Aula  agnosia e apraxia
35 pág.

Aula agnosia e apraxia


DisciplinaPsicoterapia Psicanalitica I54 materiais658 seguidores
Pré-visualização2 páginas
Agnosias e Apraxias
VERENA C. MASCARENHAS
VERENAMASCARENHAS85@GMAIL.COM
O que é GNOSIAS?
GNOSIA: é a capacidade de percepção e reconhecimento de objetos e 
sensações;
-É também a capacidade de reconhecer, exigindo canais sensíveis para o 
processamento de um sinal;
-Funciona como uma grande loja de MEMÓRIAS, com uma enorme 
capacidade de associação das mensagens, servindo para dar valores 
diferentes em circunstâncias diferentes;
Segundo PIERON: \u201ctoda percepção é uma gnosia.\u201d
Gnosias
Gnosia significa a identificação de objetos;
Esta identificação do objeto faz-se em 2 etapas distintas, uma de sensação
e uma de interpretação;
Na etapa de SENSAÇÃO: toma-se consciência das características sensoriais 
do objeto: sua forma, textura, cor, tamanho, etc.;
Na etapa de INTERPRETAÇÃO: essas características sensoriais são 
\u201ccomparadas\u201d com o conceito do objeto existente na memória do 
indivíduo, o que permite a sua identificação;
Estas duas etapas dependem de áreas corticais diferentes que podem ser 
lesadas separadamente: ÁREAS SENSITIVAS DE PROJEÇÃO E ÁREAS 
SECUNDÁRIAS OU GNÓSICAS
Áreas de Associação
\u2022As ÁREAS SECUNDÁRIAS recebem aferências principalmente 
das áreas primárias e repassam estas informações a outras 
áreas do córtex cerebral. 
\u2022Identificação de um objeto: etapa da sensação e etapa da 
interpretação
* As ÁREAS CORTICAIS SECUNDÁRIAS, também chamadas
ÁREAS GNÓSICAS, são importantes numa segunda etapa no
processo de percepção sensorial. Elas recebem as informações
já elaboradas vindas das áreas primárias e interagem com as
áreas terciárias e áreas corticais límbicas, responsáveis pelos
processos de memória
Áreas de Associação
Áreas de Associação
E as AGNOSIAS?
INABILIDADE DE RECONHECER através dos sentidos (visão, tato, audição, propriocepção), 
objetos que lhe são familiares;
Lesões áreas de associação sensorial devido a lesão em áreas do Córtex Associativo (occipital, 
parietal, têmporo-occipital, parieto-occipital).
As lesões das ÁREAS SECUNDÁRIAS não causam déficits sensoriais simples, mas levam às chamadas AGNOSIAS
(desconhecimento). Por exemplo: lesão da área visual secundária não provoca cegueira, mas produz uma agnosia visual,
ou seja, o indivíduo será capaz de enxergar um objeto posto diante de seus olhos, mas não conseguirá reconhecer o
objeto. Como as outras modalidades sensoriais estão intactas, poderá reconhecer através do tato ou audição. Há
também agnosias auditivas e somestésicas.
Tipos de Agnosia
AGNOSIA VISUAL
- Dificuldade de reconhecer 
objetos ao olhar, apesar da pessoa 
possuir uma visão íntegra (objetos 
pessoais, e familiares).
Tipos de Agnosia
PROSOPAGNOSIA
-Dificuldade em reconhecer faces, mas identifica expressões 
emocionais;
-Reconhece pela voz;
-Significa que a pessoa tem lesão occipital inferior bilateral.
Tipos de Agnosia
SIMULTAGNOSIA
É a incapacidade de perceber visualmente mais de um 
ou dois estímulos simultaneamente;
- Dificuldade de assimilar mais de um aspecto do quadro 
inteiro (reconhece letras mas não a palavra)
Tipos de Agnosia
AGNOSIA AUDITIVA
- Dificuldade de distinguir sons, apresentando também uma 
Afasia.
Afasia: incapacidade do indivíduo de se comunicar através da 
linguagem verbal, embora os mecanismos periféricos tanto 
sensitivos como motores necessários para esta comunicação 
estejam intactos
- Afasia motora: lesão na área de Broca (dificuldade para falar
- Afasia sensitiva: lesão na área de Wernicke (palavras sem 
sentido)
Tipos de Agnosia
METAMORFOSIA
- Dificuldade em reconhecer tamanho real dos objetos
Tipos de Agnosia
ESTEROGNOSIA ou AGNOSIA TÁTIL
-Dificuldade de reconhecer objetos pelo manuseio;
-Nesse tipo de agnosia a pessoa tem dificuldade de 
tato e propriocepção mesmo sendo íntegras.
Agnosias
AGNOSIA 
DIGITAL
AGNOSIA 
ESPACIAL
AGNOSIA 
VISUAL
AGNOSIA 
AUDITIVA
O que é PRAXIA?
\u201cConjunto de reações motoras coordenadas em função de um resultado prático;
Representa um conjunto organizado com a finalidade de alcançar um fim.\u201d
(Le Boulch, 1992)
Praxia
Está localizada nas áreas frontais do 
cérebro;
Zonas pré-motoras (áreas 6 e 8);
Organização Práxica
Para que o individuo consiga ter uma organização práxica ele precisa ter:
-SOMATOGRAMA: conhecimento integrado do corpo;
-ENGRAMAS: integração cognitiva e emocional das experiências vivenciadas anteriormente;
-APTICOGRAMA: integração dos estímulos externos que abrangem a função gnósica.
Fatores relacionados com a Praxia
Tônus;
Equilíbrio;
Lateralidade;
Esquema Corporal;
Controle postural;
Estruturação espaço-temporal.
Fases da Praxia
1. IDEAÇÃO: Saber o que fazer;
2. PLANEJAMENTO MOTOR: Organizar sequência de 
movimentos que compõe a tarefa;
3. EXECUÇÃO: Realizar o planejamento do 
movimento em sequência fluente (automática).
Como ocorre a praxia na reabilitação?
Programa motor \u2013 conjunto COMANDOS motores (força, direção e momento oportuno para 
realizar um movimento);
Ao se aprender e tornar automático, forma-se um ENGRAMA MOTOR;
Esquema Ação \u2013 componentes sensitivos e motores formam uma ação;
Onde a repetição do padrão motor - consolida o esquema motor;
Ou seja: REABILITAÇÃO!
Praxia
\u201cSomente por meio de uma coordenação dinâmica 
adequada, a criança consegue estabelecer relações de ação 
e movimento que serão seu carro chefe na educação de sua 
Motricidade.\u201d
(Bueno, 1998)
Tipos de Praxia
PRAXIA GROSSA
-Coordenação motora dinâmica global ou geral;
Exemplo: Andar, correr, pular
PRAXIA FINA
-Coordenação motora fina
Exemplo: Escrever, pintar, digitar, tocar
Praxia Grossa
\u201cA praxia global encerra a unidade de um pensamento 
abstrato que se traduz em uma ação motora concreta.\u201d
(Fonseca, 1995)
Praxia Fina
\u201cA mão, 27 ossos unidos por uma rede complexa de tendões e músculos atingiram uma variedade 
e uma precisão sensório motora sem limites.\u201d
(Fonseca, 1995)
Apraxia
Origem grega \u2013 A = privação e PRASSEÍN = fazer (Impossibilidade de fazer);
Incapacidade de realizar movimentos, gestos ou habilidades previamente 
aprendidos, espontaneamente e/ou ao comando sem que haja paralisia 
muscular;
As lesões do córtex cerebral são uma das principais causas das diversas 
manifestações de apraxia;
Resulta de disfunções nos hemisférios cerebrais, sobretudo do lobo parietal 
e frontal esquerdo
Tipos de Apraxia
\uf0e0Membro-cinética;
\uf0e0 Ideomotora;
\uf0e0 Ideacional;
\uf0e0 Orofacial ou bucofacial (avaliada pelo fonoaudiólogo);
\uf0e0 Apraxia Construtiva;
\uf0e0 Outras.
Apraxia Membro-cinética
Incapacidade de fazer movimentos finos e precisos com braços ou pernas;
EXEMPLO: Dificuldade em pegar uma moeda que esteja em uma superfície plana e colocá-la na 
palma da mão
Apraxia Ideomotora
A pessoa é incapaz de realizar tarefas aprendidas quando recebe os objetos necessários para ela. 
EXEMPLO: ela pode usar uma chave inglesa como uma caneta;
Incapacidade de imitar movimentos realizados por outra pessoas, como acenar;
O paciente pode fazer o gesto de forma automática, mas revela problemas em fazê-lo sob comando. 
EXEMPLO: pode não conseguir fazer o sinal da cruz, mas quando entra em uma igreja, faz o gesto 
automaticamente.
Apraxia Ideacional
Incapacidade de realizar uma atividade que envolve a realização de uma 
série de movimentos em sequência. Uma pessoa com essa alteração pode 
apresentar problemas para se vestir, comer ou tomar banho. Também 
chamada de apraxia conceitual;
EXEMPLO: A pessoa não consegue fazer tarefas complexas na ordem 
correta, uma dificuldade poderia ser colocar a meia antes do sapato;
Distúrbio no desempenho \u2013 desorganização mental dos atos
Apraxia Orofacial ou Bucofacial
Incapacidade de realizar movimentos