Modelo Defesa Prévia Recusa Etilômetro
10 pág.

Modelo Defesa Prévia Recusa Etilômetro

Disciplina:Direito Administrativo13.165 materiais297.974 seguidores
Pré-visualização2 páginas
Ilustríssimo Senhor Diretor-Geral do Departamento de Estradas de Rodagens do Distrito Federal – DER/DF

Auto de Infração nº xxxxx

Mariazinha de Tal, brasileira, casada, empresária, portadora da cédula de identidade RG 1.234.567.890 SSP/RR, inscrita no CPF/MF sob o nº 123.456.789-00, CNH nº 987654321/BA, residente e domiciliada na Casa Dela, Cidade de Deus/MG, CEP 01.234-567, endereço eletrônico bolinhadegude@gmail.com, telefone 31-9999-9999, por seu advogado, conforme procuração anexa, vem, à presença de Vossa Senhoria, apresentar
DEFESA PRÉVIA
em relação à notificação sob referência, o que faz nos termos das razões que se seguem:
DA TEMPESTIVIDADE

O Código de Trânsito Brasileiro não prevê expressamente essa modalidade de defesa, tampouco seu prazo, todavia, a Notificação de Autuação da Infração estabeleceu como data limite para interposição da defesa prévia o dia 01/01/2017.

DAS INTIMAÇÕES

Requer que as intimações referentes ao presente recurso sejam remetidas para o endereço assinalado no rodapé das páginas, dirigidas ao advogado signatário.

DO EFEITO SUSPENSIVO

O Código de Trânsito Brasileiro, faz alusão a penas restritivas de direito em seu capítulo de Penalidades, e algumas dessas penas são extremamente severas.
Deste modo, há que ser observado que a não concessão do efeito suspensivo ao presente recurso pode gerar danos irreparáveis, bem como injustiças imutáveis à Peticionária.
Cumpre ainda ressaltar que a concessão de efeito suspensivo prestigia as garantias Constitucionais do devido processo legal, da ampla defesa e contraditório e ainda o princípio da não culpabilidade.
Mesmo diante de evidências que, em princípio, apontem para a prática de infração de trânsito por parte da Peticionária, a inobservância de seu estado de inocência será deveras traumática, uma vez que é certo que ao final o presente recurso será acolhido.
Requer, pois, seja atribuído efeito suspensivo ao presente recurso.

DOS FATOS

A Autuada dirigia normalmente o veículo de propriedade da família, com o costumeiro cuidado e zelo, quando foi abordada em uma fiscalização rotineira na rodovia DF 051 – EPGU.
Durante a abordagem um agente verificou o seu documento pessoal e também o documento do veículo.
Em seguida, o Agente de Trânsito indagou à requerente se havia oposição em se submeter a teste de alcoolemia no aparelho etilômetro, popularmente denominado de bafômetro, ao tempo em que a Recorrente se recusou, sob o fundamento de que não havia ingerido bebida alcoólica e – em consequência lógica – não apresentava qualquer sintoma que justificasse tal teste, tornando assim um ato de violência contra o estado de inocência constitucionalmente assegurado.
De modo açodado o agente reteve a CNH da requerente, e a notificou por conduzir sob efeito de álcool, fundamentando o ato no art. 165-A do CTB.
Não foi tomada, por parte do Agente de Trânsito, nenhuma providência diversa da oferta do teste do etilômetro, a fim de efetivamente identificar a suposta embriaguez na direção de veículo automotor.
O veículo, que já se encontrava devidamente estacionado, ficou retido até que o esposo da Autuada o Sr. José compareceu e retirou o veículo, que consta registrado em seu nome junto ao DETRAN/AM.

DA INSUBSISTÊNCIA DO AUTO DE INFRAÇÃO

O Art. 280 do Código de Trânsito Brasileiro regula a lavratura do auto de infração de trânsito e o eventual reconhecimento de sua insubsistência, vejamos:
Art. 280. Ocorrendo infração prevista na legislação de trânsito, lavrar-se-á auto de infração, do qual constará:
I - tipificação da infração;
II - local, data e hora do cometimento da infração;
III - caracteres da placa de identificação do veículo, sua marca e espécie, e outros elementos julgados necessários à sua identificação;
IV - o prontuário do condutor, sempre que possível;
V - identificação do órgão ou entidade e da autoridade ou agente autuador ou equipamento que comprovar a infração;
VI - assinatura do infrator, sempre que possível, valendo esta como notificação do cometimento da infração.
[...]
Art. 281. A autoridade de trânsito, na esfera da competência estabelecida neste Código e dentro de sua circunscrição, julgará a consistência do auto de infração e aplicará a penalidade cabível.
Parágrafo único. O auto de infração será arquivado e seu registro julgado insubsistente:
I - se considerado inconsistente ou irregular;
II - se, no prazo máximo de sessenta dias, não for expedida a notificação da autuação.
II - se, no prazo máximo de trinta dias, não for expedida a notificação da autuação.

Deste modo, nos termos do art. 281 CTB, após a lavratura do auto de infração a autoridade de trânsito verificará se o auto de infração gerado atende por completo aos comandos do art. 280 ou se há alguma observação que justifique o seu não atendimento.
Caso haja alguma inconsistência o auto de infração deverá ser arquivado.
O agente de trânsito deve fazer constar obrigatoriamente na autuação as informações relacionadas nos incisos I a VI do art. 280 ou justificar a impossibilidade de fazê-lo.
No auto em tela temos que o agente de trânsito deixou de atender ao comando do art. 280, VI CTB. Deixou de colher a assinatura na autuada no campo próprio do formulário do auto de infração e não justificou a sua impossibilidade ou a recusa dela em assinar.
É possível verificar que o agente colheu a assinatura do Sr. José, esposo da autuada no campo específico para observações, abaixo da informação de que ele teria comparecido como condutor habilitado e retirado o veículo que ficou retido após a lavratura do auto de infração, entretanto não faz menção à assinatura da Autuada ou a recusa desta em assinar.
Não fosse isso suficiente, há uma assinatura de pessoa até o momento não identificada no campo nº 8 do auto de infração, onde deveria constar a assinatura da Autuada.
A assinatura não corresponde à da Autuada, a do sr. José ou mesmo a do agente de trânsito que lavrou o auto, deste modo, resta claro que o auto não observou atende ao art. 280 e deve ser arquivado conforme prevê art. 281.
No mesmo sentido dos arts. 280 e 281 CTB são os arts. 2º e 3º da Resolução nº 404/2012 do CONTRAN:
Art. 2° Constatada a infração pela autoridade de trânsito ou por seu agente, ou ainda comprovada sua ocorrência por aparelho eletrônico ou por equipamento audiovisual, reações químicas ou qualquer outro meio tecnologicamente disponível, previamente
regulamentado pelo CONTRAN, será lavrado o Auto de Infração que deverá conter os dados mínimos definidos pelo art. 280 do CTB e em regulamentação específica.
Art. 3º À exceção do disposto no § 5º do artigo anterior, após a verificação da regularidade e da consistência do Auto de Infração, a autoridade de trânsito expedirá, no prazo máximo de 30 (trinta) dias contados da data do cometimento da infração, a Notificação
da Autuação dirigida ao proprietário do veículo, na qual deverão constar os dados mínimos definidos no art. 280 do CTB e em regulamentação específica.
§ 5º Os dados do condutor identificado no Auto de Infração deverão constar na Notificação da Autuação, observada a regulamentação específica.

Além de não atender especificamente aos artigos 280 e 281 do CTB o auto de infração lavrado e a notificação expedida não atendem ainda aos artigos 2º e 3º da Resolução 404/12 CONTRAN.
Os dados da Autuada não constam da notificação expedida, e aqueles que constam estão apresentados em desacordo com a realidade e também com o auto de infração.
Há um desencontro entre os dados apresentados.
O número de registro da CNH da autuada é tal e a Unidade da Federação de Origem é o Distrito Federal, entretanto no campo específico dos dados do condutor identificado a notificação traz a Unidade da Federação como sendo o Rio Grande do Sul.
Outro erro é o número do CPF apresentado na notificação, aquele número não é da Autuada, nem do seu esposo, em nome de quem o veículo se encontra registrado.
Tais falhas, contaminam e, consequentemente, invalidam o auto de infração e a notificação