A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
AULA 06 AVALIANDO APRENDIZADO

Pré-visualização | Página 1 de 1

GST0009_A6_201307352154
	 
		
	 
	Lupa
	 
	Aluno: JANE LANE TEIXEIRA DO NASCIMENTO
	Matrícula: 201307352154
	Disciplina: GST0009 - FUNDAMENTOS DE COMÉR 
	Período Acad.: 2016.2 (G) / EX
	
Prezado (a) Aluno(a),
Você fará agora seu EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO! Lembre-se que este exercício é opcional, mas não valerá ponto para sua avaliação. O mesmo será composto de questões de múltipla escolha (3).
Após a finalização do exercício, você terá acesso ao gabarito. Aproveite para se familiarizar com este modelo de questões que será usado na sua AV e AVS.
	
	
		1.
		Assinale a opção verdadeira:
		
	
	
	
	
	A Nomenclatura Comum do Mercosul não é baseada no Sistema Harmonizado de Designação e Codificação de Mercadorias.
	
	
	Nomenclatura Brasileira de Mercadorias não guarda relação com a Nomenclatura Comum do Mercosul.
	
	
	A Nomenclatura Comum do Mercosul passou a constituir a Nomenclatura Brasileira de Mercadorias.
	
	
	A Nomenclatura Comum do Mercosul aplica-se somente às operações entre os países membros do Mercosul.
	
	
	A Nomenclatura Brasileira de Mercadorias não se aplica às operações no âmbito do Mercosul.
	
	
		2.
		Os incentivos fiscais à exportação, relativos ao IPI, ICMS, PIS e COFINS, são aplicados para o fabricante ou produtor na exportação indireta na forma de:
		
	
	
	
	
	IPI e ICMS: imunidade de pagamento e manutenção de créditos fiscais; PIS e COFINS: suspensão de pagamento.
	
	
	IPI e ICMS: imunidade de pagamento; PIS e COFINS: suspensão de pagamento.
	
	
	IPI e ICMS: suspensão de pagamento e manutenção de créditos fiscais; PIS e COFINS: sem direito a esses incentivos.
	
	
	IPI e ICMS: suspensão de pagamento e manutenção de créditos fiscais; PIS e COFINS: isenção de pagamento.
	
	
	IPI e ICMS: imunidade de pagamento e manutenção de créditos fiscais; PIS e COFINS: isenção de pagamento.
	
	
		3.
		O processo de integração para a consolidação do MERCOSUL e a necessidade de uma nomenclatura unificada para atender ao fluxo de comércio, estatísticas e tarifas para o comércio intra e extra Mercosul levaram à criação da :
		
	
	
	
	
	Sistema Harmonizado - SH
	
	
	Nomenclatura Comercial de Mercadorias
	
	
	Nomenclatura Brasileira de Mercadorias - NBM
	
	
	Nomenclatura Comum do Mercosul - NCM
	
	
	Nomenclatura Comum de Mercadorias - NCM
	
	
		4.
		A Tarifa Externa Comum, TEC,  passou a vigorar em 01 de janeiro de 1996, em substituição à Tarifa Aduaneira do Brasil (TAB), consolidando a:
		
	
	
	
	
	Termos de Comercio Internacional - Icoterms
	
	
	Nomenclatura Comum do Mercosul - NCM
	
	
	Nomenclatura Classificatória de Mercadorias
	
	
	Nomenclatura Brasileira de Mercadorias - NBM
	
	
	Nomenclatura Comercial de Mercadorias - NCM
	
	
		5.
		O pagamento do imposto de exportação será realizado na forma e no prazo fixado pelo Ministro de Estado da Fazenda, que poderá determinar sua exigibilidade antes da efetiva saída do território aduaneiro da mercadoria a ser exportada. É contribuinte do imposto:
		
	
	
	
	
	O Exportador
	
	
	O Importador
	
	
	O Fabricante
	
	
	O Transportador
	
	
	O Produtor
	
	
		6.
		Alguns países adotam o princípio da tributação no destino, em que a incidência dos tributos ocorre no país onde serão consumidas as mercadorias. Dessa forma, a exportação é isenta dos tributos internos. Outros adotam o princípio da tributação na origem das mercadorias. As exportações são tratadas como qualquer transação interna, sofrendo a incidência dos tributos.   No Brasil, é adotado o princípio da:
		
	
	
	
	
	Tributação no país de destino, pelo que as exportações de mercadorias não sofrem a incidência de impostos, respeitados os princípios internacionais.
	
	
	Tributação no país de destino, pelo que as importações de mercadorias não sofrem a incidência de impostos, respeitados os princípios internacionais.
	
	
	tributação no país de destino, pelo que as exportações e as importações de mercadorias não sofrem a incidência de impostos, respeitados os princípios internacionais.
	
	
	tributação no país de destino, pelo que as exportações e as importações de mercadorias sofrem a incidência de impostos, respeitados os princípios internacionais.
	
	
	Tributação no país de destino, pelo que as exportações de mercadorias sofrem a incidência de impostos, respeitados os princípios internacionais.
	
	
		7.
		Por Determinação da OMC, o Brasil Adota que Tipo de Tributação no seu Comércio Exterior?
		
	
	
	
	
	Isenção Integral de Tributos.
	
	
	Tributação na Origem.
	
	
	Tributação no Destino.
	
	
	Nenhuma das respostas anteriores.
	
	
	Imunidade Tributária.
	
	
		8.
		A prática de se vender produtos em país estrangeiro com preço menor do que se vende em país de origem é denominada:
		
	
	
	
	
	Subsídio.
	
	
	Proteção.
	
	
	Salvaguarda.
	
	
	Medida Compensatória.
	
	
	Dumping.
	
	
	
	Legenda:   
	 
	 Questão não respondida
	 
	 
	 Questão não gravada
	 
	 
	 Questão gravada
	
Exercício inciado em 23/08/2016 13:53:03.