A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
Av Brasil Imperial

Pré-visualização | Página 1 de 2

Parte superior do formulário
			valiação: CEL0517_AV_201102225991 » HISTÓRIA DO BRASIL IMPERIAL
	Tipo de Avaliação: AV 
	Aluno: 201102225991 - CAROLINE ALENCAR DE MAGALHÃES DOS SANTOS 
	Professor:
	ANGELA MARIA CUNHA DA MOTTA TELLES
	Turma: 9003/AB
	Nota da Prova: 3,5        Nota de Partic.: 2        Data: 04/06/2014 17:30:09 
	
	 1a Questão (Ref.: 201102344277)
	Pontos: Sem Correç.  / 1,5 
	O que se entende por "Trindade Saquarema" e o que ela representa? 
		
	
Resposta: 
	
Gabarito: 
A "Trindade Saquarema" foi nome pelo qual ficaram conhecidos os três principais ministros (Justiça, Fazenda e Estrangeiros) do mais forte governo conservador do Império depois da reformulação ocorrida em outubro de 1849: respectivamente Eusébio de Queiroz Matoso da Câmara, Joaquim José Rodrigues Torres e José Soares de Sousa. 
	
	
	 2a Questão (Ref.: 201102344283)
	Pontos: Sem Correç.  / 1,5 
	Explique o que foi a chamada Revolução de 7 de Abril. 
		
	
Resposta: 
	
Gabarito: Essa revolução tem como origem, a chamada "Noite das Garrafadas". Nessa noite, comerciantes portugueses promovem uma festa popular para comemorar a volta de D.Pedro I de uma viagem a Minas Gerais o que é considerado um acinte pelos brasileiros, gerando um conflito que durou de 11 a 16 de março de 1831. Os desdobramentos desse conflito levaram D. Pedro I a nomear um ministério composto somente por brasileiros mas tal medida não serenou os ânimos, havendo boatos de que uma revolução estava em andamento. Em represália, D. Pedro demite o "ministério dos brasileiros" nomeando um outro formado por aristocratas que já haviam sido ministros e que não gozavam das simpatias populares. Tal medida fez com que uma multidão composta de povo e representantes da elite do Rio de Janeiro se juntasse no campo de Santana na manhã do dia 6 de abril de 1831 contra as atitudes tomadas pelo imperador e exigindo a volta do ministério deposto. D. Pedro nega-se a cumprir tal exigência. O Batalhão do Imperador e a Guarda de Honra aderem ao movimento levando D. Pedro, sem qualquer meio de resistência, a abdicar no dia 7 de abril de 1831. 
	
	
	 3a Questão (Ref.: 201102344224)
	Pontos: 0,0  / 1,0 
	A crise do Império, no Brasil, foi marcada por uma série de questões que favoreceram a Proclamação da República. Sobre essas questões e suas características, analise as proposições abaixo. 
1) As idéias republicanas fizeram parte de diversos movimentos históricos no Brasil. Contudo, só a partir de 1870, ano em que foi lançado o Manifesto Republicano, o movimento ganhou uma formação mais sólida e concreta. 
2) No período colonial, a Igreja Católica no Brasil era uma instituição submetida ao Estado. Ou seja, nenhuma ordem papal poderia vigorar no Brasil sem a autorização do imperador. A desobediência a esses preceitos, por parte dos bispos de Olinda e Belém, em 1872, deu início ao que se convencionou chamar de Questão Religiosa. 
3) Quando foi abolida a escravidão no Brasil, os senhores de escravos, por não terem recebido as indenizações do governo a que achavam fazer jus, passaram a apoiar a causa republicana. Por isso foram chamados "republicanos do 13 de maio". 
4) Os militares, após a Guerra do Paraguai, passaram a gozar mais prestígio na sociedade brasileira, o que também era reconhecido pelo Imperador, que precisava deles para manter-se no poder. Daí, a sua lealdade à monarquia quando se proclamou a República no Brasil. 
5) Dentre as questões que contribuíram para a Proclamação da República no Brasil não se pode inserir a questão militar, pelas razões expostas no item anterior. 
Estão corretas: 
		
	
	2,4 e 5 
	
	3,4 e 5
	
	2,3 e 4 
	
	1,2 e 3 
	
	1,2 e 4 
	
	
	 4a Questão (Ref.: 201102344222)
	Pontos: 0,5  / 0,5 
	Processo político de emancipação do Brasil desenvolveu-se dentro de condições bastante especiais, dentre as quais é correto assinalar: 
		
	
	a Revolução do Porto, fundamentada em idéias liberais, tinha entre seus objetivos a reforma constitucional portuguesa e a emancipação política das suas colônias, entre elas, o Brasil. 
	
	Com relação ao Brasil, os revolucionários portugueses do Porto, mantinham a coerência com os postulados liberais, mostrando-se intransigentes defensores da emancipação política brasileira.
	
	as primeiras notícias chegadas ao Brasil dos acontecimentos do Porto deflagraram, em todas as províncias brasileiras, movimentos de repúdio à revolução lusa, formando-se "Juntas Constitucionais". 
	
	nas Juntas Constitucionais formadas por brasileiros e portugueses, nas quais os brasileiros eram em maior número, havia a firme decisão de não se acatarem as resoluções tomadas pelas cortes em Lisboa, o que contrariava os interesses lusos. 
	
	a presença de D. Pedro I, como regente do trono, estabelecia a possibilidade de uma separação entre Portugal e Brasil, sem, contudo, romper radicalmente com o regime monárquico. 
	
	
	 5a Questão (Ref.: 201102491176)
	Pontos: 0,5  / 0,5 
	Ao proclamar a sua emancipação, Dom Pedro I deu o pontapé inicial para a formação da nação brasileira. Mas, por que não podemos falar em nação antes do período da independência?
		
	
	Proclamar a independência foi apenas o primeiro passo. A construção da nação era impossível.
	
	Proclamar a independência foi um erro. A construção da nação estava só começando.
	
	Proclamar a independência foi apenas o primeiro passo. A construção da nação estava só começando.
	
	Proclamar a independência foi apenas o primeiro passo. A construção da nação estava terminado.
	
	Proclamar a república foi apenas o primeiro passo. A construção da nação estava só começando.
	
	
	 6a Questão (Ref.: 201102344228)
	Pontos: 0,5  / 0,5 
	Sobre a religiosidade e a Igreja Católica no século XIX, no Brasil, é correto afirmar que: 
		
	
	Enquanto algumas ordens religiosas, como a dos beneditinos e a dos carmelitas, estabeleceram-se livremente, no Brasil, outras, como a dos jesuítas e a dos franciscanos foram proibidas de construir igrejas e mosteiros.
	
	Segundo as leis do Império, ao Imperador cabia o direito do padroado, nomeando bispos e outros titulares de cargos eclesiásticos no Brasil e, desta forma, subordinando a hierarquia da Igreja ao poder imperial. 
	
	A quase totalidade da população brasileira era católica e utilizava o espaço das igrejas para praticar a religião. O episódio de Canudos, ao final do século, representando um desvio nos cânones da Igreja pelos seguidores de Conselheiro, configurou uma exceção. 
	
	A Constituição de 1824 estabelecia a ¿Religião Católica Apostólica Romana¿ como ¿Religião do Império¿, e, assim, proibia, terminantemente, o culto de todas as outras religiões. 
	
	A união entre Igreja e Estado nem sempre se realizou de forma harmônica. A ¿Questão religiosa¿, em fins do Império, expressou a insatisfação de alguns bispos perante a proibição do Imperador ao livre funcionamento das lojas maçônicas. 
	
	
	 7a Questão (Ref.: 201102344219)
	Pontos: 0,5  / 0,5 
	Brasil e Cuba durante muitos anos foram expoentes produtores de café. A partir de 1820, a produção brasileira no Vale do Paraíba, ultrapassa em larga escala a cubana. "a incapacidade de os produtores cubanos competirem com os produtores brasileiros em um quadro de queda acentuada dos preços, somada á sua exclusão do mercado dos Estados Unidos, selou o destino da cafeicultura na ilha". 
(MARQUESE, Rafael e TOMICH, Dale. In: GRINBERG, Keila e SALLES, Ricardo. O Brasil Imperial Volume II. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2009, pág. 363). 
Em relação ao tema em destaque é correto afirmar: 
		
	
	A produção brasileira de café nunca competiu com a cubana, o que ocorreu neste período, foi uma queda na produção em Cuba em função de diversos furacões que assolaram a ilha,