A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
126 pág.
Ginastica Geral

Pré-visualização | Página 4 de 29

a resiliência 
dos alunos. Amorós, um militar muito reconhecido, é o principal responsável pelo desenvolvimento do 
método e sua disseminação. As aulas consistiam de:
• sequências de exercícios de corridas;
• marchas;
• flexões;
• equilíbrios;
• destrezas motoras.
O objetivo principal era educar moralmente, mas para Amorós, o desenvolvimento das capacidades 
físicas também era fundamental.
A melhor maneira de divulgar tal método e conseguir novos praticantes era por meio de festivais 
e de demonstrações em eventos públicos. As apresentações contavam com exercícios de caráter 
13
Re
vi
sã
o:
 K
le
be
r 
- 
Di
ag
ra
m
aç
ão
: M
ár
ci
o 
- 
06
/0
7/
20
16
GINÁSTICA GERAL
muito rigoroso e com vários elementos acrobáticos em que era fundamental apresentar força, 
resistência e flexibilidade. A demonstração de habilidade e de destreza motora era fundamental 
para impressionar o público e motivar a participação de novos praticantes. A beleza e a precisão 
dos movimentos constituíam‑se em aspecto fundamental das apresentações gímnicas.
A grande intenção aqui é manter a população sadia e preparada fisicamente, além de 
promover um comportamento adequado para o melhor convívio social e o respeito às normas 
e às autoridades constituídas. A partir daqui, começam a aparecer propostas de ginásticas mais 
especializadas e individualizadas, como para mulheres, crianças e idosos. Surge a concepção de 
estender para todas as pessoas a prática da ginástica, com George Demeny como o principal 
defensor dessa ideia.
Para Demeny, o valor atribuído aos campeões e aos melhores, principalmente relacionado aos 
esportes, deveria ser questionado, uma vez que se tem muitas pessoas na sociedade que estão excluídas 
destas práticas, justamente porque elas são destinadas apenas aos habilidosos, bem‑dotados fisicamente 
e com as melhores qualidades físicas. Sua proposta então enfatiza a preocupação com a inclusão de 
todas as pessoas da sociedade nas práticas gímnicas.
Stanquevisch (2004) descreve assim o pensamento de Demeny:
A educação física dirige‑se a todos, aos fracos, sobretudo. Não é preciso 
restringir, como se faz muito frequentemente, a educação física a 
simples práticas atléticas. Estas servem antes para utilizar as forças que 
para adquiri‑las [...] sem pretender tais superioridades, todos podem se 
desenvolver e sair de um estado deplorável de inferioridade nesse aspecto. 
O fraco é tímido, bastante suscetível em questões de amor próprio; não 
se deve desencorajá‑lo, mas ao contrário, atraí‑lo para o exercício do qual 
ele necessita. Ele deve ser o objeto de atenção complacente do educador 
preocupado com a prosperidade e o futuro de seu país. Os fracos constituem 
a maioria [...].
Embora a proposta de Demeny seja inovadora e proponha a participação dos menos dotados 
fisicamente, o objetivo continua sendo o adestramento e a melhoria das capacidades físicas e da 
disciplina corporal. Isto, é claro, não permite que idosos e portadores de quaisquer necessidades sejam 
incluídos na proposta.
Uma das principais preocupações de Demeny para que sua proposta não se perdesse, principalmente 
em função da desistência da prática, era manter a motivação dos praticantes. Nesse sentido a música e 
a dança passam a ser incorporados como elementos importantes de seu método.
O contraponto desta proposta acontece com Georges Hébert, que elaborou um método baseado 
nas práticas dos homens primitivos. Os elementos corporais de sua proposta eram compostos 
basicamente de:
14
Re
vi
sã
o:
 K
le
be
r 
- 
Di
ag
ra
m
aç
ão
: M
ár
ci
o 
- 
06
/0
7/
20
16
Unidade I
• quadrupedia;
• corridas;
• saltos e equilíbrios.
Figura 4 – Corridas
Além de lançamentos, marchas e transportes de materiais diversos, a principal crítica de Hébert era 
em relação à artificialidade dos movimentos propostos pelos demais métodos e, portanto, sua pouca 
relação com o cotidiano dos praticantes. Faltava, no entanto, ao método natural de Demeny o elemento 
lúdico, e este aspecto foi crucial para o fato de ele não ser incluído no contexto escolar. Apesar disso a 
influência desse método é inegável para o desenvolvimento e a incorporação da ginástica como uma 
prática cotidiana na França no início do século XIX.
2.1.2 A escola sueca
A ginástica sueca surge com a proposta de ser um sistema ginástico a ser implantado nas escolas, 
então seu caráter pedagógico e educativo é bastante evidente. Seu precursor é Per Henrik Ling, para 
quem a relação entre corpo e alma deve ser considerada pela proposta, e tanto um quanto outro precisam 
participar da vivência; isso significa dizer que o praticante, diferentemente das demais propostas, precisa 
sentir prazer ao praticar a ginástica. Para que isso seja possível, Ling propõe que sejam consideradas 
as limitações dos praticantes e que a atividade seja adequada às suas possibilidades. Atualmente, 
considera‑se Ling um dos precursores da ginástica geral moderna, uma vez que, para ele, era essencial 
que a prática da ginástica não fosse acessível apenas às pessoas que possuíam as qualidades físicas 
exigidas pelas práticas tradicionais.
A ginástica sueca proposta por Ling preocupa‑se em ser educativa e social; é importante 
que os praticantes sintam alegria ao praticá‑la, ao mesmo tempo em que se reconhecem como 
portadores de possibilidades e limitações. Nesse sentido, a exclusão por falta de capacidades 
físicas correspondentes não é uma opção aceitável. O aluno da ginástica sueca proposta por 
Ling deve ser fundamentalmente uma pessoa feliz! Para ele, não se ensina nem se aprende 
nada com tristeza.
15
Re
vi
sã
o:
 K
le
be
r 
- 
Di
ag
ra
m
aç
ão
: M
ár
ci
o 
- 
06
/0
7/
20
16
GINÁSTICA GERAL
Apesar desses pressupostos, a rotina das aulas do método de Ling mantinha em sua rotina de práticas 
corporais a rigidez e a disciplina como elementos primordiais. Somente após a morte de Ling é que seu 
filho Hjalmar Ling desenvolveu uma metodologia mais livre e criou jogos que envolviam exercícios para 
serem desenvolvidos pelas crianças de maneira mais lúdica e livre.
O método é constituído de:
• exercícios livres masculinos e femininos;
Figura 5 – Exercícios livres masculinos
16
Re
vi
sã
o:
 K
le
be
r 
- 
Di
ag
ra
m
aç
ão
: M
ár
ci
o 
- 
06
/0
7/
20
16
Unidade I
Figura 6 – Exercícios livres femininos
• exercícios de equilíbrio e de suspensão;
Figura 7 – Exercícios de equilíbrio e de suspensão
17
Re
vi
sã
o:
 K
le
be
r 
- 
Di
ag
ra
m
aç
ão
: M
ár
ci
o 
- 
06
/0
7/
20
16
GINÁSTICA GERAL
Figura 8 – Exercícios de equilíbrio e de suspensão
• saltos em aparelhos e destreza com aparelhos;
Figura 9 – Saltos em aparelhos e destreza com aparelhos
• exercícios de disciplina;
• jogos motores: com características lúdicas.
Com o passar do tempo, o método sofreu grandes transformações que foram se realizando a partir 
das necessidades e dos desejos dos praticantes por uma ginástica menos sistematizada. Atualmente na 
Dinamarca a prática da ginástica é muito massificada.
Os dinamarqueses acreditavam que um instrutor de ginástica não deveria apenas instruir os 
alunos na prática dos exercícios de ginástica, mas também orientar um trabalho que conduzisse 
os alunos a uma prática consciente do objetivo da atividade. A prática da ginástica era, antes de 
tudo, uma prática educativa.
18
Re
vi
sã
o:
 K
le
be
r 
- 
Di
ag
ra
m
aç
ão
: M
ár
ci
o 
- 
06
/0
7/
20
16
Unidade I
2.1.3 A escola alemã
Johann Christoph Friedrich Guts Muths viveu entre 1759 e 1839 e foi um dos principais estimuladores 
da ginástica na Alemanha; sua