A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
14 pág.
Aula 05   Inst de esgoto (dimensionamento)

Pré-visualização | Página 1 de 2

Aula 05 – Inst prediais de esgoto sanitário 
(dimensionamento)
ago-17
1
Instalações Hidráulica
Aula 05 – Instalações prediais de esgotos sanitários (dimensionamento)
Prof. Eng. Diogo Jucemar
Dimensionamento das tubulações
� As vazões de água servidas (esgotos) que escoam pelas tubulações
são variáveis em função das contribuições (UHC) de cada um dos
aparelhos. A Unidade Hunter de Contribuição (UHC) é um número
que representa a contribuição de esgotos dos aparelhos sanitários
em função da sua utilização habitual. Cada aparelho sanitário
possui um valor de UHC especifico, conforme pode ser visto na
Tabela 02, fornecida pela norma NBR 8160.
� 1 UHC = vazão de 28 l / min.
Prof. Eng. Diogo Jucemar
Aula 05 – Instalações prediais de esgotos sanitários (dimensionamento)
02/28
Aula 05 – Inst prediais de esgoto sanitário 
(dimensionamento)
ago-17
2
Dimensionamento das tubulações
� O dimensionamento das canalizações e bastante simples. As
tubulações tem diâmetro dependente do número total de UHC
associadas aos aparelhos sanitários a que servirem. A NBR 8160 fixa
os valores dessas unidades para os aparelhos mais comumente
utilizados. A bacia sanitária, por exemplo, possui maior vazão que o
lavatório. Dessa maneira, entende-se que, para vazões maiores,
teremos maiores diâmetros. .
Prof. Eng. Diogo Jucemar
Aula 05 – Instalações prediais de esgotos sanitários (dimensionamento)
03/28
Dimensionamento das tubulações
� Assim, com base na contribuição de cada aparelho e nas
declividades preestabelecidas, dimensiona-se todo o sistema.
� Como o sistema de esgoto funciona por gravidade, as declividades
devem ser especificadas em projeto. Em geral, adota-se declividade
mínima de 2% para tubulações com diâmetro nominal igual ou
inferior 75 mm; 1% para tubulações com diâmetro nominal igual ou
superior a 100mm, com exceção dos casos previstos na tabela de
coletores e subcoletores da NBR 8160.
� Isso faz com que, em pavimentos sobrepostos, exista a necessidade
de prever uma altura adequada de pé-direito para a colocação de
forros, para esconder as tubulações sob a laje do andar superior.
Prof. Eng. Diogo Jucemar
Aula 05 – Instalações prediais de esgotos sanitários (dimensionamento)
04/28
Aula 05 – Inst prediais de esgoto sanitário 
(dimensionamento)
ago-17
3
Aparelhos sanitários
Prof. Eng. Diogo Jucemar
Aula 05 – Instalações prediais de esgotos sanitários (dimensionamento)
Tabela 02 – UHC dos aparelhos sanitários e diâmetro nominal dos ramais de descarga 
Aparelho sanitário Número de UHC
Diâmetro nominal mínimo do 
ramal de descarga
Bacia sanitária 6 100
Banheira de residência 2 40
Bebedouro 0,5 40
Bidê 1 40
Chuveiro
De residência 2 40
Coletivo 4 40
Lavatório
De residência 1 40
De uso geral 2 40
Mictório
Válvula de descarga 6 75
Caixa de descarga 5 50
Descarga 
automática
2 40
De calha 2 50
Pia de cozinha residencial 3 50
Pia de cozinha 
industrial
Preparação 3 50
Lavagem (panelas) 4 50
Tanque de lavar roupa 3 40
Maquina de lavar louça 2 50
Maquina de lavar roupa 3 50
05/28
Aparelhos sanitários
Prof. Eng. Diogo Jucemar
Aula 05 – Instalações prediais de esgotos sanitários (dimensionamento)
Tabela 03 – Aparelhos não relacionados na tabela 02.
Diâmetro nominal mínimo do ramal de 
descarga
Número de UHC
40 2
50 3
75 5
100 6
06/28
Aula 05 – Inst prediais de esgoto sanitário 
(dimensionamento)
ago-17
4
Exemplo 01:
� Dimensione o ramal de descarga de um lavatório de uma escola e
sua declividade?
De acordo com a tabela 02.
UHC = 2 → D=40mm
D= 40<75 → 2%
Prof. Eng. Diogo Jucemar
Aula 05 – Instalações prediais de esgotos sanitários (dimensionamento)
07/28
Ramais de esgoto
Prof. Eng. Diogo Jucemar
Aula 05 – Instalações prediais de esgotos sanitários (dimensionamento)
Tabela 04 – Dimensionamento de ramais de esgoto
Diâmetro nominal mínimo do ramal de 
esgoto
Número de UHC
40 3
50 6
75 20
100 160
08/28
Aula 05 – Inst prediais de esgoto sanitário 
(dimensionamento)
ago-17
5
Ramais de esgoto
Prof. Eng. Diogo Jucemar
Aula 05 – Instalações prediais de esgotos sanitários (dimensionamento)
Tabela 05 – Diâmetro mínimo dos ramais de esgoto
Quantidade de aparelhos Diâmetro (DN)
Banheiros
Com 2 aparelhos sem banheira 40
Com 3 aparelhos sem banheira 50
Com banheira e mais aparelhos 75
Cozinha (do sifão até a caixa de gordura)
Com pia de 1 cuba 50
Com pia de 2 cubas 50
Lavanderias
Com 1 tanque 40
Com taque e 2 cubas 50
Com máquina de lavar roupas 75
Com máquinas de lavar roupas e tanque 75
09/28
Exemplo 02:
� Dimensione o ramal de esgoto de banheiro de um edifício
residencial, com os seguintes aparelhos:
� 1 Lv → UHC=1
� 1 Ch → UHC=2
� 1 Bi → UHC=1
� Total → UHC=4
De acordo com a tabela 04.
UHC = 4 → D=50mm
Prof. Eng. Diogo Jucemar
Aula 05 – Instalações prediais de esgotos sanitários (dimensionamento)
10/28
Aula 05 – Inst prediais de esgoto sanitário 
(dimensionamento)
ago-17
6
Caixas sifonadas
� As caixas sifonadas devem ter as seguintes características mínimas:
a) ser de DN 100, quando receberem efluentes de aparelhos
sanitários até o limite de 6 UHC;
b) ser de DN 125, quando receberem efluentes de aparelhos
sanitários até o limite de 10 UHC;
c) ser de DN 150, quando receberem efluentes de aparelhos
sanitários até o limite de 15 UHC.
� O ramal de esgoto da caixa sifonada deve ser dimensionado
conforme indicado na tabela 4.
Prof. Eng. Diogo Jucemar
Aula 05 – Instalações prediais de esgotos sanitários (dimensionamento)
11/28
Exemplo 03:
� Dimensione a caixa sifonada do banheiro de um edifício residencial,
com os seguintes aparelhos:
� 1 Lv → UHC=1
� 1 Ch → UHC=2
� 1 Bi → UHC=1
� Total → UHC=4
UHC = 4 → D=100mm
Prof. Eng. Diogo Jucemar
Aula 05 – Instalações prediais de esgotos sanitários (dimensionamento)
12/28
Aula 05 – Inst prediais de esgoto sanitário 
(dimensionamento)
ago-17
7
Tubos de queda
Prof. Eng. Diogo Jucemar
Aula 05 – Instalações prediais de esgotos sanitários (dimensionamento)
Tabela 06 – Dimensionamento de tubos de queda
Diâmetro nominal do tubo
Número máximo de UHC
Prédio de até três 
pavimentos
Prédio com mais de 
três pavimentos
40 4 8
50 10 24
75 30 70
100 240 500
150 960 1900
200 2200 3600
250 3800 5600
300 6000 8400
13/28
Exemplo 04:
Prof. Eng. Diogo Jucemar
Aula 05 – Instalações prediais de esgotos sanitários (dimensionamento)
14/28
� Dimensione o tubo de queda de um edifício residencial, com 14
pavimentos, com os seguintes aparelhos:
� 1 Lv → UHC=1
� 1 Ch → UHC=2
� 1 Bi → UHC=1
� 1 Bs → UHC=6
� Total → UHC=10/ pavimento x 14 pavimentos → UHC=140
De acordo com a tabela 06 (prédio com mais de 3 pavimentos).
UHC = 144 → D=100mm
Aula 05 – Inst prediais de esgoto sanitário 
(dimensionamento)
ago-17
8
Exemplo 05:
Prof. Eng. Diogo Jucemar
Aula 05 – Instalações prediais de esgotos sanitários (dimensionamento)
15/28
� Dimensione o tubo de queda de um edifício comercial, com 20
pavimentos, com os seguintes aparelhos:
� 5 Lv → UHC=5x2=10
� 5 Bs → UHC=5x6=30
� 3 Mc com descarga automática → UHC=3x2=6
� Total → UHC=46/ pavimento x 20 pavimentos → UHC=920
De acordo com a tabela 06 (prédio com mais de 3 pavimentos).
UHC = 920 → D=150mm
Coletor predial e Subcoletores
� O coletor predial e os subcoletores podem ser dimensionados pela
somatória das UHC conforme os valores da tabela 7. O coletor
predial deve ter diâmetro nominal mínimo DN 100.
� No dimensionamento do coletor predial e dos subcoletores em
prédios residenciais,