Trabalho hermenêutica Konrad Hesse A força Normativa da Constituição
17 pág.

Trabalho hermenêutica Konrad Hesse A força Normativa da Constituição


DisciplinaHermenêutica e Hermenêutica Jurídica826 materiais3.778 seguidores
Pré-visualização5 páginas
à possibilidade de identificar a vontade de concretizar a ordem imposta. Destarte, a força ativa da Constituição depende da presença da vontade de poder e da vontade de constituição, que visa priorizar os princípios constitucionais e parte de três vertentes: a necessidade de uma ordem normativa inquebrantável, a compreensão de que essa ordem constituída representa mais do que uma ordem legitimada pelos fatos e a eficácia através do concurso da vontade humana. 
 Direitos fundamentais
 Direitos fundamentais são direitos básicos a todos os cidadãos de determinada nação. Dividem-se em direitos básicos individuais, sociais, políticos e jurídicos que são previstos na Constituição Federal. Não existe uma origem concreta nem uma definição objetiva para direitos fundamentais, embora as três principais correntes jusfilosóficas tenham dado suas interpretações. 
 Hoje o consenso geral é de que estes direitos resultaram de um gradual processo histórico e sociológico. Sendo assim, defende-se, majoritariamente, que o estabelecimento dos direitos fundamentais leva em consideração o contexto histórico-cultural de determinada sociedade. Podem, então, os direitos fundamentais de diferentes países divergirem, de acordo com as particularidades culturais e históricas de cada civilização.
 Os direitos humanos e os direitos fundamentais tem a mesma essência, no entanto, o primeiro está num plano internacional e o segundo num plano interno, sendo estabelecido e regulamentado pela Constituição Federal. 
A FORÇA NORMATIVA DA CONSTITUIÇÃO
2.1 ORGANIZAÇÃO JURÍDICA
 Um direito fundamental torna-se eficaz apenas se possuir uma organização jurídica das condições de vida e âmbitos de vida que eles devem garantir. No geral, os direitos fundamentais carecem dessa organização. 
03
 Essa organização é, em primeiro lugar, tarefa da legislação. Para garantir tal organização jurídica pode-se ter um encargo constitucional expresso, o qual obrigará o legislador a regular os \u201cpormenores\u201d. Como exemplo, temos o artigo 4, alínea 3 da Constituição alemã, que diz: \u201cNinguém poderá ser obrigado, contra a sua consciência, ao serviço militar com armas. A matéria será regulamentada por uma lei federal.\u201d A organização pode também mostrar-se necessária, independente de um encargo específico. Para esse caso temos o artigo 3 alínea 2, da mesma Constituição, que diz: \u201cHomens e mulheres têm direitos iguais. O Estado promoverá a realização efetiva da igualdade de direitos das mulheres e dos homens e empenhar-se-á pela eliminação de desvantagens existentes.
 Essa necessidade de organização levanta a questão de que apenas como liberdades jurídicas, dependentes do Direito, e não como naturais, as liberdades jurídico-fundamentais podem ganhar realidade. Cabe ao legislador, portanto, uma tarefa positiva em relação aos direitos fundamentais. A partir desse momento entende-se que a organização de direitos fundamentais é idêntica a concretização de direitos fundamentais.
 Um ponto importante a ressaltar nessa questão de organização e concretização, é a existência de diversos casos em que a instauração de direitos fundamentais foi dada antes mesmo da promulgação de uma lei. O desenvolvimento do princípio da igualdade de direitos é um grande exemplo. Ele foi concretizado nos tribunais cíveis antes mesmo de sua promulgação.
 Por fim, organização não é semelhante à autorização para limitação dos direitos fundamentais. Ocasionalmente, porém, a Lei Fundamental, em alguns casos de reservas de regulação, confunde as passagens entre organização e limitação. Ao estabelecer limites na lei acerca de uma sucessão hereditária, por exemplo. 
2.2 Limitação
 As liberdades jurídico-fundamentais são liberdades jurídicas e, como tais, sempre determinadas materialmente, limitadas. 
04
 É importante na limitação dos direitos fundamentais considerar a Constituição escrita, já que os direitos fundamentais são pautados na Constituição, podendo, portanto, seus limites serem baseados somente nela. A aceitação de limitações não-escritas para os direitos fundamentais deve ser feita com muita cautela.
Formas de limitação
 Cada direito fundamental encontra seu limite principalmente lá onde termina seu alcance material. Essa limitação está no próprio \u201câmbito da norma\u201d, como no caso do artigo 4 alínea 1, que diz: \u201cA liberdade de crença, de consciência e a liberdade de con\ufb01ssão religiosa e ideológica são invioláveis.\u201d Observa-se que o próprio artigo já, em sua matéria, limita a liberdade, tratando apenas da liberdade de \u201cfé\u201d. Em segundo lugar, pode ser uma restrição por ordens normativas adicionais que estão contidas na garantia dos direitos fundamentais, como é o caso do artigo 4, alínea 3 (\u201cTodos os alemães têm o direito de se reunirem paci\ufb01camente e sem armas, sem noti\ufb01cação ou autorização prévia.\u201d ) que adiciona, expressamente, a norma que obriga a passividade e a que impede o porte de armas, no direito fundamental de liberdade de organização. 
 Os direitos fundamentais podem ainda serem limitados por outras normas. Muitas vezes, essas normas limitadoras são da própria Constituição, seja expressamente, seja conforme o objeto. Quando o legislador normaliza os limites traçados pela Constituição em leis ordinárias, ele comprova só declarativamente limites já traçados. Esta comprovação, por estar relacionada diretamente a Constituição, está sujeita ao exame pelo Tribunal Constitucional. 
 E muitas vezes, os limites aos direitos fundamentais são traçados pela constituição juntar uma reserva legal à garantia jurídico fundamental. 
 Reservas legais é um tipo de limitação que os direitos fundamentais podem ser submetidos. A Lei Fundamental pode ser restringida \u201cpor lei\u201d ou \u201ccom base na lei\u201d. A primeira, o legislador postula a limitação, no segundo caso o legislador normaliza os pressupostos para que outros órgãos possam realizar a limitação. No caso das reservas legais é também assunto do legislador determinar os limites dos direitos fundamentais, sendo inadmissível uma limitação autônoma pelos poderes executivo ou judiciário. 
05
 Reservas legais podem autorizar limitações de direitos fundamentais de uma forma mais genérica, assim pode ser chamada também de reserva legal simples, esta utiliza de formas menos precisas, submetendo o direito fundamental à aplicação de conceito ou instituto jurídico que necessita de um melhor detalhamento. Como exemplo temos o artigo 5 alínea 2 da Lei Fundamental alemã, que diz: \u201cEstes direitos têm por limites as disposições das leis gerais, os regulamentos legais para a proteção da juventude e o direito da honra pessoal\u201d. 
 Reserva legal qualificada seria aquela a qual possui uma limitação que já está normatizada na lei, ou seja, possui já um determinado fim e assim, fica mais difícil para o legislador instituir alguma limitação, ou mesmo aplicar a um caso concreto semelhante, mesmo que não possua a mesma matéria particular regulada. Assim, este tipo de reserva estabelece condições especiais, vai além da lei. Como exemplo, dado pelo autor, temos o artigo 2 alínea 2, segundo o qual: \u201cTodos têm o direito à vida e à integridade física. A liberdade da pessoa é inviolável. Estes direitos só podem ser restringidos em virtude de lei.\u201d
 Sendo apenas a Constituição, através de leis ordinárias e leis qualificadas, que limita os direitos fundamentais, a Constituição procura determinar de forma obrigatória essas leis, mas ao mesmo tempo dar abertura às possíveis mudanças. Por ser muito ampla é impossível apenas a Constituição regular todas as limitações dos direitos fundamentais em suas diferenciações, e por isso esta entidade legitima ao Legislador esta tarefa.
Tarefa e alcance das limitações 
 As limitações servem para proporcionar uma coordenação dos direitos de liberdade e de outras condições de vida essenciais, a norma deixa de ser vaga ou ambígua e passa a ter uma situação particular positivada e com isso consolida o ordenamento e a futura eficácia no caso concreto. A Constituição possui uma parte pequena