A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
43 pág.
RESPONSABILIDADE CIVIL 2

Pré-visualização | Página 11 de 18

o segurador perante o grupo segurado, e é o único 
responsável, para com o segurador, pelo cumprimento de todas as obrigações contratuais. A modificação da 
apólice em vigor dependerá da anuência expressa dos segurados que representem 3/4 do grupo. 
 
O garantia de reembolso de despesas não é objeto do contrato de seguro de pessoas, mas sim do seguro de 
dano às despesas hospitalares ou de tratamento médico, bem como as despesas oriundas de luto e funeral do 
segurado. 
 
13. CONTRATO DE FIANÇA (arts. 818 a 839 do CC) 
 
13.1. Conceito 
 
Trata-se de garantia fidejussória em que um terceiro (fiador) passa a garantir pessoalmente perante o credor a 
dívida do devedor com seu patrimônio, tendo dessa forma uma responsabilidade sem débito. 
 
 
 
 
www.cers.com.br 2
5 
 
13.2. Natureza jurídica 
 
a) Gratuito – quem obtém o benefício deste contrato é o credor, que tem o seu direito de crédito garantido. 
Porém, pode ser oneroso, como no caso da fiança bancária. Nessa última hipótese será aplicada as regras do 
CDC. 
b) Consensual – atende à autonomia da vontade das partes. 
c) Formal – exige, minimamente, documento escrito. 
d) Não solene – não há necessidade de escritura pública. 
e) Obrigação acessória – a sua existência depende de um contrato principal. 
f) Típico – possui previsão legal. 
g) Fiduciário – essencialmente decorre da confiança das partes. 
 
13.3. Seus efeitos e regras 
 
a) As dívidas futuras podem ser objeto de fiança, mas o fiador, nesse caso, não será demandado senão depois 
que se fizer certa e líquida a obrigação do principal devedor (art. 821 do CC). 
b) A fiança poderá abranger a totalidade da dívida (total) ou parte da dívida (parcial), sendo a primeira ilimitada 
e a segunda limitada. 
c) O credor possui o direito de examinar a idoneida-de da fiança, não podendo ser obrigado a aceitá-lo se o 
mesmo não for idôneo, domiciliado no município onde tenha de prestar a fiança, e não possua bens suficientes 
para cumprir a obrigação. 
d) Se houver insolvência do fiador, o credor poderá exigir a sua substituição. 
e) É inerente à fiança o benefício de ordem, qual seja, o fiador exigir que inicialmente seja executado o bem 
do devedor para posteriormente ter o seu patrimônio atingido. 
f) A solidariedade não se presume, decorre da lei ou da vontade das partes, logo inexiste diploma legal dizendo 
que o devedor e o fiador são solidários; se inexistir no contrato, não se poderá presumi-los solidários, pois isso 
violaria a regra legal. 
g) A fiança poderá ser prestada conjuntamente a um só débito, por mais de uma pessoa, importando o 
compromisso de solidariedade entre elas se declaradamente não se reservarem o benefício da divisão, 
respondendo cada fiador unicamente pela parte que proporcionalmente lhe couber no pagamento. 
h) O fiador também tem direito perante o devedor de ser ressarcido de todas as perdas e danos que vier a 
sofrer em razão da fiança. 
i) Poderá o fiador promover o andamento da execu-ção contra o devedor nos casos em que o credor, sem 
justa causa, demorar a executar. 
j) Segundo a doutrina majoritária, a renúncia con-vencional é nula. 
l) A obrigação do fiador passa para os herdeiros, mas fica limitado ao quinhão hereditário (forças da herança). 
m) É o único contrato em que há compensação sem reciprocidade de créditos e débitos, podendo ser 
compensado com o credor o que este deve ao afiançado. 
n) A desoneração de fiador em locação urbana é regulada pelo artigo 40 da Lei n. 8.245/91, em que o fiador 
ainda responde no período de 120 dias após a sua desoneração, enquanto a da lei civil, o fiador ficará obrigado 
por todos os efeitos da fiança, durante 60 dias após a notificação do credor. 
o) Não obstante discussões anteriores acerca da constitucionalidade da penhora do único bem imóvel do 
fiador, o STF pacificou este entendimento acerca da possibilidade, declarando a constitucionalidade do artigo 
3º, inciso VII, da Lei n. 8.009/90. 
 
13.4. Extinção da fiança 
 
São casos de extinção da fiança: 
 
a) resilição unilateral; 
b) morte; 
c) O fiador pode opor ao credor as exceções que lhe forem pessoais e as extintivas da obrigação que 
competem ao devedor principal, se não provierem simplesmente de incapacidade pessoal, salvo o caso do 
mútuo feito a pessoa menor; 
d) o fiador, ainda que solidário, ficará desobrigado se, sem o seu consentimento, o credor conceder moratória 
ao devedor; se por fato do credor, for impossível a sub-rogação nos seus direitos e preferências; se o credor, 
em pagamento da dívida, aceitar amigavelmente do devedor objeto diverso do que este era obrigado a lhe dar, 
ainda que depois venha a perdê-lo por evicção; 
 
 
 
 
www.cers.com.br 2
6 
 
e) em caso de ser invocado o benefício da excussão e o devedor, retardando-se à execução, cair em 
insolvência, ficará exonerado o fiador que o invocou, se provar que os bens por ele indicados eram, ao tempo 
da penhora, suficientes para a solução da dívida afiançada; 
 
QUESTÕES DE CONCURSOS 
 
1. (CESPE – TRT – 5ª Região (BA) – Juiz do Trabalho). Questão 59. Assinale a opção correta com relação 
aos contratos em espécie, regidos pelo direito civil brasileiro. 
 
A) O doador ou o terceiro interessado, na doação com encargo sem estabelecimento de prazo para o 
cumprimento, poderá, na hipótese de inexecução do encargo, notificar judicial ou extrajudicialmente o 
donatário, constituindo-o em mora e revogando a doação. 
B) A obrigação assumida, no depósito voluntário gratuito, é a de guardar a coisa e restituí-la quando o 
depositante a reclame, podendo o depositário fazer uso do bem depositado ou confiá-lo a terceiro, não 
respondendo pela perda do bem em casos fortuitos e de força maior. 
C) O mútuo, contrato real e unilateral, tem como características a temporariedade, a fungibilidade da coisa 
emprestada, a translatividade de domínio do bem emprestado e a obrigatoriedade de restituição de outra coisa 
da mesma espécie, qualidade e quantidade. 
D) No contrato de mandato, com cláusula de irrevogabilidade, a revogação será sempre expressa, não 
sujeitando o mandante a indenização, devendo apenas notificar o mandatário e terceiros, informando-os que o 
mandato foi revogado, sob pena de ter de cumprir as obrigações assumidas perante estes últimos, que de boa-
fé contratem com o mandatário. 
E) Preempção é a disposição contratual segundo a qual o comprador da coisa se obriga a vender o bem ao 
vendedor, pelo preço equivalente ao que foi adquirido, ou de dar em pagamento, para que este use seu direito 
de prelação. 
 
COMENTÁRIOS 
 
De acordo com os artigos 586 e 587 do CC, o mútuo é o empréstimo de coisas fungíveis. O mutuário é obrigado 
a restituir ao mutuante o que dele recebeu em coisa do mesmo gênero, qualidade e quantidade, neste negócio 
jurídico, é transferido o domínio da coisa emprestada ao mutuário, por cuja conta correm todos os riscos dela 
desde a tradição. Portanto, está correta a assertiva de letra C. 
 
2. (TRT 14R - TRT - 14ª Região (RO e AC) - Juiz do Trabalho) O trabalho a terceiros é regulado pelo 
Código Civil, como o é pela Consolidação das Leis do Trabalho, a CLT, aplicando-se esta à relação de 
trabalho que atenda aos requisitos estabelecidos em seus artigos 2° e 3° . Dentre os enunciados abaixo, 
previstos nas condições gerais aplicáveis a prestação de serviços do Código Civil, qual deles mais se 
difere do tratamento dado pela CLT à relação de emprego? 
 
A) O contrato de prestação de serviço acaba com a morte de qualquer das partes. Termina, ainda, pelo 
escoamento do prazo, pela conclusão da obra, pela rescisão do contrato mediante aviso prévio, por 
inadimplemento de qualquer das partes ou pela impossibilidade da continuação do contrato, motivada por força 
maior; 
B) A alienação do prédio agrícola, onde a prestação dos serviços se

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.