A Lei dos 3 Estados - Comte
7 pág.

A Lei dos 3 Estados - Comte


DisciplinaFundamentos das Ciências Sociais12.012 materiais141.519 seguidores
Pré-visualização2 páginas
ISMT - Instituto Superior Miguel Torga 
1º Ano na licenciatura de Comunicação Empresarial 
História das Ideias Sociais 
Docente: J.H. Dias 
2009/2010 
Cláudia Mota \u2013 nº 8596 
 
 
\u201cA Lei dos Três Estados\u201d 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Resumo: 
A lei dos três estados (teológico, metafísico e positivo) é sem dúvida um estado de 
espírito. Mas a verdade é que não se pode pensar sem um sistema qualquer e este 
corresponde a um movimento natural compreendido por todos. 
Os três estados: 
Teológico: o estado onde Deus está presente em tudo, as coisas acontecem por causa da 
vontade dele.Metafísico: no qual a ignorância da realidade e a descrença num Deus todo 
poderoso levam a crer em relações misteriosas entre as coisas, nos espíritos, como 
exemplo.Positivo: a humanidade busca respostas científicas todas as coisas. Este estado 
ficou conhecido como Positivismo. 
 
Introdução 
 A Lei dos Três Estados é uma obra de Auguste Comte, em que este elaborou uma 
classificação da história da humanidade nos seguintes estados em ordem cronológica: o 
teológico, o metafísico e o positivo. Segundo o Filósofo, cada passo desse desenvolvimento 
cronológico pressupõe o anterior. No estado teológico, o espírito humano vive num universo 
natural e sobrenatural, no qual impera o fetichismo. No estado metafísico, simples 
modificação geral do primeiro, substituem-se as forças sobrenaturais pelas abstracções. Por 
fim, no estado positivo, o espírito humano passa a valorizar o raciocínio lógico em vez do 
metafísico-abstracto e tenta explicar os factos com base em leis objectivas, não mais 
recorrendo a elementos da natureza ou deuses, nem a leis do ser em geral. De maneira geral, 
podemos dizer que o estado teológico e o metafísico se caracterizam, quanto ao método, 
pelo domínio fundamental da imaginação sobre a observação e, quanto à doutrina, pela 
pesquisa exclusiva de noções absolutas. O primeiro estado corresponderia à imaginação; o 
segundo, à argumentação; o terceiro, à observação. O estado positivo é a idade industrial 
regida pelos interesses económicos. O Positivismo instaura as ciências como pesquisa 
daquilo que é determinado, certo e útil. A forma de governo que corresponde ao estado 
positivo é a república ditatorial ou científica. Há, então, uma passagem do poder. 
 
 
O Autor 
Nascido em Montpellier, no dia 19 de Janeiro de 1798, no Sul da França, Auguste 
Comte desde cedo revelou uma grande capacidade intelectual e uma prodigiosa memória. O 
seu interesse pelas ciências naturais era conjugado pelas questões históricas e sociais. 
Durante 7 anos foi secretário do conde Henri de Saint-Simon, expoente do socialismo 
utópico. Devido à apropriação dos escritos dos seus discípulos Comte rompeu com ele, 
passando a desenvolver autonomamente suas reflexões. Recuperando de um colapso 
nervoso por motivos conjugais, mergulhou na redacção do Curso de filosofia positiva, que 
lhe tomou doze anos. Em 1842, por criticar a corporação universitária francesa, perdeu o 
emprego de examinador de admissão à Escola Politécnica e começou a ser ajudado por 
admiradores, como o pensador inglês John Stuart Mill. Entre 1851 e 1854 Comte redigiu o 
Sistema de política positiva, em que extraiu algumas das principais consequências de sua 
concepção de mundo \u201cnão teológico\u201d e \u201cnão metafísico\u201d propondo uma interpretação pura e 
plenamente humana para a sociedade e sugerindo soluções para os problemas sociais. Em 
1856, publicou o livro Síntese subjectiva, primeiro e único volume de uma série de quatro 
dedicados a tratar de questões específicas das sociedades humanas: lógica, indústria, 
pedagogia, psicologia. Auguste Comte, vem a falecer em Paris, um ano depois, 
possivelmente de cancro, no dia 5 de Setembro. 
 
Breve resenha Histórica 
Em pleno século XIX, no período em questão sob os golpes dos Aliados, o Império 
Francês desmoronou (1814), e a França reencontrou suas fronteiras de 1792. Depois da 
queda de Bonaparte, os Bourbons reinstalaram-se no trono - Luís XVIII (1814-1824), 
Carlos X (1824-1830) - apesar de uma breve tentativa de restabelecimento do Império (os 
Cem Dias, 1815). Auguste Comte, nesta época tratou algumas fórmulas fundamentais: 
"Tudo é relativo, eis o único princípio absoluto" (1819) e "Todas as concepções humanas 
passam por três estádios sucessivos - teológico, metafísico e positivo -, com uma velocidade 
proporcional à velocidade dos fenómenos correspondentes" (1822), a então estudada \u201cLei 
dos Três Estados\u201d. 
 
 
 
A Filosofia Positiva de Comte 
A filosofia positiva de Comte nega que a explicação dos fenómenos naturais, assim 
como sociais, provenha de um só princípio. A visão positiva dos factos abandona a 
consideração das causas dos fenómenos (Deus ou natureza) e pesquisa suas leis, vistas como 
relações abstractas e constantes entre fenómenos observáveis. 
Adoptando os critérios histórico e sistemático, outras ciências abstractas antes da 
Sociologia, segundo Comte, atingiram a positividade: a Matemática, a Astronomia, a Física, 
a Química e a Biologia. Assim como nessas ciências, na \u201csua\u201d ciência inicialmente chamada 
de física social e posteriormente Sociologia, Comte viria a usar a observação, a 
experimentação, da comparação e a classificação como métodos para a compreensão da 
realidade social. Comte afirmou assim que os fenómenos sociais podem e devem ser 
percebidos como os outros fenómenos da natureza, sendo que, sempre insistiu e argumentou 
que isso não equivale a reduzir os fenómenos sociais a outros fenómenos naturais. Em 1852 
Comte instituiu uma sétima ciência, a Moral, cujo âmbito de pesquisa é a constituição 
psicológica do indivíduo e suas interacções sociais. Pode-se dizer que o conhecimento 
positivo busca "ver para prever, a fim de prover" - ou seja: conhecer a realidade para saber o 
que acontecerá a partir de nossas acções, para que o ser humano possa melhorar sua 
realidade. Dessa forma, a previsão científica caracteriza o pensamento positivo. O espírito 
positivo, segundo Comte, tem a ciência como investigação do real. No social e no político, o 
espírito positivo passaria o poder espiritual para o controle dos "filósofos positivos", cujo 
poder é, nos termos Comtianos, exclusivamente baseado nas opiniões e no aconselhamento, 
constituindo a sociedade civil e afastando-se a acção política prática desse poder espiritual. 
O método positivo, em termos gerais, caracteriza-se pela observação. Devendo-se perceber 
cada tipo de fenómeno tem suas particularidades, de modo que o método específico de 
observação para cada fenómeno será diferente. Para além disso, a observação conjuga-se 
com a imaginação: ambas fazem parte da compreensão da realidade e são igualmente 
importantes, mas a relação entre ambas muda quando se passa da teologia para a 
positividade. Assim, para Comte, não é possível fazer ciência sem a imaginação. 
 
 
 
 
Essência da Obra e Seus Antecedentes 
O alicerce fundamental da obra Comtiana é, indiscutivelmente, a "Lei dos Três 
Estados", tendo como precursores nessa ideia seminal os pensadores Condorcet e, antes 
dele, Turgot. Segundo o marquês de Condorcet, a humanidade avança de uma época bárbara 
e mística para outra civilizada e esclarecida, em melhoramentos contínuos e, em princípio, 
infindáveis - sendo essa marcha o que explicaria a marcha da história. A partir da percepção 
do progresso humano, Comte formulou a Lei dos Três Estados. Observando a evolução das 
concepções intelectuais da humanidade, Comte percebeu que essa evolução passa por três 
estados teóricos diferentes, como já referi anteriormente: o estado 'teológico' ou 'fictício',
Giulia
Giulia fez um comentário
Olá, você autoriza a utilização para um trabalho?
1 aprovações
Edna
Edna fez um comentário
adorei!!
0 aprovações
Lucinete
Lucinete fez um comentário
expliquei o que significa a lei dos três estados, criado por Augusto Comte
12 aprovações
Carregar mais