A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
65 pág.
AULA AcústicaConfortoII

Pré-visualização | Página 2 de 3

som.
http://www.laifi.com/laifi.php?id_laifi=8556&idC=94909#
Como a velocidade do som no ar é de 340 m/s (a 15 °C), o som percorrerá 34 m em um 
décimo de segundo. Portanto, para produzir o eco, o obstáculo deve estar situado, no 
mínimo, a 17 m da fonte sonora, de forma que o som percorrerá 17 m para ir e outros 
17 m para voltar como som refletido.
CCE0136 – Conforto Ambiental e Eficiência Energética II
REFLEXÃO – REFRAÇÃO – DIFRAÇÃO 
CCE0136 – Conforto Ambiental e Eficiência Energética II
REFLEXÃO – REFRAÇÃO – DIFRAÇÃO 
CCE0136 – Conforto Ambiental e Eficiência Energética II
REFLEXÃO – REFRAÇÃO – DIFRAÇÃO 
CCE0136 – Conforto Ambiental e Eficiência Energética II
REFLEXÃO – REFRAÇÃO – DIFRAÇÃO 
CCE0136 – Conforto Ambiental e Eficiência Energética II
Quando o som incide sobre uma superfície, uma parte da energia sonora é 
refletida enquanto que uma parte é transmitida e outra parcela é absorvida.
CCE0136 – Conforto Ambiental e Eficiência Energética II
http://www.ckf.com.br/nivel_de_ruido.html
CCE0136 – Conforto Ambiental e Eficiência Energética II
CCE0136 – Conforto Ambiental e Eficiência Energética II
O som do silêncio ao “alto”
CCE0136 – Conforto Ambiental e Eficiência Energética II
CCE0136 – Conforto Ambiental e Eficiência Energética II
CCE0136 – Conforto Ambiental e Eficiência Energética II
CCE0136 – Conforto Ambiental e Eficiência Energética II
CCE0136 – Conforto Ambiental e Eficiência Energética II
https://www.somaovivo.org/artigos/acustica-um-passeio-pelo-tempo/
1) situados em locais com baixo ruído
2) construídos a favor do vento: Os teatros eram construídos sempre de forma que 
o vento mais comum na região passasse por trás do palco, em direção à plateia. 
Muito mais que amenizar a temperatura (a Grécia é um país de temperaturas altas), 
as palavras e músicas eram “carregadas” pelo vento, do palco em direção à plateia.
3) a plateia se situava em degraus
4) usavam conchas acústicas: Alguns teatros contavam, atrás do palco, com 
paredes que desempenhavam o papel de superfícies refletoras.
CCE0136 – Conforto Ambiental e Eficiência Energética II
Construídas com uma nave de grande comprimento, pé-direito bastante alto e revestida 
em geral com grandes superfícies refletoras (vitrais, paredes, etc), as catedrais eram 
mais famosas pela reverberação excessiva (com perda de inteligibilidade) que pela boa 
acústica. https://www.somaovivo.org/artigos/acustica-um-passeio-pelo-tempo/
CCE0136 – Conforto Ambiental e Eficiência Energética II
Seus tetos abaulados 
contribuíam ainda mais para 
que o som reverberasse. As 
palavras dos pregadores 
"ecoavam" grandemente, com 
algumas igrejas tendo tempo de 
RT60 (tempo entre um som ser 
gerado e se extinguir 
naturalmente) maior que 8 
segundos!!!
https://www.somaovivo.org/artigos/acustica-um-passeio-pelo-tempo/
CCE0136 – Conforto Ambiental e Eficiência Energética II
TEATROS MODERNOS
Após a Idade Média, quando chegou o 
Renascimento, muitos teatros foram 
construídos na Europa, a partir do século XVII.
1) bom isolamento dos ruídos externos e internos 
(fechamento dos teatros);
2) pé-direito alto, efeito chaminé e isolamento 
dos sons pela altura;
3) a plateia se situa em andares possibilitando 
balcões e mezaninos
https://www.somaovivo.org/artigos/acustica-um-passeio-pelo-tempo/
CCE0136 – Conforto Ambiental e Eficiência Energética II
CCE0136 – Conforto Ambiental e Eficiência Energética II http://www.skyscrapercity.com/showthread.php?t=329537
CCE0136 – Conforto Ambiental e Eficiência Energética II
CASA DA MÚSICA, Porto – Portugal (Rem Koolhaas)
CCE0136 – Conforto Ambiental e Eficiência Energética II
CASA DA MÚSICA, Porto – Portugal (Rem Koolhaas)
CCE0136 – Conforto Ambiental e Eficiência Energética II
http://www.smh.com.au/ftimages/2008/11/30/1227979823996.html
http://www.cestchristine.com/2011/03/2-inside-the-sydney-opera-house/
CCE0136 – Conforto Ambiental e Eficiência Energética II
LEGISLAÇÃO E ACÚSTICA
Existem diversas legislações e normas técnicas federais, estaduais e municipais.
o Tratamento acústico em recintos fechados NBR 12179 NB101 - 04/1992;
o Níveis de ruído para conforto acústico NBR 10152 NB95 - 12/1987;
o Acústica - Avaliação do ruído em áreas habitadas, visando o conforto da comunidade –
Procedimento NBR 10151 – 07/2000;
o Edificações habitacionais — Desempenho Parte 4: Sistemas de vedações verticais 
internas e externas NBR 15575-4 – 2013; 
o Guia para Execução de serviços de medição de ruído aéreo e avaliação dos seus efeitos 
sobre o homem NBR 7731 – 02/1983;
o Plano Urbanístico Regional (PUR) das Praias da Baía– ANEXO II – Tabela 1 LEI 1967 –
04/2002; (cada município pode legislar em relação aos níveis sonoros);
o Fixação de valores de redução de nível de ruído para tratamento acústico de edificações 
expostas ao ruído aeronáutico NBR8572 NB865 - 08/1984;
o Avaliação de projetos e instalações de salas de projeção cinematográfica NBR12238 
NB1187 - 11/1988;
o Acústica - Avaliação do ruído em áreas habitadas, visando o conforto da comunidade -
Procedimento NBR10151 NB1095 - 06/2000;
o Barreiras acústicas para vias de tráfego - Características construtivas NBR14313 data 
05/1999.
CCE0136 – Conforto Ambiental e Eficiência Energética II
CCE0136 – Conforto Ambiental e Eficiência Energética II
CCE0136 – Conforto Ambiental e Eficiência Energética II
CCE0136 – Conforto Ambiental e Eficiência Energética II
CCE0136 – Conforto Ambiental e Eficiência Energética II
CCE0136 – Conforto Ambiental e Eficiência Energética II
CCE0136 – Conforto Ambiental e Eficiência Energética II
CCE0136 – Conforto Ambiental e Eficiência Energética II
As múltiplas reflexões do som num ambiente causa a 
reverberação
Fonte: Eng. Pedro P. R. Nishida
CCE0136 – Conforto Ambiental e Eficiência Energética II
Reverberação do Som
• Em ambientes fechados o som permanece por um 
tempo se refletindo até que decaia de 60dB da 
intensidade inicial
• A absorção do som, pelos materiais, é seletiva em 
relação às frequências
• A distribuição espacial do som não é homogênea
CCE0136 – Conforto Ambiental e Eficiência Energética II
Fundamentos 
teóricos
campo direto e 
campo 
reverberante
Fonte: Eng. Pedro P. R. Nishida
CCE0136 – Conforto Ambiental e Eficiência Energética II
“O Tempo de Reverberação deve estar de acordo com o uso do espaço, 
não devendo ser longo em demasiado para não perturbar a clara 
percepção do som, mas, também, não ser pequeno ou curto demais, o 
que prejudica a percepção de alguns tipos de fontes sonoras.”
(LOSSO, 2003)
• A reverberação prejudica bastante a inteligibilidade das palavras num
ambiente;
• Ao pronunciar-se uma palavra com várias sílabas, os sons se
sobrepõem;
• Quando a fala é muito rápida ou a reverberação é grande, mesmo as
pausas entre as palavras se tornam preenchidas com o som
reverberante.
Fonte: Eng. Pedro P. R. Nishida
CCE0136 – Conforto Ambiental e Eficiência Energética II
Te
m
p
o
 ó
ti
m
o
 d
e
 R
ev
e
rb
e
ra
çã
o
Para cada atividade e para cada volume de sala existe um 
tempo ideal de decaimento sonoro.
CCE0136 – Conforto Ambiental e Eficiência Energética II
Estudos identificaram uma correlação entre o volume de uma sala e o seu 
tempo de reverberação: quanto maior o volume da sala, maior tende a ser o 
seu tempo de reverberação.
A quantidade de superfícies absorventes ou refletivas também influenciará o 
tempo de reverberação.
Fonte: Eng. Pedro P. R. Nishida
https://wsdg.com/wp-content/uploads/fig.-2-simulation-results.jpg
CCE0136 – Conforto Ambiental e Eficiência Energética II
CCE0136

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.