A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
7 pág.
Aula 9   Patologia Cirúrgicas do Sistema Digestivo.

Pré-visualização | Página 1 de 3

Aula 9: Patologias Cirúrgicas do Sistema Digestivo
Patologia Clínica e Cirúrgica
Professor: Leonardo
Contexto Clínico
As doenças digestivas são comuns em todas as espécies e o tratamento cirúrgico é frequentemente empregado independente da espécie. 
As afecções digestivas tem grande impacto sobre a saúde sistêmica porque envolve nutrição, equilíbrio hidroeletrolítico, por causa do ciclo enterosistêmico da água e esses líquidos são secretados e absorvidos. Estima-se que 80% do líquido corporal circula pelo sistema digestivo. A principal fonte de absorção de água é o intestino grosso (também acontece no intestino delgado), então toda patologia que interfere na ingestão de água você tem grande impacto no equilíbrio hidroeletrolítico e ácido/base.
A indicação cirúrgica é o principal desafio. Numa espécie de grande porte esse desafio é ainda maior por conta das limitações de tamanho da espécie, exames complementares são mais difíceis e complexos, diferente de pequenos animais.
Cavidade Oral
Patologias comuns: doença periodontal, estomatite, fratura de mandíbula, fenda palatina, câncer de boca etc.
Características especiais da cavidade oral;
Ossos diferenciados e especializados – ossos com cortical final, osso trabecular e trabalham às vezes em angulações diferentes dos ossos longos porque a biomecânica da mandíbula é totalmente diferente.
Dentes – são estruturas especializadas;
Rico suprimento vascular;
Saliva rica em anticorpos – faz com que apesar da presença constante de contaminação na cavidade oral, uma flora bacteriana muito rica, alimento e corpos estranhos (pelo, brinquedos etc), temos uma cicatrização muito eficiente (máximo 7 dias desde que alguns princípios sejam preservados.
Classificação das Doenças Orais 
Ulcerativas (geralmente vesículas e bolhas que estouraram e viraram úlceras – acompanhadas a doenças infecciosas).
Proliferativas (resposta a inflamação crônica e neoplasia – acompanhada por placa bacteriana dentária)
Vesiculo-bolhosas (raramente observada em animais – acometem pequenos animais em casos de doenças imunomediadas).
Doença Periodontal 
Patogenia
Placa bacteriana x forma um biofilme na superfície do dente e em contato constante com a mucosa gera uma resposta imune inata.
A gengivite ocorre devido ao acumulo de agentes infecciosos no saco gengival e um processo inflamatório começa a atingir o ligamento periodontal assim ocorre a absorção de osso alveolar por conta da inflamação que causa ativação osteoclástica e levando a exposição da raiz e furca e formações de abscessos.
Sinais clínicos
Halitose;
Disfagia (alguns casos);
Miíase;
Perda de peso (depende da alimentação).
A classificação vai do estágio I ao IV.
I – Gengivite branda; 
II – Gengivite avançada podendo ter retração da borda gengival;
III – Retração da gengiva, acúmulo de placa no saco gengival e absorção do osso alveolar.
IV – Exposição de furca, raiz e grave absorção do osso alveolar com mobilidade do dente.
Tratamento
Limpeza com ultrassom – não pode ficar muito tempo porque ele aquece.
Jato de bicarbonato – função principal é mecânica, partículas do bicarbonato são projetadas na direção do dente para ajudar na limpeza.
Exodontia – para estágios III e IV.
Não adianta só remover aquilo que está acima da superfície do dente, também precisa remover o conteúdo do saco gengival. A profundidade é de até 2mm. Existe uma sonda apropriada que mede a profundidade e caso ultrapasse, precisa agir. Não basta só remover a parte mineral, você terá resquício do ligamento periodontal então você precisa retirar o excesso e fazer limpeza porque ali é um espaço de adesão bacteriana.
► Gengivoestomatite crônica felina.
É uma doença imunomediada que começa com uma placa bacteriana e o Calicivirus pode estar envolvido (metade dos pacientes é positivo). Uma sensibilidade imunológica pode gerar uma inflamação crônica e por isso há um fato perpetuante. A placa bacteriana demora em torno de 10 horas para ser formada, então não adianta só limpar porque no dia seguinte vai se formar rapidamente. Essa doença crônica é dolorosa.
Em algumas vezes o processo osteoclástico e odontoclástico tão grande que você começa a ter absorção dentária e muitas vezes a solução é a exodontia dos molares e pré-molares.
E senão resolver, usamos um imunossupressor, mas não devemos usar corticoides por causa dos efeitos colaterais graves em felinos, então usamos ciclosporina.
Princípios da Exodontia
Desmotomia do ligamento periodontal (LPD) – cortar o ligamento periodontal. Entrar com instrumento apropriado (cureta hu-friedy) e você entra no LPD e faz a inserção. Alguns dentes não permitem fazer isso por conta da proteção muscular e óssea e você precisa fazer osteotomia.
Uso de alavancas – apoiar a alavanca no próprio osso alvolar.
Nunca faça movimentos angulares no dente – o movimento só serve para caninos e incisivos porque eles só tem uma raiz, se o dente tem mais de uma raiz precisamos fazer movimentos rotacionais ao longo do eixo.
Forceps somente em dente luxado.
Criação de retalhos gengivais para ter acesso à raiz, principalmente em dentes com ligamentos muito íntegros. Fazer a exposição do osso alveolar para expor o LPD.
Odontosecção em dentes bi ou poliradiculados – sempre irrigar com água ou soro para evitar necrose com o calor gerado pelo instrumento
Após a remoção deve-se suturar o alvéolo à gengiva para evitar alveolite. A gengiva é um tecido com grande quantidade de fibras colágenas e por isso ela tem uma característica inelástica e não sustenta tensão. O retalho tem que ser esticado até a mucosa (da bochecha) pra conseguir um tecido elástico. 
Sutura com fio absorvível é o ideal, sintético e monofilamentar.
Pós-operatório
Antibióticos – a flora é composta de coccos principalmente gram positivos para infecção anaeróbica – metronidazol; 
Anti-inflamatórios – Cox 2 seletivo como Meloxicam são usados para pacientes com problema renal, o Cox 1 seletivo como Cetoprofeno, mas não se pode usar mais do que 3 dias.
Analgésicos – morfina no pós-operatório imediato, meperidina, fentanil, buprenorfina (não tem mais no Brasil).
Alimentação amolecida.
► Hiperplasia gengival – Gengivectomia
Inflamação crônica
A hiperplasia gengival é o crescimento excessivo da gengiva, e ocorre por três motivos: Indução por placa bacteriana, trauma ou medicamentosa. O primeiro tipo é mais comum e traz como consequência a infecção gengival. Na maior parte dos casos, é causado por má higienização dos dentes. A hiperplasia por trauma é causada por feridas, normalmente, por uma escovação traumática. Também é comum em pacientes que usam próteses dentárias removíveis. Já o terceiro caso, a medicamentosa, resulta de medicamentos como a fenitoína (Anticonvulsivante), os imunossupressores e os fármacos bloqueadores dos canais de cálcio.
Ciclo de perpetuação da infecção gengival.
Neoplasias da Cavidade Oral
Cão
Carcinoma de células escamosas – costuma ser ulcerativo, mas pode ser proliferativo também.
Melanoma.
Fibrossarcoma.
Gato
Carcinoma de células escamosas.
Fibrossarcoma.
Diagnóstico
Citologia
Biópsia
Radiografia
Tomografia
Avaliar tórax e abdome.
Considerações Pré-Cirúrgicas
São normalmente cirurgias invasivas e desfigurantes, então é necessário avaliar bem para indicar a cirurgia de forma bem honesta e clara para o proprietário.
Achados do exame oral.
Achados radiológicos.
Diagnósticos histopatológicos.
Margem cirúrgica recomentada e disponibilidade de tecido para o fechamento.
Objetivo da cirurgia: cura ou melhora de vida para prolongamento de vida e retardar a eutanásia?
Estômago
Gastrotomia é uma incisão através da parede do estômago para o seu lúmen. Gastrectomia parcial é a ressecção de uma porção do estômago, e gastrostomia é a criação de uma abertura artificial para o lúmen gástrico. Gastropexia é a fixação permanente do estômago à parede abdominal.
Dilatação Vólvulo Gástrico
Afeta raças grandes e gigantes e é uma emergência cirúrgica comum.
O alargamento