Resenha cidade de deus relacionado ao estudo do individuo
5 pág.

Resenha cidade de deus relacionado ao estudo do individuo


DisciplinaIntrodução Às Ciências Sociais425 materiais1.684 seguidores
Pré-visualização2 páginas
FMU
 COMPLEXO EDUCACIONAL
CIDADE DE DEUS 
 \u201cO conhecimento como caracteristica da humanidade\u201d 
 \u201cO individuo, a cultura e a sociedade\u201d
 
 1° Semestre-Ciências Sociais.
São Paulo
2016
 
Filme: Cidade de Deus
Texto: \u201c O Indivíduo, a cultura e a sociedade/ O conhecimento como caracteristica da humanidade\u201d 
O filme se passa na favela conhecida como Cidade de Deus, localizada no Rio de Janeiro, a formação dessa comunidade foi a partir de famílias que tinham ficado sem casa por conta de enchentes e alguns incêndios de ataques criminosos em outras favelas, ou seja, quem estava sem moradia o Governo mandava para a Cidade de Deus, lá não tinha luz, asfalto, não tinha ônibus, mas para o governo não tinha problema, pois a Cidade de Deus fica muito longe do cartão postal do Rio de Janeiro. E assim foi crescendo uma das maiores favelas do Rio de Janeiro, junto com esse crescimento não houve um sistema organizacional e educacional para as pessoas da comunidade do CDD, quem mandava eram traficantes, o filme deixa claro que o local é ignorado pelo Governo, e a polícia sabia fazer o seu papel se recebesse uma gorjeta. Todos os problemas como educação, segurança, luz e água eram resolvidos pelo dono do tráfico, em troca a comunidade devia respeito e obediência referente a proteção que o dono da boca lhes proporcionava, na comunidade ninguém enxergava, escutava e falava nada, cada um sabia o que poderia falar, se a fala passasse dos limites, o indivíduo iria prestar contas com o dono da boca.
 Tudo começou com um trio chamado Ternura, eles ficaram muito conhecidos na Cidade de Deus, roubavam caminhão de gás e comércios, os integrantes se chamavam Cabeleira, Alicate e Martelo, junto com eles sempre estava inclusão duas crianças, Béne irmão de Cabeleira e Dadinho amigo de Bené, as crianças cresceram observando o roubo e assassinatos, tinham contato com armas e drogas, eles nem se consideravam mais crianças, e gostavam do que faziam, aprenderam a acreditar que essa vida lhe proporcionava bens materiais e respeito. Com o passar dos anos, o tráfico foi ganhando espaço na Cidade de Deus, Dadinho e Bené cresceram junto, e perceberam que roubar não dava em nada, o que estava virando era o tráfico, observavam os donos das bocas com mulheres e carros luxuosos, enquanto eles não passavam de ladrões de comércios, decidiram então atacar todas as bocas da Cidade de Deus, em um dia Dadinho e Bené matou quase todos os donos das bocas, só ficou faltando a boca do Cenoura, Bené era amigo de Cenoura e pediu para Dadinho abrir uma exceção. A partir desse dia Dadinho virou Zé Pequeno. Com 18 anos era um dos traficantes mais procurado do Rio de Janeiro, na favela ele tinha voz, mandava e matava quem quisesse matar. 
 Zé Pequeno formava seu exército com meninos mais novos, podemos dizer que era uma pequena escola do tráfico. Em uma das cenas do filme, um senhor dono de um comércio, foi assaltado por uma quadrilha de crianças, que estava assaltando os comércios da Cidade de Deus, o mesmo foi reclamar para Zé Pequeno tomar alguma atitude, pois a comunidade ficava sobre proteção do traficante, ninguém roubava ou matava na comunidade sem a permissão de Zé Pequeno. Então ele decide dar um susto nos moleques, no caminho ele encontra Filé um aviãozinho de sua confiança com idade aproximadamente de 10 anos, e chama Filé para acompanhar o susto que iria ser dado nos meninos, assim que Zé Pequeno encontra a pequena quadrilha todos sai correndo, restando a penas duas crianças, Filé então recebe uma missão que foi dada pelo Zé Pequeno: \u201cVamos bora Filé, escolhe um deles pra você matar, bora!\u2019\u2019, Filé com um revólver na mão, observando os dois meninos desesperados junto com a pressão dos traficantes mandando ele atirar logo, escolhe a sua vítima e atira. Para os meninos menores andar com a quadrilha do Zé Pequeno era positivo, pois você ganhava respeito pelo restante da comunidade e ganhavam dinheiro em troca de favores, não havia uma visão ruim sobre matar e roubar, pelo contrário era digno de um homem e não existia uma outra visão, um outro caminho. Para ser traficante existe até plano de carreira, os garotos menores começam a trabalhar como aviãozinho, recebem uma boa grana para trabalhar mandando recados e comprando comida e refrigerantes, depois começam a trabalhar como olheiro quando a polícia aparece a pipa desce do céu e todo mundo sai, de olheiro o cara passa a vender droga na favela, aparece problemas e eles somem, soldado é um trabalho que exige mais na contenção, e podem até subir para gerente da boca, com todo esse processo a gente se pergunta, onde está a polícia? Mas de nada adianta, porque na favela a polícia faz sua parte, recebe bem e não perturba. 
 Foi relatado uma parte do filme, da qual tem uma grande importância que é fácil de ser enxergada, a relação da inclusão das crianças no tráfico, no texto \u201c O conhecimento como característica da humanidade\u201d o autor diz: \u201cPara que um bebe humano se transforme em um homem propriamente dito, é necessário um longo aprendizado, pelo qual as gerações mais velhas orientam as gerações subsequentes suas experiências adquiridas\u201d. Na Cidade de Deus armas eram entregues a crianças em época de guerra como se fossem doces em dia de Cosme Damião, a geração mais velha passava as crianças a visão do poder, do egoísmo, da maldade, do desrespeitado, da desumanidade, em uma parte do filme acontece a seguinte cena: \u201cO que você tem na cabeça moleque? Você está maluco? Você é uma criança! 
\u2013 Que criança?!eu fumo, eu cheiro, já matei e já roubei, sou sujeito homem! Esse foi aprendizado adquirido na cidade de Deus por muitos meninos, e esse aprendizado foi passado pra eles de gerações mais velhas, as crianças acreditavam que ter uma arma, pertencer de uma quadrilha, era as pessoas lhe deverem respeito, matavam sem dó, não aprenderam o valor maior de enxergar a vida de outra maneira.
 Era uma Cidade que ficou esquecida, quem era da Cidade de Deus, não tinha vez, era classificados como ladrão, poderia ser trabalhador, trabalhadora e até estudante, era ladrão! Em uma parte do texto: \u201cO conhecimento como característica da humanidade\u201d, ele diz: \u201d 
\u201cCada grupo, compartilhando experiências comuns adaptadas ao seu modo próprio de vida, criou formas próprias de cultura. É por isso que encontramos formas de existência, crenças e pensamentos tão diversos. Porque elas não são consequências de uma estrutura genética da espécie, mas da criação de formas de ação e reação decorrentes da experiência particular vivenciada por um grupo de homens\u201d, 
É possível comparar essa citação do autor junto com a situação das crianças da periferia, a experiência do moleque da Cidade de Deus o levava a ter duas escolhas, ou você entra para o tráfico, reproduz roubos, assassinatos, prisões mas o dinheiro vem fácil e você é respeitado dentro da sua comunidade, não por mérito, mas porque a comunidade tem medo e não tem opção, é um risco, mas parece ser um risco tentador, onde muitos optam por seguir, criando muitas vivencias em comuns, que são as experiências em comum compartilhadas daquela vivencia. O segundo caminho é você virar um trabalhador, onde mesmo longe da Cidade de Deus, você não vai ser qualquer trabalhador, mas sim, um trabalhador que veio da cidade de Deus. Tomando base desse pensamento podemos compreender o porquê de os meninos da Cidade de Deus entrar para o tráfico o roubo e a morte, essa vida é consequência da experiência particular vivenciada em sua zona, para os meninos a diversão era roubar e matar. Podemos observar também, os estereótipos colocado sobre pessoas que moram na favela, a falta de contato de pessoas que não moram na Cidade de Deus, abriu muito espaço para o preconceito, porque sem contato não há experiência, dificultando a inclusão do cara que mora na periferia para o mercado de trabalho é o que ocorre com Buscapé, um menino que vivenciou todo o processo do tráfico na Cidade