Historia da America I Vol1
320 pág.

Historia da America I Vol1


DisciplinaHistória da América I1.192 materiais44.684 seguidores
Pré-visualização50 páginas
nada 
menos que 14.200 índios no espaço de apenas cinco dias, somente 
com a ajuda de um outro frade. Surgiu também nesse contexto, entre 
os franciscanos, a percepção de uma semelhança entre os índios 
da Nova Espanha e os ideais cultivados pelas ordens mendicantes, 
organizadas em torno dos votos de pobreza. Os índios lhes pareciam 
ter poucas posses e carecer de qualquer espírito de aquisição de 
60 
História da América I
bens; também pareciam ter a simplicidade e a capacidade de 
obediência aos superiores presente entre os religiosos. Essas supostas 
semelhanças fi zeram o já citado Mendieta exclamar: \u201cNo mundo, 
jamais se viu nação ou geração de gente mais disposta para salvar 
suas almas... que os índios desta Nova Espanha\u201d. 
 O que pensaria um jesuíta desses métodos franciscanos 
de ganhar almas? Antes de buscar respostas para esta questão, é 
preciso notar que os jesuítas só chegaram à segunda metade do 
século XVI, dirigindo-se principalmente para as áreas fronteiriças 
do vasto império espanhol nas Américas. Reside aí, possivelmente, 
uma das diferenças cruciais na atuação das duas ordens. Os jesuítas 
contrastavam com os franciscanos por não se recusarem a tratar 
com propriedades e riquezas, e por serem dotados de agudo 
senso intelectual e capacidade de infl uência política. Mas nas 
Américas, diferenciavam-se principalmente por pregar nas fronteiras, 
dedicando-se à tarefa de ganhar almas, como diziam, entre os 
índios e os escravos africanos, que viviam nas áreas mais remotas, 
ao passo que os franciscanos mantiveram-se nas áreas centrais 
das conquistas.
Um grupo de estudantes da Universidade de Paris, liderados 
por Inácio de Loyola, decidiu unir-se para formar uma nova 
ordem, disposta a se colocar a serviço da Igreja católica e 
da defesa do catolicismo. Em 1540, esta ordem religiosa, 
denominada Companhia de Jesus, recebeu a aprovação 
papal e começou a expandir-se por meio da fundação de missões, 
colégios e seminários em diversas partes do mundo. Os membros 
da Companhia de Jesus eram chamados de jesuítas e convocados 
a alistar-se a serviço de Cristo, na \u201cbatalha\u201d contra os infi éis.
 61
Aula 5 \u2013 Missionários e índios na América espanhola colonial
Uma das mais famosas missões jesuítas na América do Sul 
desenvolveu-se na região de selva entre o Brasil e o Paraguai, 
habitada pelos índios guaranis. Essa missão começou a ser 
instituída ainda no ano de 1603, quando dois ou três padres da 
Companhia entraram na região acompanhados de alguns discípulos 
nativos. A reação dos nativos foi intensa e os primeiros esforços dos 
missionários concentraram-se na conquista da amizade dos caciques, 
os chefes indígenas. Nenhum espanhol participou dessa missão, fato 
inédito nas conquistas americanas. Como resultado dessa ausência 
de qualquer intervenção civil na chamada pacifi cação dos índios, 
os jesuítas receberam direitos exclusivos, garantidos pela coroa, 
sobre os territórios das missões.
Implementaram ali uma série de povoados, concentrando os 
índios em novas vilas marcadas pela igreja, sempre ao centro, e 
pela estrita observância do calendário religioso católico. Os jesuítas 
instruíram os fi lhos dos caciques na leitura, na escrita e em uma série 
de ofícios artesanais. Vivendo entre os índios, na missão, introduziram 
regras de conduta que castigavam a embriaguez e regulavam com 
rigor a vida sexual dos nativos, provocando mudanças drásticas nas 
formas de organização originais daquelas comunidades. De acordo 
com o jesuíta Antonio de Montoya, participante dessa missão desde 
o início, foram batizados entre os anos de 1612 e 1626 cerca de 
95.000 índios na região. 
Se até aqui buscamos algumas diferenças entre as estratégias 
missionárias presentes nas Américas, é hora de reafi rmar, em síntese, 
um traço comum: ao enxergarem os índios como cristãos potenciais, 
os religiosos não se furtaram a intervir, com violência variável, nos 
modos de vida dos nativos americanos. 
62 
História da América I
Atende ao Objetivo 1
1. Frei Diego Durán nasceu provavelmente em Sevilha e chegou à Nova Espanha 
(atual México) entre 1542 e 1544, ainda menino. Quando jovem, ingressou na Ordem 
Dominicana, tornando-se frade em 1556. Durán viveu a maior parte de seus 51 anos entre 
os índios, aprendeu a língua náhuatl e dedicou-se a conhecer, e escrever sobre as práticas 
religiosas e rituais dos nativos. Os dominicanos, assim como os franciscanos, achavam-
se imbuídos da tarefa de dar instrução religiosa aos índios, vistos como pobres almas 
enganadas pelo demônio. Nesta atividade, você deve ler o trecho a seguir e responder 
à seguinte questão: como Durán descrevia a tarefa missionária dos religiosos envolvidos 
com a evangelização dos índios? 
\u201cFui movido, leitor cristão, a tomar esta ocupação de colocar e contar por escrito as idolatrias 
antigas e a religião falsa com que o demônio era servido, antes que chegasse a essas partes 
a pregação do santo Evangelho, por ter entendido que nós que nos ocupamos da doutrina 
dos índios nunca acabaremos de ensiná-los a conhecer o verdadeiro Deus...\u201d, Frei Diego 
Durán, Historia de las Indias de Nueva España y Islas de la Tierra Firme, 1581.
_______________________________________________________________
_______________________________________________________________
_______________________________________________________________
_______________________________________________________________
_______________________________________________________________
_______________________________________________________________
_______________________________________________________________
_______________________________________________________________
_______________________________________________________________
_______________________________________________________________
_______________________________________________________________
_______________________________________________________________
 63
Aula 5 \u2013 Missionários e índios na América espanhola colonial
_______________________________________________________________
_______________________________________________________________
_______________________________________________________________
Resposta Comentada
Nesta questão, espera-se que você tenha observado que as palavras de Duran dirigiam-se 
a um suposto leitor cristão e que foram escritas no fi nal do século XVI, em 1581, momento 
em que a fase mais destacada do trabalho missionário na Nova Espanha chegava ao fi m. 
Para caracterizar a atividade missionária, o dominicano tratou primeiro de qualifi car aquilo 
que ele acreditava ser a antiga religião dos índios: idolatria, religião falsa, religião que 
servia ao demônio. Em seguida, notou que a doutrinação dos índios dependia de um esforço 
constante por parte dos missionários, pois os ensinamentos cristãos, sobre o \u201cverdadeiro 
Deus\u201d nunca estariam completos diante da ameaça constante do ressurgimento das antigas 
e supostamente falsas crenças dos índios. Diego Durán, adepto do espírito triunfalista das 
ordens mendicantes já comentado nesta aula, tomava por certo que o verdadeiro Deus era 
o deus dos cristãos, de modo que a difusão do evangelho era a única forma de arrancar 
dos índios os traços de religiosidade que ele considerava falsos. O dominicano resumiu, 
nestas poucas palavras, o núcleo da atividade missionária dirigida aos índios no século XVI. 
 Para uma ideia do cotidiano das atividades jesuítas 
na América do Sul, entre os índios guaranis, você pode assistir 
ao fi lme A missão, dirigido por Roland Joffé e lançado em 
1986. Robert de Niro fez o papel principal de um ex-apresador 
de índios, que se converteu e passou a integrar