Exercício Filosofia (Unip EAD) 4 Unidades - RESPONDIDOS
13 pág.

Exercício Filosofia (Unip EAD) 4 Unidades - RESPONDIDOS


DisciplinaIntrodução à Filosofia2.130 materiais31.819 seguidores
Pré-visualização3 páginas
UNIP
EXERCÍCIOS
UNIDADE I
Para os gregos, o mito era um discurso pronunciado para pessoas que acreditam ser verdadeira a narrativa apresentada. Os cantores ambulantes davam forma poética aos relatos populares e os recitavam de cor em praça pública. Sobre os mitos, é correto afirmar-se que:
b) O mito era considerado uma narrativa sagrada.
2. no século VI a.C., as condições sociais e econômicas favoreceram o surgimento da filosofia na Grécia. Entre essas mudanças, podem-se mencionar:
d) o uso da escrita alfabética, as viagens marítimas e a evolução do comércio e do artesanato.
3. Os filósofos pré-socráticos lançaram questões centrais sobre o problema do ser, do conhecer e da origem da natureza, do Universo. Parmênides e Heráclito são duas referências importantes nesse início da filosofia ocidental que ocorreu na Grécia Antiga entre os séculos VII e V a.C. Qual é a principal diferença na forma de pensar entre Heráclito e Parmênides? 
d) Heráclito considera que tudo na natureza se transforma, pois, todas as coisas estão em constante movimento e, portanto, conhecer é captar a mudança contínua. Já Parmênides concebe que conhecer é alcançar o idêntico, imutável.
4. Ao se discutir a origem da filosofia, é comum a admissão de que fatores como a invenção da política, o impacto cultural das viagens marítimas, a transformação do conhecimento prático em teórico e a valorização da razão como um atributo universal permitiram que o conhecimento filosófico se desenvolvesse primeiramente na Grécia. Considerando esses fatores, é correto afirmar que: 
b) A importância da política para a filosofia em sua origem é o deslocamento das leis do âmbito do sagrado para a esfera do humano, visto na crescente participação dos cidadãos na elaboração das leis e no exercício do governo, e que reflete a valorização do pensamento discursivo e da racionalidade como base das decisões políticas. 
5. \u201cTodo mundo sabe que os bebês possuem essa capacidade. Depois de alguns meses na barriga da mãe, eles são empurrados para uma realidade completamente diferente. Mas depois, quando crescem, parece que esta capacidade vai desaparecendo. Como se explica isso? \u201d GAARDNER, Jostein. O mundo de Sofia, SP: Cia. das Letras, 1995, p. 27. 
Gaardner fala da \u201cúnica coisa de que precisamos para nos tornar bons filósofos\u201d, ou seja, da capacidade humana de: 
Espantar-se com o mundo.
6. é atribuído a Heráclito o seguinte pensamento:
d) nunca entramos no mesmo rio duas vezes.
7. No que se refere à condição humana e à maneira como nos tornarmos humanos é possível afirmar que:
I. O Homem, por ser um ser racional, quando nasce pode desenvolver-se por si só, isto é, separado e isolado de outros seres humanos. 
II. O processo de socialização é irrelevante para a manutenção das sociedades e para a formação da individualidade dos seres humanos.
III. Diferentemente dos animais, cada indivíduo da nossa espécie precisa de educação para tornar-se propriamente humano, uma vez que a educação é um dos meios de introduzir o indivíduo na cultura de seu grupo. 
Assinale alternativa que possui a(s) afirmação(ões) correta(s):
C) Apenas III.
8. é considerado o primeiro filósofo:
d) Tales
9. Sobre o pensamento mítico, pode-se afirmar:
I. Diferentes povos em diferentes épocas produziram seus próprios mitos.
II. O ponto comum entre as diferentes concepções míticas é a busca por dar sentido ao mundo, por dar uma explicação para os fenômenos desconhecidos.
III. O pensamento mítico existiu apenas na Grécia antiga e depois não ocorreu em nenhum outro lugar ou em outra época.
Assinale alternativa que possui a(s) afirmação(ões) correta(s):
C) Apenas I e II.
10. É considerado o autor da Odisseia:
a) Homero.
UNIDADE II
Sócrates foi considerado um dos maiores sábios da humanidade. Nada deixou escrito. Suas ideias foram divulgadas por dois de seus discípulos, Xenofonte e Platão. O ponto de partida da filosofia socrática encontra-se no fato de que: 
C) O primeiro passo em direção à verdade é o reconhecimento da ignorância.
Sócrates inaugura o período clássico da filosofia grega, também chamado de período antropológico. O problema do conhecimento passou a ser uma problemática central na filosofia socrática, pois \u201ca briga\u201d de Sócrates com os sofistas tinha por objetivo resgatar o amor pela sabedoria e a valorização pela busca da verdade. 
Nesse contexto, Sócrates inaugura seu método que se fundamenta em dois princípios básicos, que são: 
C) A ironia e a Maiêutica enquanto caminhos para conhecer a verdade através do autoconhecimento (conhecer-te a ti mesmo). 
A filósofa Terezinha Rios mostra que as utopias nos fazem caminhar, e que só há diálogo nas diferenças. Os filósofos têm em comum com as crianças o fato de serem:
D) \u201cPerguntadeiros\u201d, não admitem respostas definitivas. Não querem apenas explicações, querem compreender. 
\u201cImaginemos, agora, alguém que tomasse uma decisão muito estranha e começasse a fazer perguntas inesperadas. Em vez de \u201cque horas são?\u201d ou \u201cque dia é hoje?\u201d, perguntasse: O que é o tempo? Em vez de dizer \u201cestá sonhando\u201d ou \u201cficou maluca\u201d, quisesse saber: O que é o sonho? A loucura? A razão? Se essa pessoa fosse substituindo sucessivamente suas perguntas, suas afirmações por outras. (...) Este alguém estaria começando a adotar o que chamamos atitude filosófica\u201d (CHAUI, Marilena. Convite à filosofia. Ática, 2000, p.11-12).
Marilena Chaui comenta uma das principais habilidades a serem desenvolvidas no ensino de filosofia, de acordo com os Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Médio, que é:
C) Questionar os diferentes saberes dominantes no mundo.
Como parte essencial da missão da Filosofia nas escolas, está a tarefa de desenvolver no estudante o senso crítico. Qual o resultado desse processo? 
B) Ampliação da consciência reflexiva.
Leia o seguinte raciocínio depois assinale a alternativa correta:
\u201cEsta porção de água ferve a cem graus, esta outra porção de água ferve a cem graus e esta outra, e esta outra...; logo, a água ferve a cem graus.\u201d Trata-se de qual tipo de argumento?
Indução
A afirmação de Sócrates: \u201cSó sei que nada sei\u201d pode ser interpretada das seguintes formas:
I. Ele reconhecia a sua própria ignorância.
II. Sócrates assumia que a tarefa da filosofia é superar o enganoso saber baseado em ideias preconcebidas.
III. Reconhecia que o saber começava com o reconhecimento do não saber.
IV. Apesar de falar muito bem, Sócrates não deixou nada escrito, o que prova que ele não sabia escrever.
Assinale alternativa que possui a(s) afirmação(ções) correta(as):
D) Apenas I, II e III.
Leia o seguinte raciocínio depois assinale a alternativa correta:
Todos homens são mortais.
Aristóteles é homem.
Logo, Aristóteles é mortal.
O raciocínio utilizado acima pode ser descrito como:
Dedução
Leia as afirmações abaixo: 
I. A filosofia é um conjunto de conhecimentos prontos, um sistema fechado em si mesmo.
II. A reflexão filosófica permite que se busque a raiz, os fundamentos dos problemas.
III. A filosofia pode ter como objeto de reflexão tanto um mito primitivo quanto à ciência ou a educação. 
Assinale alternativa que possui a(s) afirmação(ões) correta(s):
D) Apenas II e III.
Leia o seguinte raciocínio e assinale a alternativa correta:
Toda estrela tem luz própria.
Vega é uma estrela.
Logo, Vega tem luz própria.
O raciocínio utilizado acima pode ser descrito como:
Dedução
UNIDADE III
A chave da compreensão do pensamento político, epistemológico, ético e espiritual de Platão encontra-se: 
No mundo das ideias, o qual existe de forma absoluta. 
No pensamento platônico, doxa e episteme apresentam-se como conceitos distintos, pois: 
D) Doxa é o conhecimento imperfeito e episteme é a ciência, o conhecimento por excelência. 
A partir do século II, surge a patrística, cujos objetivos eram o de converter os pagãos, combater os hereges, opositores da fé cristã, e justificar a fé. O principal nome da patrística foi Santo Agostinho (354-430).