando a crise convulsiva não está associada à febre, ai cabe ao encaminhamento à um neurologista e a investigação por exames de imagens de qualquer alteração neurológica. 
Anamnese da Convulsão
\u25aa Duração da crise
\u25aa Fatores associados ao início
\u25aa Trauma prévio à crise
\u25aa Vômito associado
\u25aa Dor de cabeça
\u25aa Uso de medicamentos e dosagens séricas
\u25aa Uso de drogas, contato com inseticidas ou intoxicação
\u25aa Incontinência urinária ou fecal \u2013 pela liberação de esfíncteres
\u25aa Doenças metabólicas crônicas 
\u25aa Doenças infecciosas
\u25aa Nível de consciência
\u25aa Padrão de eventos musculares \u2013 hipertonia, hipotonia, abalo muscular
Meningite
\u25aa Febre
\u25aa Vômito
\u25aa Convulsão
\u25aa Pode haver hemograma alterado
\u25aa Pode apresentar rigidez cervical
Em casos de suspeita de meningite não é esperado exames para confirmar, mas sim administra-se antibióticos como medida rápida e preventiva. 
A punção lombar também é indicada para avaliação de um quadro de meningite, porém deve-se tomar cuidado para que o paciente não tenha, por exemplo, um edema cerebral ou hipertensão craniana, que contraindica uma punção. Caso seja feita uma punção em condições contraindicadas, há o risco do paciente sofrer uma parada respiratória.
Principais Causas
\u25aa Traumatismo Craniano (TCE) \u2013 ocorre fratura, hemorragia ou algum edema cerebral, podendo comprimir terminações nervosas e ocasionar a convulsão
\u25aa Meningite \u2013 processo infeccioso e inflamatório podendo comprimir terminações nervosas
\u25aa Desidratação grave \u2013 leva aos distúrbios metabólicos
\u25aa Distúrbios metabólicos como hipoglicemia, hipopotassemia, hiponatremia, entre outros 
\u25aa Intoxicação \u2013 medicamentosas ou outras exógenas
\u25aa Hipoxemia Perinatal \u2013 neonato com complicações por ter tido um parto complicado, podendo ocorrer 
\u25aa Epilepsia \u2013 crises convulsivas recorrentes
\u25aa Febre \u2013 pré-disposição à crises e elevação súbita da temperatura corporal em crianças com menos de 5 anos de idade, pois ainda não possuem um amadurecimento total do sistema nervoso
\u25aa Tumor \u2013 quando ocorre no cérebro, pode comprimir alguma terminação nervosa
Procedimentos no Paciente em Crise Convulsiva
\u25aa Deitar o paciente e colocá-lo de lado para que não faça broncoaspiração caso vomite
\u25aa Afrouxar roupas
\u25aa Remover objetos
\u25aa Proteger a cabeça e lateralizá-la
\u25aa Observar respiração e frequência cardíaca
\u25aa Colocar um pano ou tecido na boca do paciente para que ele não morda a própria boca ou língua
Procedimentos que Não Devem ser Feitos
\u25aa Tirar roupa
\u25aa Dar banho \u2013 paciente pode se afogar
\u25aa Colocar mão na boca do paciente \u2013 pode morder a mão involuntariamente
\u25aa Medicar autonomicamente 
\u25aa Realizar exercícios nas 48 horas seguintes à crise
» Pacientes que chegam à emergência com crise convulsiva devem ser internados e observados, a não ser que sejam pacientes epiléticos, ou seja, que possuem crises convulsivas recorrentes. É preciso tomografar o paciente que sofreu a crise e investigar se há um tumor, infecção ou outros fatores. 
» Uma crise de ausência pode evoluir para uma tônico-clônica ou até mesmo generalizada.
» Diazepam é a droga mais rápida no efeito contra convulsão. (Algo perto de 15 segundos).
» A crise convulsiva