O GENETICa hemofilia B
2 pág.

O GENETICa hemofilia B


DisciplinaGenética I16.539 materiais498.000 seguidores
Pré-visualização1 página
Hemofilia B \u2013
Origem Genetica:
A hemofilia B é uma doença com herança recessiva causada por mutação herdada ou adquirida no gene do fator IX ou por inibição adquirida do fator IX. O gene do fator IX está localizado no braço longo do cromossomo X, na banda q27. Ele contém 415 aminoácidos, codifica uma proteína de 33kb e contem 8 enxós e 7 íntrons.
Diversas mutações foram descritas na hemofilia B, incluindo deleções totais ou parciais, mutações missenses, entre outras que resultam na produção diminuída ou ausente de fator IX ou na produção de proteína anormal. O defeito resulta em geração insuficiente de trombina pelos fatores IXa e VIIIa na via intrínseca da cascata de coagulação. Esse mecanismo, em conjunto com o efeito do inibidor de fator tecidual, cria uma grande tendência a sangramento espontâneo (hemorragias). 
A prevalência está estimada em cerca de 1 em 30 000 indivíduos do sexo masculino. A hemofilia afeta principalmente indivíduos do sexo masculino, mas foi também descrita uma forma sintomática de hemofilia B em mulheres portadoras, com um quadro clínico mais leve.
As características clínicas:
A hemofilia B caracterizada pela deficiência na atividade de coagulação do factor IX que resulta na exsudação prolongada após lesões, extrações de dentes, ou cirurgia, recorrente ou retardado sangramento prévio para \u201csarar\u201d feridas. A idade de diagnóstico e a frequência de episódios hemorrágicos estão relacionadas com o nível de actividade de coagulação do factor IX.
*Grave: No caso grave de hemofilia B o sangramento muscular profundo, ou nas articulações, espontâneo é o sintoma mais frequente. Indivíduos com graves hemofilia B são geralmente diagnosticados durante os dois primeiros anos de vida; sem tratamento profilático, eles podem média ter dois a cinco episódios de sangramento espontâneos cada mês. Geralmente a atividade biológica do fator VIII de coagulação é inferior a 1%.
*Moderado: No caso moderado de hemofilia B os indivíduos raramente têm sangramentos espontâneos; porém eles possuem sim um escorrimento prolongado ou atrasado após um trauma relativamente pequeno. Geralmente são diagnosticados antes dos seis ou cinco anos. A frequência de sangramento varia de uma vez por mês a uma vez por ano.
A hemorragia ocorre principalmente em redor das articulações (hemartroses) e nos músculos (hematomas), mas qualquer local pode estar envolvido após traumatismo ou lesão. A hematúria espontânea é um sinal muito característico e frequente da doença.
*Leve: Indivíduos com Hemofília B leve não têm sangramento espontâneo. No entanto, sem tratamento, anormais sangramentos acontecem com cirurgias, extrações dentárias, e ferimentos graves. A frequência de sangramento pode variar de uma vez ao ano, para a cada 10 anos. Indivíduos com Hemofilia B leve são frequentemente diagnosticados apenas na vida adulta, quando eles realizam alguma cirurgia, extração dentária ou sofrem algum trauma.
Sobre as mulheres portadoras: Mulheres portadoras do fator IX com a atividade de coagulação menor que 30% possuem o risco comparado ao que se observa em homens diagnosticados com a Hemofilia B leve. No entanto, sangramentos anormais mais sutis podem ocorrer nas linhas de base do fator IX de atividade coagulativa de níveis entre 30% e 60%. 
Bibliografia:
http://www.orpha.net/consor/cgi-bin/OC_Exp.php?lng=PT&Expert=98879 (Orpha)
http://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK1495/ (NCBI)
http://www.centrodegenomas.com.br/m444/testes_geneticos/hemofilia_b_-_sequenciamento_do_gene_f9 (Centro de Genomas)