A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
9 pág.
Sem Cult Jurid III - matéria menino

Pré-visualização | Página 2 de 2

o Estado tem que dar liberdade a todos para cada indivíduo posso potencializar o melhor de cada um.
	- Criou o modelo de Estado que permanece até hoje, com uma Constituição forte e estável.
2. Observações
	- Como o modelo americano foi muito criticado, fez com que o modelo francês seja melhor adota hoje.
	- A crítica conservadora diz que a declaração francesa é muito abstrata – dificuldade de identificar o homem, pois os homens não são todos iguais.
	- A crítica socialista diz que a propriedade não devia estar presente nesses direitos do homem. Os franceses só estavam protegendo os homens que tinham a propriedade e não todos os homens. Algumas pessoas usavam a propriedade para roubar o trabalho alheio. A propriedade é um direito burguês, que só favorece a burguesia e não homem que fornece a mão-de-obra.
	- No princípio os dtos humanos eram burgueses, porém depois as classes que estavam discriminados destes dtos, começaram a terem seus dtos reconhecidos.
	- Então o modelo francês começou a ser mais aceito porque a idéia era o desenvolvimento da sociedade em volta da igualdade e não da liberdade.
	- Bobbio fala que os dtos humanos incorporam linhas antagônicas. Estes antagonismo fez com que os dtos humanos começassem a se internacionalizar.
	- O que fazer quando o Estado Soberano não respeita os dtos humanos?
		- Bobbio dizia que os dtos humanos tinham que sofrer uma nova reforma, para que houvesse esta proteção.
Aula – 08/Mar/10
1. PROVA
	- 7 questões; ( 2 erradas anula uma certa.
	- Capítulos 1 e 2 do Livro I e Capitulo 1 do Livro 2 do Bobbio;
	- Rounet – Mal-estar da Humanidade
Aula – 06/Mai/10
ADPF 153 – Escolher qual o ministro vai defender para o seminário.
Aula – 13/Mai/10
1. Regras do Jogo
	- 2 Professores irão decidir que será o vencedor;
	- O grupo terá que responder a seguinte pergunta no auditório: “A decisão do STF sobre a Anistia é justo?” 
	- A resposta deverão ser embasadas juridicamente e politicamente.
	- Será Sábado dia 02/jul;
	- Valerá 4 horas complementares;
	- Valerá 20 horas complementares para quem irá apresentar;
	- Valerá 30 horas complementares para a classe que ganhar a discussão.
	- A construção da argumentação será feito pela sala que terá seu representante na discussão.
Aula – 20/Mai/10
Reabertura do Processos Pelos Crimes da Ditadura Militar Argentina
 (Mara José Guembe)
- Lei de Obediência Devida e Ponto Final
	- Não existe mais Lei de Anistia na Argentina.
	- A Corte Argentina derrubou a Lei da Anistia.
	- Ponto Final: ninguém vai se vingar.
	- Lei de Obediência Devida: perdoava as pessoas porque estava cometendo crimes porque estava obedecendo ordens.
- 1987 – Corte decide que não é questão jurídica, mas política
	- O processo jurídico e o processo politico estão interligados.
	- Quem tinha definido as lei foi a política então a corte não vai decidir.
- Direito Internacional:
	- Convenção Americana dos Direitos Humanos
	- Pacto Internacional dos Direito Civis e Políticos
- 1994 - Incorporação dos Tratado acima à Constituição da Argentina
- Responsabilidade dos Estados e Imprescritibilidade dos Direitos
- Processo pela Verdade
- Caso Pinochet derrubou a Anistia no Chile
- 1998: Revogação das Leis de Obediência Devida pelo Congresso Nacional
	- Gerou um problema de segurança jurídica e coisa julgada.
- Julgamento do Fujimori
	- Com base no julgamento do Fujimori – que diz não haver base para não criminalizar atos contra Direitos Humanos, ou seja, são imprescritíveis cometidos contra matéria de Direitos Humanos.
- 14 de Julho de 2005: Inconstitucionalidade e Imprescritibilidade dos Direitos Humanos. Portanto, não se pode vale por nenhuma lei de Anistia.
	- Hoje todas as pessoas que cometeram crimes contra dos direito humanos, na Argentina, podem ser julgados novamente.
- Os Direitos Fundamentais devem ser defendidos sempre e não podem ser desrespeitados a nenhum momento – este é o entendimento das Cortes Internacionais.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.