Projeto de Pesquisa- deficiência visual
12 pág.

Projeto de Pesquisa- deficiência visual


DisciplinaProjetos1.074 materiais5.909 seguidores
Pré-visualização2 páginas
\ufffdPAGE \ufffd11\ufffd
 UNIVERSIDADE PAULISTA
 UNIP
 SERVIÇO SOCIAL
 PROJETO DE PESQUISA BIBLIOGRÁFICA
DEFICIÊNCIA VISUAL: ACESSIBILIDADE E INCLUSÃO SOCIAL
 GOIANIA-GO
 AGOSTO/2017
 SUMÁRIO 
 TÍTULO
 
1- INTRODUÇÃO.......................................................................
2- OBJETIVOS.............................................................................
2.1-OBJETIVO GERAL
2.2-OBJETIVO ESPECÍFICO
3- JUSTIFICATIVA.......................................................................
4- BASE TEÓRICA................................................................
5- METODOLOGIA......................................................................
6- CRONOGRAMA.......................................................................
7- ORÇAMENTO.........................................................................
8 - BIBLIOGRAFIA 
\ufffd
1-INTRODUÇÃO 
 
 O assistente social trabalha com as expressões da questão social e a Deficiência visual se torna o foco de trabalho desse profissional à partir do momento que a pessoa portadora de deficiência visual fica à margem da sociedade, é excluída, não tem acessibilidade, seus direitos são violados e as políticas públicas para essa parcela da sociedade são escassas e nem sempre são efetivadas. Será abordado nesse trabalho conceitos sobre a deficiência visual, sobre as formas de acessibilidade, sobre a inclusão social e sobre as Políticas Públicas existentes para a pessoa portadora de deficiência visual. A metodologia utilizada consiste na pesquisa bibliográfica, uso de legislações, livros e artigos científicos, também levamos em consideração as experiências vivenciadas no Campo de Estágio Curricular, uma vez que, não existe teoria sem a prática. Os resultados desse estudo indicam que a falta de acessibilidade e de inclusão social do deficiente visual estão fortemente relacionados à pobreza, que houve um pequeno avanço nas políticas públicas para essa demanda e que existe também o início de um trabalho de inclusão social, mas que ainda esta muito distante de se obter o mínimo para garantir direitos para essa parcela da população. Há muito ainda para ser pesquisado, questionado e efetivado para garantir inclusão social e acessibilidade para a pessoa portadora de deficiência visual e o assistente social é o profissional com conhecimentos técnicos operativos, teórico metodológico capaz para atender as vulnerabilidades e viabilizar os direitos da pessoa portadora de deficiência social.
 
Título: DEFICIÊNCIA VISUAL: ACESSIBILIDADE E INCLUSÃO SOCIAL
2- OBJETIVOS 
2.1 \u2013 OBJETIVO GERAL 
 - Ampliar os conhecimentos sobre a deficiência visual, as formas de acessibilidade , a inclusão social e as políticas sociais destinadas a pessoa portadora de deficiência visual.
- Conhecer para intervir nas diversas expressões da questão social-deficiência visual-objetivando a viabilização de direitos, uma vida digna e feliz para a pessoa com deficiência visual
2.2 \u2013 OBJETIVOS ESPECÍFICOS
- Conhecer as atribuições do Assistente Social no campo que envolve a Deficiência visual,
- Reunir informações sobre os tipos de deficiência visual total ou parcial,
- Identificar as diversas formas de acessibilidade que tornam possíveis melhorar as condições de vivência do deficiente visual,
- Conhecer as formas de inclusão social da pessoa portadora de deficiência visual
- Abordar o trabalho do assistente social como viabilizador de direitos da pessoa portadora de deficiência visual que se encontra em vulnerabilidade social
	
\ufffd
3- JUSTIFICATIVA 
 Diante das vulnerabilidades vivenciadas pelo deficiente visual, diante da falta ou da pouca acessibilidade, da exclusão social, da falta ou ineficácia de Políticas Sociais para a pessoa portadora de deficiência visual, sentiu-se a vontade e a necessidade de se explorar esse campo de trabalho, no qual o Assistente Social está inserido, executando seu trabalho que é primordial para a resolução ou amenização dessa expressão da questão social.
\ufffd
6
 4- BASE TEÓRICA 
 
 De acordo com o Decreto 3.298, de 20/12/1999, pessoa portadora de deficiência é aquela que apresenta, em caráter permanente, perda ou anormalidade de uma estrutura ou função psicológica, fisiológica ou anatômica que gere incapacidade para o desempenho de atividade, dentro do padrão considerado normal.
 Uma pessoa é considerada portadora de deficiência visual quando apresenta acuidade visual igual ou menor que 20/200 no melhor olho, após a melhor correção, ou campo visual inferior a 20º (tabela de Snellen), ou ocorrência simultânea de ambas as situações (art. 3º, I e II, combinado com art. 4º, III).
 Paz (2006: p20) oferece uma explicação detalhada sobre o que vem a ser a deficiência visual. Segundo o autor, ela: \u201c ...é aquela na qual a acuidade visual é igual ou menor que 0,05 no melhor olho, com a melhor correção óptica; baixa visão, que significa acuidade visual entre 0,3 e 0,05 no melhor olho, com a melhor correção óptica; os casos nos quais a somatória da medida do campo visual em ambos os olhos for igual ou menor que 60º; ou ocorrência simultânea de quaisquer das condições descritas.\u201d
 Pensando na pessoa portadora de deficiência, o assistente social e consultor de reabilitação Romeu Kazumi Sassaki discute os conceitos inclusivistas, aborda a inclusão na escola, na saúde, no mercado de trabalho, nos esportes, nas artes e no turismo. O autor analisa o desenho universal para ambientes físicos e também as leis e políticas integracionistas e inclusivas. Sobre a inclusão ele expõe que: \u201c O processo pelo qual a sociedade se adapta para poder incluir, em seus sistemas sociais gerais, pessoas com necessidades especiais e, simultaneamente, estas se 
preparam para assumir seus papéis na sociedade. A inclusão social constitui, então, um processo bilateral no qual as pessoas, ainda excluídas e a sociedade buscam, em parceria, equacionar problemas, decidir sobre soluções e efetivar a equiparação de oportunidade para todos\u201d. (SASSAKI, 1997, p.3) 
 No que diz respeito as diversas formas de exclusão, Castells (1998), Lopes (2006) e Proença (1998) apud Borba e Lima (2011) elucidam que esse processo de exclusão social é decorrente do distanciamento \u201c da sociedade contemporânea das propostas políticas de bem-estar, proporciona situações de vulnerabilidade social que fragilizam a sociedade. Este tipo de vulnerabilidade provoca a exclusão social\u201d.
 A acessibilidade é definida pela Lei 10.098, de 19/12/2000, como a \u201cpossibilidade e condição de alcance para utilização, com segurança e autonomia, dos espaços, mobiliários e equipamentos urbanos, das edificações, dos transportes e dos sistemas e meios de comunicação, por pessoa portadora de deficiência ou com mobilidade reduzida\u201d (art. 2º, I), é uma importante garantia de que os cidadãos nessa condição possam exercer o seu direito de ir e vir e viver normalmente em sociedade.
 Nesse contexto de exclusão e falta de acessibilidade, as políticas públicas são criadas como resposta do Estado à essas demandas sociais. Segundo Pereira, pode se entender a política pública como: \u201clinha de ação coletiva que concretiza direitos sociais declarados e garantidos em lei. É mediante as políticas públicas que são distribuídos ou redistribuídos bens e serviços, em resposta às demandas da sociedade. Por isso, o direito que as fundamenta é um direito coletivo e não individual.( Pereira, citada