A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
17 pág.
Resumo NP2

Pré-visualização | Página 1 de 3

POLUENTES ATOMOSFÉRICOS
Considera-se poluente qualquer substância presente no ar que, pela sua concentração, possa torna-lo impróprio, nocivo ou ofensivo à saúde, causando danos ao bem-estar público, danos aos materiais, fauna e flora. Esses poluentes existem sob a forma de gases e partículas, podendo ser natural ou artificial, proveniente de fontes fixas (indústrias, usinas, vulcões, termoelétricas) e móveis (carros, aviões, trens, etc.).
Classificação dos poluentes atmosféricos
Podem ser também classificados como poluição primária ou secundária:
Primário: São os contaminantes diretamente emitidos pelas fontes para o ambiente, como no caso dos gases dos automóveis (monóxido de carbono, fuligem, óxidos de nitrogênio, óxidos de enxofre, hidrocarbonetos, aldeídos, etc.)
Secundário: resultam de reações dos poluentes primários com substâncias presentes na camada baixa da atmosfera e frações da radiação solar, como, por exemplo, a decomposição de óxidos de nitrogênio pela radiação ultravioleta oriunda do sol na formação de ozônio e nitratos de peroxiacetila.
Que são poluentes atmosféricos?
Resp: Poluentes atmosféricos são gases e partículas sólidas (poeiras, pós e fumos) resultantes das atividades humanas e de fenômenos naturais dispersos no ar atmosférico. Desta forma, classificam-se nessa categoria, os gases e partículas expelidos por veículos e indústrias e também aqueles oriundos da degradação da matéria orgânica, vulcanismos e outros fenômenos naturais. Incluem-se nesta lista as substâncias formadas pela reação de certos poluentes com a radiação advinda do sol.
Como são classificados os poluentes atmosféricos?
Resp: Os poluentes atmosféricos são geralmente classificados como primários ou secundários. Poluentes primários são os contaminantes diretamente emitidos pelas fontes para o ambiente, como no caso dos gases dos automóveis (monóxido de carbono, fuligem, óxidos de nitrogênio, óxidos de enxofre, hidrocarbonetos, aldeídos e outros). Já os poluentes secundários resultam de reações dos poluentes primários com substâncias presentes na camada baixa da atmosfera e frações da radiação solar, como, por exemplo, a decomposição de óxidos de nitrogênio pela radiação ultravioleta oriunda do sol na formação de ozônio e nitratos de peroxiacetila.
Quis são as principais fontes de poluição atmosférica?
Resp: Com relação à natureza, as fontes emissoras se classificam como móveis e fontes fixas. Fontes móveis são emissões provenientes de fontes em movimento e compreendem os veículos automotores juntamente com os trens, aviões e embarcações marítimas. Fontes fixas são assim denominadas as emissões lançadas à atmosfera por um ponto específico, fixo, como uma chaminé, por exemplo. Compreendem as emissões atmosféricas resultantes dos processos produtivos industriais e dos processos de geração de energia, como é o caso das termelétricas.
TROPOSFERA- É a camada mais fina de todas: se estende até uns 16 km nas regiões tropicais e até uns 9,7 km em latitudes temperadas. É onde ocorrem as mudanças climáticas, as nuvens, as precipitações, além de tempestades, relâmpagos e furacões.
*Ocorre o ciclo da água.
ESTRATOSFERA- É a camada que vai até 50km sobre o nível do mar. Contém nitrogênio, oxigênio e ozônio. Na região média dessa camada o ozônio pode atingir até dez partes por milhão de concentração em volume - 10ppmv - dando origem ao que chamamos camada de ozônio.
MESOSFERA- É a camada que vai de 50 a 80km de altitude aproximadamente. Dentre todas a regiões da atmosfera, é aquela em que é atingida a menor temperatura.
IONOSFERA- É a camada que vai de 80 a 640 km de altitude aproximadamente contém principalmente íons provenientes das moléculas de oxigênio e monóxido de nitrogênio, como NO+ e O2 +. Também é conhecida como termosfera, por causa das altas temperaturas (em torno dos 400 km se atinge os 1.200°C).
EXOSFERA- É a região que vai além da ionosfera e se estende até 9.600 km, constituindo o limite exterior da atmosfera.
Monóxido de carbono
Se liga a hemoglobina no sangue no lugar do oxigênio, podendo em altas concentrações, prejudicar a oxigenação no organismo, causando diminuição dos reflexos e da visão.
IMPORTANTE
Quais são os principais poluentes atmosféricos? 
Os principais poluentes atmosféricos são:
Monóxido de carbono (CO): gás incolor e inodoro gerado nos processos de combustão incompleta de combustíveis fósseis e outros materiais que contenham carbono em sua composição. Impede o transporte de oxigênio, causando hipóxia tecidual, o que pode levar a prejuízos na acuidade visual, no aprendizado, na capacidade de trabalho e no aumento da mortalidade por infarto cardíaco agudo entre idosos.
Ozônio (O3): é um poluente secundário, ou seja, é formado a partir de outros poluentes atmosféricos. O ozônio é um gás incolor e inodoro, que causa danos na vegetação em geral, bem como irritação nos olhos e problemas nas vias respiratórias dos seres humanos, como asma, bronquite e diversas doenças pulmonares em adultos e crianças.
Dióxidos de enxofre (SO2 e SO3): produzidos pela queima de combustíveis que contenham enxofre em sua composição, também são gerados em processos biogênicos naturais, tanto no solo quanto na água. A principal fonte antrópica do SO2 é a combustão do carvão e sua presença na atmosfera pode ocasionar a formação de ácidos (H2SO3 e H2SO4) e provocar chuva ácida. É um gás que pode provocar desde simples irritações nos olhos e garganta até edema pulmonar, dependendo da concentração e tempo de exposição.
Dióxidos de nitrogênio (NOx = NO + NO2): gerados em processos de combustão, e ainda processos de descargas elétricas na atmosfera. O NO2 é um gás marrom avermelhado de forte odor, que pode causar danos à vegetação (devido à formação de chuva ácida) e que está associado à ocorrência de doenças respiratórias, como pneumonia e bronquite.
Compostos orgânicos voláteis (COVs): são poluentes que contêm carbono e resultam da queima incompleta de combustíveis, como por exemplo, solventes orgânicos, bem como evaporação dos mesmos. Os COVs são facilmente vaporizados em condições de temperatura e pressão ambiente e, através de reações químicas, atuam como precursores do smog fotoquímico, levando à formação do ozônio troposférico. Os COVs têm um grande impacto sobre a saúde humana em função da sua alta toxicidade e efeito cancerígeno.
Hidrocarbonetos policíclicos aromáticos (HPAs): são compostos orgânicos com dois ou mais anéis aromáticos condensados, que estão presentes tanto no material particulado em suspensão quanto em outras matrizes ambientais. No meio ambiente, os HPAs podem sofrer reações químicas, originando produtos que podem ser prejudiciais à saúde humana (por suas propriedades mutagênicas e carcinogênicas). As fontes naturais de emissão de HPAs são as erupções vulcânicas e queimadas espontâneas florestais. As principais fontes de emissão de HPAs são as de origem antrópica, principalmente aquelas advindas da exaustão de motores a diesel e gasolina, de processos industriais e da fumaça de cigarros.
Camada de ozônio
O ozônio é um dos gases que compõe a atmosfera e cerca de 90% de suas moléculas se concentram entre 20 e 35 km de altitude, região denominada Camada de ozônio. Sua importância está no fato de ser o único gás que filtra a radiação ultravioleta do tipo B (UV-B), nociva aos seres vivos.
O ozônio tem funções diferentes na atmosfera, em função da altitude em que se encontra. Na estratosfera, o ozônio é criado quando a radiação ultravioleta, de origem solar, interage com a molécula de oxigênio, quebrando-a em dois átomos de oxigênio (O). O átomo de oxigênio liberado une-se a uma molécula de oxigênio (O2), formando assim o ozônio (O3). Na região estratosférica, 90% da radiação ultravioleta do tipo B é absorvida pelo ozônio.
Quais são as consequências da destruição da camada de ozônio?
Resp: A exposição em excesso as radiações UV causa danos acumulativos e irreversíveis a pele, olhos e o sistema imune.
Buraco na camada de ozônio: A região mais afetada pela destruição