Avaliação Traumato ortopédica
32 pág.

Avaliação Traumato ortopédica


DisciplinaFisioterapia em Ortopedia e Traumatologia1.856 materiais28.151 seguidores
Pré-visualização1 página
Avaliação Traumato-ortopédica
Avaliação Musculoesquelética:
Princípios de Conceitos
David J. Magee
Capitulo 1
Avaliação Musculoesquelética:
\uf06e Princípios de Conceitos:
- Anamnese;
- Observação;
- Exames dos movimentos;
- Testes especiais;
- Reflexos e distribuição cutânea;
- Movimentos do jogo articular;
- Palpação;
- Diagnóstico por imagem.
\u201cAnamnese é o relato do paciente a respeito de sua própria condição\u201d
Anamnese
\uf06e Queixas do paciente, situação atual da
doença, prognóstico e tratamento
adequado.
\uf06e Determinar a personalidade do paciente,
sua linguagem e capacidade cognitiva.
\uf06e Analisar antecedentes anteriores
(doenças, cirurgia, alergias)
\uf06e Hábitos de vida (sono, estresse, carga de
trabalho, lazer)
Anamnese
\uf06e Questões a serem a abordadas:
- Idade, sexo;
- Ocupação do paciente;
- Por que o paciente procurou ajuda?
- Trauma desencadeante (macrotrauma) ou 
atividade repetitiva (microtrauma). Qual 
mecanismos da lesão?
Anamnese
\uf06e Questões a serem a abordadas:
- Localização dos sintomas que incomodam;
- Localização da dor;
Pontos gatilhos: \u201cáreas delimitadas de hiperirritabilidade no 
interior dos tecidos, sensíveis à compressão\u201d
- Movimentos que causam dor;
- Duração e freqüência da dor;
Classificação da dor
- Aguda: 7 a 10 dias após a lesão;
- Subaguda: de 10 a 7 semanas;
- Crônica: de 3 a 6 meses.
Localização de pontos 
dolorosos
\uf06e TENDER POINT: Dor localizada (pontos
localizados onde se tem um aumento de
tensão, uma disfunção miofascial)
\uf06e TRIGGER POINT: Dor irradiada ou
referida (ponto de gatilho onde se tem
uma disfunção miofascial, porém, quando
faz a palpação à dor se espalha)
Anamnese
\uf06e Intensidade da dor (escala de graduação 
da dor);
\uf06e Característica da dor (constante, 
periódica, episódicas; Associada ao 
repouso? Associada à determinadas 
posturas? A um determinado momento do 
dia?);
\uf06e Qualidade da dor (nervosa, óssea, 
vascular, muscular;)
Anamnese
Passivo/
ativo
Verificar
bilateralmente
Bloqueio, frouxidão, 
instabilidade, ruídos
\uf06e Articulação apresenta
bloqueio, frouxidão,
pontadas, instabilidade ou
falseio?
Anamnese
\uf06e Apresenta sintoma medular, desmaio ou 
mal súbito?
\uf06e Estresse?
\uf06e Doença sistêmica crônica ou tumores?
\uf06e Uso de medicações;
\uf06e Antecedentes cirúrgicos;
Fase de Observação da avaliação
\uf06e Inspeção (só olhar):
- Observar: posturas, gestos, atitudes, 
marcha;
- Alinhamento corporal;
- Deformidade (estrutural, funcional, 
dinâmica);
Coletar informações sobre defeitos visíveis, déficits 
funcionais e anormalidades de alinhamento
Observação
- Contornos ósseos e dos tecidos moles;
- Tamanho, forma e posição dos membros e 
qualquer atrofia;
- Cor e textura da pele;
- Sinais indicativos de inflamação;
Sinais vitais: 
- PA; FC; FR, temperatura.
Exame do Movimento
\uf06e Princípios:
- Iniciar o exame primeiro pelo lado normal;
- Realizar movimentos ativos antes que os 
passivos;
- Movimentos dolorosos devem ser 
realizados por último;
\u201cRealizado para confirmar ou refutar a hipótese diagnóstica, 
que é baseada na anamnese e na observação\u201d.
Exame Articular
\uf06e Deve ser mais o minucioso na articulação 
identificada na anamnese com maior variação 
da normalidade.
\uf06e Ao realizar o teste de movimentos, deve-se 
observar o que predomina: a dor ou a 
restrição.
\uf06e Durante o exame, deve-se garantir que o 
movimento seja realizado em uma velocidade 
lenta, suave e constante na direção desejada.
Movimentos ativos 
\uf06e São realizados pelos músculos voluntários 
do paciente, e têm seu próprio valor 
particular, pois combinam amplitude 
articular, controle e potência muscular. 
Esses movimentos são chamados de 
\u201cmovimentos fisiológicos\u201d.
Amplitude de movimento 
Movimentos Passivos
- A articulação é mobilizada em toda sua 
amplitude de movimento pelo examinador 
enquanto paciente esta relaxado, 
chamados de \u201cmovimentos anatômicos\u201d;
- Determinar qualquer limitação dos 
movimentos: hipomobilidade ou 
hipermobilidade;
Diagnóstico Diferencial 
\uf06e Distensão: laceração de fibras 
musculares;
\uf06e Tenossinovite: inflamação da membrana 
sinovial que recobre o tendão;
\uf06e Tendinose: degeneração intratendínea por 
microtraumas repetidos;
\uf06e Entorse: laceração das fibras do 
ligamento.
Exame do Movimento 
End feel: sobrepressão no final da amplitude de 
movimento.
- Determinar o end fell articular (sensação 
final do movimento) só quando a ADM 
ativa for total e livre de dor;
- Repetir os movimentos quando houver 
indicação.
Movimentos Passivos
- Identificar aderências que restringem o 
movimento (END FELL ).
\uf06e Apreciação de end-fell:
- Dura (osso com osso)
- Mole (sensação suave);
- Estiramento tissular (cede 
discretamente, mais comum).
Mole
Estiramento tissular
@ lateral ombro/
extensão do joelho: 
Força muscular
\uf06e 5- normal;
\uf06e 4 \u2013 bom;
\uf06e 3 \u2013 regular;
\uf06e 2 \u2013 ruim;
\uf06e 1 \u2013 vestígio/contração;
\uf06e 0 \u2013 zero.
Reflexos e Distribuição Cutânea 
\uf06e Classificação das lesões nervosas segundo 
Seddon:
- Neuropraxia;
- Axonotmese;
- Neurotmese.
Sinais a observar: atrofia, alterações circulatórias,
alterações cutâneas.
\u201cMapear a área da perda sensitiva e teste dos músculos acometidos pela 
perda motora\u201d
Testes Especiais ou 
Específicos
\uf06e Confirmação de 
hipótese diagnóstica;
\uf06e Esclarecer sinais e 
sintomas;
\uf06e Para cada exame 
articular existe um 
teste.
Teste de Apley 
(menisco)
Palpação 
\uf06e Deve esta relaxada ao máximo para ser capaz 
de discriminar:
- derrames;
- espasmo,;
- tônus muscular;
- espessura (edema) e textura dos tecidos;
- Temperatura;
\u201cUtilizada para identificação exata da lesão em um 
determinado tecido\u201d
Exames complementares
\uf06e Artrografia;
\uf06e TC;
\uf06e RM;
\uf06e US.
\u2022Radiografia
\u2022Cintilografia;
Edema
Derrame 
articular
Bloqueio 
articular
Aderências
Dor
Atrofia 
muscular
Sintomatologia
Patologias 
Esquema de Tratamento 
Fisioterapêutico
\uf06e Tratar a dor;
\uf06e Mobilizar;
\uf06e Aumentar a ADM;
\uf06e Fortalecer;
\uf06e Propriocepção.
Massoterapia 
Pompagem 
Tratamento
postural
Hidroterapia
Alongamento 
Crioterapia
Fortalecimento
muscular
FNP
Eletrotermo-
terapia 
Cinesioterapia
Técnicas 
Fisiotera-
pêuticas
Planejamento do Tratamento 
Eficaz
\uf06e Inflamação aguda
- repouso;
- crioterapia;
- mobilização passiva;
- antiinflamatórios;
Caso Clínico 
\uf06e Paciente 53 anos, apresentando
traumatismo por acidente de moto.
Apresenta sequela de fratura de fêmur.
Tem cicatriz cirúrgica e fixadores internos.
Como seria a avaliação fisioterapêutica?
Indique que parâmetros devem ser
pesquisados?
Caso clínico 
\uf06e Menina de 14 anos, encaminhada ao
ambulatório de fisioterapia 6 meses após
fratura de ulna e rádio causada por queda de
bicicleta. O gesso foi retirado a uma semana
e a fratura esta consolidada. Apresenta
cotovelo rígido e fraqueza muscular. Como
avaliar a rigidez encontrada? Determine a
forma de mensuração da força e atrofia
muscular. Indique a sensação terminal (end
fell) dessa paciente.