A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
6 pág.
Hemograma Completo

Pré-visualização | Página 1 de 3

Hemograma Completo
( Introdução:
	É um exame laboratorial de rotina muito usado e que permite avaliação quantitativa e qualitativa dos elementos figurados do sangue (glóbulos vermelhos e brancos essencialmente, as plaquetas são analisadas no plaquetograma).
	A análise de um hemograma fornece informações referentes a doenças hematológicas e também informações úteis para inúmeras outras doenças (ex: leucocitose com neutrofilia na infecção bacteriana; linfocitose nas infecções virais; plaquetopenia e hemoconcentração na Febre hemorrágica da dengue - “dengue hemorrágica”). 
( Divisão do hemograma: 
	O hemograma é dividido em: Eritrograma e Leucograma.
Eritrograma: fornece informações referentes à hemácia, hemoglobina, hematócrito, índices globulares (RDW, VGM, etc.), morfologia das hemácias e alterações estruturais, etc. 
Leucograma: Fornece informações a respeito dos leucócitos; contagem numérica absoluta e relativa, anormalidades citoplasmáticas e morfológicas, etc.
( O Eritrograma: 
	É importante para o diagnóstico de anemias e eritrocitoses (aumento do número de hemácias). O eritrograma constitui-se de: 
	 - Hematimetria (Contagem do número total de eritrócitos/mm³)
 - Hemoglobina (g/dl)
 - Hematócrito (%)
 - Parâmetros complementares (VGM, HCM, CHCM e RDW)
 - Hematoscopia (é a observação microscópica das hemácias, muito útil, pois permite ver alterações nas hemácias e ajuda a definir o tipo de anemia, parasitose das hemácias, etc.; é muito útil e sempre deve, “ou pelo menos deveria”, ser feito) 
	
Hematimetria: Contagem do número total de hemácias por mm³ de sangue, existem valores de referência para homens e mulheres (eritrocitose significa aumento da contagem de eritrócitos). 
Hemoglobina (Hb): É expressa em g/dl, dosagem de hemoglobina; é um importante parâmetro para definição de anemia (quando os valores estão abaixo dos valores de referência para sexo, grupo etário e condições ambientais, define anemia).
Hematócrito (Ht): É expresso em %. É o volume total das hemácias em um determinado volume de sangue, essa relação será expressa em porcentagem. O valor do hematócrito pode variar conforme ocorra uma variação da volemia, por exemplo, em um paciente muito desidratado, queimado, em abuso de líquidos endovenosos, etc. Normalmente, há correlação entre a massa de eritrócitos da amostra e a total. O aumento do volume plasmático (pseudoanemia) pode ser encontrado na gravidez, insuficiência renal, baço grande, uso excessivo de líquidos endovenosos. A diminuição do volume plasmático (pseudoeritrocitose) no uso de diuréticos, na desidratação, na obesidade, no estresse e em queimaduras. Diminuição harmônica da volemia ocorre em hemorragia no início e prematuridade. Aumento harmônico da volemia ocorre na transfusão de sangue total.
	
 Obs.: Por definição, o termo 'anemia' traduz um estado em que a hemoglobina se encontra abaixo dos limites normais, frequentemente acompanhada de queda do hematócrito e da contagem de hemácias no sangue (hematimetria). A concentração de hemoglobina é medida em g/dL, sendo normal entre 12 - 15g/dL nas mulheres e entre 13,5 - 17g/dL nos homens. Você diagnostica anemia pelo hemograma (popular “exame de sangue”); porém, existe toda uma sintomatologia que pode acompanhar o indivíduo anêmico e que ajuda o médico a pensar em anemia; ex: palidez cutânea mucosa, fadiga, cansaço, falta de concentração, falta de fôlego, etc.
 Os valores normais do hematócrito são: 36-44% nas mulheres e 39-50% nos homens. A contagem de hemácias normal varia entre 3,8-5 milhões/mm3 nas mulheres e 4,3-5,6 milhões/mm3 nos homens. A dosagem de hemoglobina possui maior acurácia quando comparada ao hematócrito e à contagem de hemácias, devendo, portanto, ser a medida de escolha utilizada para o diagnóstico de anemia. As consequências fisiopatológicas do quadro anêmico estão diretamente relacionadas à diminuição dos teores de hemoglobina (hemoglobina abaixo de 10 g/dl já devemos considerar anemia grave).
Parâmetros complementares:
 
 d.1) Volume Corpuscular Médio (VCM ou VGM): 80-98 fl (femtolitros). “Simplesmente diz o volume da hemácia” (se as hemácias estão pequenas, se estão grandes, etc.). É o volume médio de uma única hemácia (é obtido dividindo-se o hematócrito pelo número total de hemácias). Conforme o valor do VCM pode-se classificar em: microcitose (VCM baixo), hemácias normocíticas (VCM normal) e macrocitose (VCM alto).
 d.2) Hemoglobina corpuscular média (HCM): É obtida pela razão entre hemoglobina (g/dl) e o número de eritrócitos em uma mesma amostra de sangue (hemoglobina/nº eritrócitos em mesma amostra de sangue), logo a hemoglobina corpuscular média define o “peso” da hemoglobina em uma única hemácia, ou seja, a quantidade média de hemoglobina em uma única hemácia (valor em picogramas: 27-32). É influenciado pelo volume da hemácia. Apresenta pouco valor no DD das anemias, normalmente está diminuído nas anemias microcíticas e aumentado nas anemias macrocíticas e recém-nascidos. 
 d.3) Concentração Hemoglobínica Corpuscular Média (CHCM): É expresso em g/dl ou pg/fl. Trata-se da concentração de hemoglobina dentro de cada eritrócito (essa concentração é expressa em peso/volume – g/dl). É independente do tamanho da hemácia. Obtida pelo quociente HCM/VCM: hemoglobina corpuscular média dividido por volume corpuscular médio.
	 d.4) Índice de Anisocitose (RDW, expresso %): É uma medida do quanto as hemácias estão variando de tamanho entre elas (indica a variação do tamanho das hemácias em uma amostra, se as hemácias são bastante homogêneas ou heterogêneas). Valores normais de RDW indicam que as hemácias variam pouco de tamanho entre elas. Valores baixos indicam uma população de hemácias muito homogênea, mas isso parece ser apenas um extremo da normalidade; por outro lado um RDW alto indica que existe grande variação de tamanho entre as hemácias, é uma população muito heterogênea de hemácias (ex: muitas hemácias pequenas e hemácias grandes - há uma heterogeneidade na população de hemácias). 
[Analisar o VCM junto com o RDW é importante, pois se temos muitas hemácias pequenas e grandes em uma população, a média pode dar um VCM quase normal, por outro lado o RDW estará alto!] 
	Parâmetros
	Homens
	Mulheres
	Crianças (6-12 anos)
	Recém-natos
	Hemácias (x106/mm3)
	5,0 ± 0,5 
	4,3 ± 0,5 
	 4,6 ± 0,6 
	6,0 ± 1,0
	Hemoglobina (g/dl)
	15,0 ± 2,0
	13,5 ± 1,5
	13,5 ± 2,0
	18,0 ± 4,0
	Hematócrito (%)
	45,0 ± 5,0
	41,0 ± 5,0
	40,0 ± 5,0
	60,0 ± 15,0
	VCM ((3)
	92,0 ± 9,0
	92,0 ± 9,0
	86,0 ± 9,0
	110 ± 10,0
	HCM (pg)
	29,5 ± 2,5
	29,5 ± 2,5
	29,0 ± 4,0
	34,0 ± 3,0 
	CHCM (g/dl)
	33,0 ± 1,5
	33,0 ± 1,5
	34,0 ± 3,0
	33,0 ± 3,0
	RDW (%)
	12,8 ± 1,2
	12,8 ± 1,2
	12,8 ± 1,2
	12,8 ± 1,2
Hematoscopia eritrocitária: A observação microscópica das hemácias é essencial, e ajuda muito a perceber alterações nas hemácias e definir o tipo de anemia. Essa observação microscópica é feita pelo homem e pode perceber muitas alterações que não podem ser identificadas pela máquina. No entanto, muitos laboratórios recebem tantos pedidos de hemograma por dia que acabam não realizando a hematoscopia.
 
( Analisando as hemácias: 
Hemácias ou eritrócitos normais - São redondos, com pequena variação de tamanho. Possuem uma área central mais pálida devido à biconcavidade. O eritrócito normal tem a forma de um disco bicôncavo. Transporta O2 e CO2.
	 ( Alterações morfológicas principais: 
Hemácia macrocítica (macrocitose): A macrocitose é percebida quando o VCM está elevado e pelo contraste de tamanho, quando houver uma população normocítica ou microcítica concomitante. Ex: na anemia megaloblástica – carência de Vitamina B12 e/ou ácido fólico- temos hemácias macrocíticas.
Hemácia microcítica e hipocrômica (microcitose e hipocrômia): Nessa