A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
65 pág.
QUESTOES DE ENEM E VESTIBULARES

Pré-visualização | Página 3 de 24

a vida e a morte, que considera o ser humano como ser vivente, são chamados por Michel Foucault, respectivamente, de 
(A) poder político e poder pastoral. 
(B) poder administrativo e poder jurídico. 
(C) dominação e poder disciplinar. 
(D) poder disciplinar e biopoder. 
(E) governamentalidade e governo de si. 
45. Hannah Arendt reflete a respeito de três atividades humanas que são vinculadas a três formas de vida humana. Tal relação esquemática é central na filosofia daquela pensadora e em sua crítica da sociedade contemporânea. Assinale a alternativa que relaciona, corretamente, aqueles modos de vida e atividades humanas. 
(A) Ser político - trabalho; homo faber - fabricação; animal laborans - ação. 
(B) Ser político - ação; homo faber - trabalho; animal laborans - fabricação. 
(C) Ser racional - ação; homo economicus - trabalho; homo ludens - diversão. 
(D) Ser político - ação; homo faber - fabricação ; animal laborans - trabalho. 
(E) Ser racional - contemplação; homo economicus - ação; homo laborans - trabalho. 
46. Quanto ao segundo princípio de justiça, conforme John Rawls, é correto afirmar que 
(A) nele não se admitem desigualdades de renda e bens, já que considera como fundamento da justiça a igualdade social e econômica. 
(B) nele se afirma a mais ampla liberdade para todas as pessoas, sendo que a liberdade da pessoa deve ser igual a das outras e a mais extensa possível. 
(C) nele são admitidas desigualdades sociais e econômicas, desde que todos sejam igualmente beneficiados. 
(D) nele se afirma que cada pessoa tem o mesmo direito a um esquema de liberdades básicas iguais e compatíveis com as liberdades de todos os outros. 
(E) nele são admitidas desigualdades sociais e econômicas, porém quando essas estão vinculadas a posições acessíveis a todos e beneficiam ao máximo as pessoas menos favorecidas. 
47. Em sua proposta de um estado mínimo, Robert Nozick defende que as relações de cooperação e associação entre os indivíduos devem ser 
(A) voluntárias, já que o Estado deve reconhecer os direitos individuais como invioláveis. 
(B) legalmente organizadas e reguladas, já que o Estado tem, entre suas poucas funções, o estímulo à associação entre indivíduos. 
(C) determinadas pelo Estado, responsável primeiro pela sobrevivência dos indivíduos e da coletividade na qual aqueles indivíduos cooperam e podem prosperar. 
(D) estimuladas pelo Estado, que deve considerar, para tanto, o interesse da sociedade mais ampla e a necessidade de manutenção da segurança e bem-estar daqueles indivíduos isolados ou coletivamente organizados. 
(E) desestimuladas pelo Estado, porquanto elas oferecerem risco à capacidade de governo e ao seu direito e monopólio de vigilância sobre os indivíduos. 
48. Com a noção de um princípio de responsabilidade, Hans Jonas quer acrescentar à ética, além da dimensão quotidiana, imediata e presente da interação humana (típica, segundo ele, das demais éticas), duas outras dimensões ou âmbitos. Quais são esses dois âmbitos? 
(A) O âmbito do discurso e o do consenso. 
(B) O âmbito da pragmática e o da utilidade. 
(C) O âmbito extra-humano, ou natureza, e o das gerações futuras. 
(D) O âmbito do corpo (sexualidade) e o do cuidado de si. 
(E) O âmbito da sacralidade e o do dever. 
49. Para Michel Foucault, a parresía entre os antigos compreendia dois sentidos mutuamente relacionados. São eles: 
(A) o cuidado de si e o governo dos outros. 
(B) a liberdade de palavra e a franqueza. 
(C) a beleza e a verdade. 
(D) a vigilância e o poder. 
(E) a adulação e a retórica. 
50. Para David Hume, o nexo causa-efeito apresenta elementos essenciais, acessados de diferentes modos. Quanto a isso, é correto afirmar que esses elementos são: 
(A) a dedução, que é experimentada, e a indução, que é inferida. 
(B) a contiguidade e a sucessão, que são induzidas, e a conexão necessária, deduzida. 
(C) a contiguidade e a sucessão, que são experimentadas, e a conexão necessária, que é inferida. 
(D) a experiência, acessada pelos sentidos, e a razão, acessada pelo intelecto. 
(E) a contiguidade e a sucessão, que são deduzidas, e a conexão necessária, que é induzida 
GABARITO: 
21A 
22D 
23E 
24C 
25B 
26D 
27C 
28B 
29E 
30A 
31D 
32B 
33A 
34E 
35C 
36D 
37A 
38E 
39C 
40E 
41D 
42C 
43B 
44D 
45D 
46E 
47A 
48C 
49B 
50C
	 
	
	(11/Set)
	Sapiranga - RS - Objetiva - 2016
	 
	CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 
31) A história da Filosofia é repleta de pensadores e de teorias que se completam e/ou se contradizem. A argumentação e a lógica são os maiores trunfos no auxílio das demonstrações e embasamentos de todos os filósofos. Muitas são as obras que contribuíram para o desenvolvimento da Filosofia. Com relação aos filósofos e às suas obras, numerar a 2ª coluna de acordo com a 1ª e, após, assinalar a alternativa que apresenta a sequência CORRETA: 
(1) Hannah Arendt. 
(2) David Hume. 
(3) Emmanuel Kant. 
(4) Friedrich Nietzsche. 
(5) Martin Heidegger. 
( ) Crítica da Razão Pura. 
( ) Investigação Sobre o Entendimento Humano. 
( ) A Condição Humana. 
( ) A Gaia Ciência. 
( ) Ser e Tempo. 
a) 3 - 1 - 2 - 4 - 5. 
b) 1 - 3 - 2 - 5 - 4. 
c) 5 - 1 - 3 - 4 - 2. 
d) 3 - 2 - 1 - 4 - 5. 
32) Os filósofos pré-socráticos são responsáveis pela ruptura entre as explicações mitológicas e a Filosofia. Eles escolheram diferentes physis, isto é, cada filósofo encontrou motivos e razões para dizer qual era o princípio eterno e imutável que está na origem da natureza e de suas transformações. Esses filósofos pré-socráticos são também conhecidos como: 
a) Sofistas. 
b) Filósofos da natureza. 
c) Epicuristas. 
d) Filósofos peripatéticos. 
33) Teórico absolutista que defende a ideia de que o contrato social é um acordo em que as pessoas abrem mão da sua total liberdade, característica marcante do estado de natureza, em troca da proteção e justiça proporcionadas por um estado forte, por ele comparado metaforicamente ao monstro bíblico do Livro de Jó, Leviatã: 
a) Jean-Jacques Rousseau. 
b) John Locke. 
c) Thomas Hobbes. 
d) Nicolau Maquiavel. 
34) Os contratualistas (Hobbes, Locke e Rousseau), figuram como grandes expoentes da teoria política. Com relação aos seus posicionamentos no que concerne ao contrato social, assinalar a alternativa CORRETA: 
a) Tanto Hobbes quanto Rousseau concordam que no estado de natureza vivia-se em perfeita harmonia e igualdade. 
b) Locke difere de Hobbes e Rousseau ao afirmar que no estado de natureza há uma liberdade total em que prevalece a lei do mais forte, e este domina o mais fraco. 
c) Rousseau cria a hipótese dos homens em estado de natureza, vivendo sadios, bons e felizes, até o momento em que é criada a propriedade privada e uns passam a trabalhar para outros, gerando escravidão e miséria. 
d) Os três teóricos contratualistas defendem que o contrato social foi criado pelos mesmos motivos, e que no estado de natureza as condições eram as mesmas. 
35) Um dos principais representantes da Patrística, Santo Agostinho, afirma que a liberdade humana é própria da vontade e não da razão, e é nisso que reside a fonte do pecado. A pessoa peca porque usa de seu livre-arbítrio para satisfazer uma vontade má, mesmo sabendo que tal atitude é pecaminosa. Com relação às ideias do autor, é CORRETO afirmar que: 
a) Santo Agostinho é um grande representante e continuador das ideias de Aristóteles. 
b) Argumentam em favor da supremacia do espírito sobre o corpo, a matéria. Para ele a alma teria sido criada por Deus para reinar sobre o corpo, dirigindo-o para a prática do bem. 
c) O livre-arbítrio demonstra que a alma humana é inferior ao corpo, uma vez que somos guiados pelos nossos instintos e desejos. 
d) O pensamento aristotélico dualista (distinção entre corpo e alma) é reforçado por Santo Agostinho quando este afirma que corpo e alma são um só e que um não existe sem o outro. 
36) Friedrich Nietzsche é um dos autores mais controversos da história da Filosofia. Com relação às suas

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.