A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
Aula  8

Pré-visualização | Página 1 de 1

Aula 8- Serviço Social
As entidades representativas da categoria, nosso projeto ético-político e a fiscalização da profissão.
Do ponto de vista histórico, o Serviço Social rompe com suas origens , aproximadamente, na década, afirmando seu compromisso político- ideológico com a classe operaria. É na perspectiva da garantia de direitos que se evidencia , hoje, a pratica profissional. 
As observações de Albernaz e Silva (2009) evidenciam o cenário de visualização da profissão, informando a sua matéria- prima, os sujeitos de sua atuação e a importância da nossa ética profissional expressa através do Código de Ética Profissional.
Pensar na evolução da profissão Traz o debate sobre as entidades representativas da categoria na condução da discussão e o reforço do nosso projeto ético- político em defesa da proposta colocada. 
Entidades representativas da categoria, o Código de Ética profissional e nosso Projeto Ético – Político. São perguntas fundamentais:
Qual a relação entre formação e pratica profissional e entidades da categoria? 
Qual a relação entre o código de ética e as entidades da categoria?
O que é o projeto ético- político ?
Se temos, qual é o projeto ético- político da nossa categoria?
Por que uma profissão necessita de uma fiscalização ?
Quem fiscaliza a nossa profissão ?
As entidades representativas da categoria dos assistentes sociais. Contamos com três entidades: CFESS/ CRESS, ABEPSS e ENESSO.
Um conjunto constituído pelo Conselho Federal de Serviço Social ( CFESS) e pelos Conselhos Regionais de Serviço Social (CRESS), regulamentado pela lei n° 8662/93, a saber:
São alteradas as denominações do atual Conselho Federal de Assistente Social ( CFAS) e dos Conselhos Regionais de Assistente Social ( CRAS), para respectivamente, Conselho Federal de Serviço Social (CFESS) e Conselho Regionais de Serviço Social ( CRESS).
O conselho Federal de Serviço Social e o Conselho Regionais de Serviço Social constituem, em seu conjunto, uma entidade com personalidade jurídica e forma federativa com objetivo básico de disciplinar e defender o exercício da profissão de Assistente Social em todo o território nacional.
Sobre o CFESS
Cabe ao Conselho Federal de Serviço Social (CFESS) e aos Conselhos Regionais de Serviço Social (CRESS), representar, em juízo e fora dele, os interesses gerais e individuais dos Assistentes Sociais, no cumprimento desta lei.
Compete ao Conselho Federal de Serviço Social (CFESS), na qualidade de órgão normativo de grau superior, o exercício das seguintes atribuições:
Orientar, disciplinar, normatizar, fiscalizar e defender o exercício da profissão de Assistente Social, em conjunto com os CRESS;
Assessorar os CRESS sempre que se fizer necessário;
Aprovar os Regimentos Internos dos CRESS no fórum Maximo de deliberação do conjunto CFESS/ CRESS;
Aprovar o código de Etica Profissional dos Assistentes Sociais juntamente com o CRESS, no fórum Maximo de deliberação do conjunto CFESS/ CRESS;
Funcionar com Tribunal Superior de Ética profissional;
Julgar, em ultima instancia, os recursos contra as sanções impostas pelos CRESS;
Estabelecer os sistemas de registro do profissionais habilitados;
Prestar assessoria técnico- consultiva aos órgãos públicos ou privados, em matéria de Serviço Social;
O fórum Maximo de deliberação da profissão para os fins desta lei dar-se-a nas reuniões conjuntas dos Conselhos Federais e Regionais, que inclusive fixarão os limites de sua competência e sua forma de convocação.
Os Conselhos Regionais de Serviço Social (CRESS) são dotados de autonomia administrativa e financeira, sem prejuízo de sua vinculação ao Conselho Federal, nos termos da legislação em vigor.
-Compete ao CRESS, em suas respectivas áreas de jurisdição, na qualidade de órgão executivo e de primeira instância, o exercício das seguintes atribuições:
- Organizar e manter o registro profissional do Assistente Social e o cadastro das instituições e obras sociais publicas e privadas, ou de fins filantrópicos.
- Fiscalizar e disciplinar o exercício da profissão do Assistente Social na respectiva região,;
- Expedir carteiras profissionais de Assistente Social, fixando a respectiva taxa;
- Zelar pela observância do Código de Ética Profissional, funcionando como Tribunais Regionais de Ética Profissional;
- Aplicar as sanções previstas no código de ética profissional;
- fixar, em assembléia da categoria, as anuidades que devem ser pagas pelos Assistentes Sociais;
- elaborar o respectivo Registro Interno e submete- lo a exame e aprovação do fórum Maximo de deliberação do conjunto CFESS/ CRESS.
Cabe aos CRESS
Fiscalizar e zelar pelo cumprimentos dos deveres profissionais, tendo como referencia a Política Nacional de Fiscalização do conjunto CFESS/ CRESS.
Para saber mais sobre o histórico do conjunto CFESS/ CRESS, acesse: WWW.cfess.org.br/cfess_historico.php
2 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENSINO E PESQUISA EM SERVIÇO SOCIAL – ABEPSS
EXECUTIVA NACIONAL DOS ESTUDANTES DE SERVIÇO SOCIAL – ENESSO
Representante dos estudantes de Serviço Social em todo o Brasil onde concentra as discussões sobre a qualidade da formação profissional, os rumos das instituições superiores de ensino. Organiza, anualmente o Encontro Nacional dos Estudantes de Serviço Social, com representação nacional e coordenação regionais. Em tal fórum elege sua Diretora Nacional e Regional e traça sua política de trabalho paro o ano seguinte. 
SOBRE O CODIGO DE ETICA PROFISSIONAL 
Aqui, apresentamos as premissas sobre a nossa ética profissional, expressas no Código de Ética Profissional dos Assistentes Sociais Resolução CFESS n° 273, de 13 de março de 1993. O aprofundamento do conteúdo sobre Ética, Ética Profissional e os Códigos de Etica do Assistentes Sociais.
Pagina 14