A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
24 pág.
FENOS 1

Pré-visualização | Página 1 de 1

ACADÊMICAS 
Bruna S. Berbaum
 Franciele G. De Oliveira
Jéssica G. Casagrande
Universidade do Estado de Mato Grosso – UNEMAT
Campus Universitário de Nova Mutum
FENOS
Feno
É um alimento volumoso, preparado mediante o corte e a desidratação de plantas forrageiras;
Esse processo é denominado fenação;
 Excelente maneira de se aproveitar o excedente de pasto; 
A maioria das gramíneas forrageiras presentes nas pastagens pode ser utilizada; 
Conservação do valor nutritivo da forragem através da rápida desidratação para que o produto possa ser armazenado por longo tempo, sem perigo de fermentação, emboloramento ou mesmo combustão espontânea. 
Assim, a qualidade do feno está associada a fatores relacionados com as plantas que serão fenadas, às condições climáticas ocorrentes durante a secagem e ao sistema de armazenamento empregado. 
Princípio básico da fenação
Basicamente, são dois processos para produção de feno ou fenação:
Processo artesanal ou manual 
Processo mecanizado
Para produção eficiente de feno, os seguintes pontos devem ser observados:
Produção da forragem: formação e manejo de campos exclusivamente para fenos – intensificar a produção; aproveitamento do excedente do pasto do verão para feno;
Produção do feno: corte, secagem ou desidratação, armazenamento, custos, qualidade.
A qualidade de um feno depende da:
sua composição química;
Palatabilidade,
Digestibilidade, 
A fase de maturação no momento do corte,
Valor nutritivo, 
Proporção de folhas, 
Coloração,
teores de proteína, fibra e elementos minerais;
O bom feno é palatável, nutritivo e ótima fonte de vitaminas A e D.
Aspectos de um feno de boa qualidade
Elevado valor nutritivo;
Relação folha/caule – deve apresentar maior quantidade de folhas em relação ao caule,
Cor verde – A cor indica menos perdas, principalmente de caroteno.
Estágio vegetativo – ideal, quando as mesmas está com os teores mais elevados de nutrientes nobres
Não deve ter substâncias estranhas – ervas daninhas, plantas tóxicas, terra entre outros
Não deve ter bolores.
O cheiro deve ser agradável
Deve ter boa aceitação pelos animais
Entre as gramíneas melhores para a fenação, temos: pongola, jaraguá, colonião, gordura, rhodes, kikuio, estrela-africana, grama bermuda, braquiárias, etc;
7
Entre as leguminosas, encontramos: alfafa, soja perene, siratro, centrósema.
VANTAGENS DO FENO:
Pode ser armazenado pôr longos períodos com pequenas alterações no valor nutritivo (VN);
Grande número de espécies forrageiras podem ser usadas no processo;
O feno pode ser produzido e utilizado em grande e pequena escala;
Pode ser colhido armazenado e fornecido aos animais manualmente ou num processo inteiramente mecanizado ;
Pode atender o requerimento nutricional de diferentes categorias animais.
PROCESSO DE FENAÇÃO
 A fenação é realizada em três fases, bem distintas:
Corte ou ceifa da planta;
Secagem, desidratação, dessecação ou cura;
Armazenamento.
PROCESSO DE FENAÇÃO
Corte ou Ceifa
Realizado de preferência no período da manhã
O corte pode ser manual ou mecânico
Podendo-se utilizar alfanje, segadeira, roçadeira ou mesmo a taarup.
segadeira
alfanje
roçadeira
taarup
Secagem, desidratação, dessecação ou cura
deve ter o teor de água reduzido para o máximo de 25%
Quanto mais rápida for a secagem, menores serão as perdas
A secagem pode ser realizada por diversos processos
 - Fenação ou secagem a campo;
 - Secagem à sombra;
 - Desidratação artificial.
PROCESSO DE FENAÇÃO
Fenação ou secagem a campo
PROCESSO DE FENAÇÃO
Secagem a sombra
PROCESSO DE FENAÇÃO
Desidratação artificial
PROCESSO DE FENAÇÃO
PROCESSO DE FENAÇÃO
Armazenamento
Armazenamento em galpões 
Armazenamento a campo 
(em medas): 
Armazenamento a granel
Armazenamento em fardos
Tipos e classes de fenos
Mínimo de folhas (%)
Mínimo de cor verde (%)
Máximo de impureza (%)
Fenos de leguminosas e mistos
(1) alta qualidade
40
60
5
(2) regular
25
35
10
(3) relativamente pobre
10
10
15
Fenos de gramíneas
(1) alta qualidade
45
40
10
(2) regular
30
30
15
(3) relativamente pobre
15
10
20
Composição dos fenos
Valor nutritivo de alguns fenos de gramíneas e leguminosas
Gênero, espécie e processamento
MS (%)
PB (%MS)
Ca (%MS)
P (%MS)
Glycinemax (feno curado ao sol)
89
15,9
1,33
0,32
Hyparrenia rufa (feno curado ao sol)
90,1
7,2
0,52
0,14
Manihotesculenta(folhas curada ao sol)
69,8
26,9
4,23
1,06
(parte aérea desidratada)
90,3
12,1
0,6
0,26
(raízes desidrat. e moído)
87,3
2,8
0,17
0,09
Medicago sativa (curado ao sol, flor.)
90,1
12,5
1,4
0,19
(desid.,flor. e moído)
92,4
19,5
-
0,3
Melinisminutiflora (curado ao sol)
93,2
6,8
-
-
Musa paradisíaca (folhas desidrat.)
96,7
16,6
-
-
Oryza sativa (casca de arroz)
90,6
4,5
-
-
Oryza sativa (palha de arroz)
89
5,4
1,90
0,25
Panicummaximum (colonião desidrat.)
93,5
6,7
0,47
0,26
(Tanzânia)
90
8
1,1
0,25
(Tobiatã)
90
7,8
1
0,25
Pennisetumciliare (capim buffel curado ao sol)
92,7
7,9
-
-
Pennisetumpurpureum (feno curado ao sol)
89,1
8,2
-
-
Elefante Híbrido Paraíso
90,6
14,6
1,1
0,35
Gênero, espécie e processamento
MS (%)
PB (%MS)
Ca (%MS)
P (%MS
Saccharumofficinarum (ponta da cana curada ao sol)
88,4
4,1
-
-
(bagaço seco)
91,8
1,2
0,32
0,14
Sorghumvulgare (paniculas curadas ao sol)
88,5
10,4
0,18
0,12
(parte aérea curada ao sol)
90,6
4,2
0,3
0,15
FATORES QUE INTERFEREM O VALOR NUTRITIVO DO FENO:
Fatores relacionados à planta;
Fatores ambientais;
Estádio de desenvolvimento;
Perdas durante a secagem:
Perdas de carboidratos solúveis;
Compostos nitrogenados;
Vitaminas;
Minerais;
PERDAS NO CAMPO:
Por umidade,
Por temperatura,
Fungos e Bactérias
Perdas no armazenamento 
Perdas durante a distribuição aos animais
Contaminação com fezes, 
Urina,
Pisoteio, 
Terra,
Barro, 
chuvas, 
Distribuição feita ao relento
FORNECIMENTO DE FENO AOS ANIMAIS
Cochos, fardos soltos
Referências Bibliográficas
http://www.cnpgl.embrapa.br/sistemaproducao/15248-feno
ANDRIGUETTO, José Milton et. al. – Nutrição Animal – São Paulo : Nobel, 2002. V.1
 
ZONTA, Augusto, e ZONTA, Márcia Cristina de Mello. - Técnica Da Produção De Feno – Pesquisa e tecnologia, Apta Regional ; vol. 9, n. 2, Jul-Dez 2012 ; Disponível em : http://www.aptaregional.sp.gov.br/index.php?option=com_docman&task=doc_view&gid=1209&Itemid=284
VILELA, Herbert. - Feno e Fenação – Portal Agronomia ; 2009 ; Disponível em : http://www.agronomia.com.br/conteudo/artigos/artigos_feno_fenacao.htm
Referências Bibliográficas
SAVASTANO, Sérgio, Dr. Zootec. - O que é importante saber sobre fenação - Dextru – Divisão de Extensão Rural : CATI Coordenadoria de Assistencia Técnica Integral, Secretaria de Agricultura e Abastecimento; SP, 2007 : Disponível em ; http://www.cati.sp.gov.br/Cati/_tecnologias/bovinocultura/fenacao.php
 
COSTA, José Ladeira da, e RESENDE, Humberto, - Produção de Feno de Gramíneas - Embrapa Gado de Leite, MG, 2000: Disponível em : http://www.cnpgl.embrapa.br/totem/conteudo/Alimentacao_e_manejo_animal/Pasta_do_Produtor/19_Producao_de_feno_de_gramineas.pdf
Obrigado !!!!!

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.