A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
15 pág.
RESUMO DE RITMO E DANÇA 2

Pré-visualização | Página 2 de 5

elemento do ritmo. É a batida, marcação de um ritmo. 
Pulso: mensurável / divide o tempo em partes iguais/ mata a dinâmica do movimento.
Ritmo: imensurável/ estrutura o tempo em partes semelhantes/ dinamiza o movimento.
COMPASSO: é a pulsação rítmica da música que se repete regularmente, dividindo-a em partes iguais, em sequência de dois, três, quatro ou mais tempos. Os compassos representam a métrica, ou seja, a ordem e a medida do ritmo.
Compasso binário: também representado como 2/4, vai agrupar os tempos de dois em dois. O primeiro tempo é mais forte, ficando assim: um tempo forte e um tempo fraco. Um exemplo prático é a marcha de um soldado militar (um, dois – um dois). 
Compasso ternário: agrupa os tempos de três em três (3/4): um tempo forte e dois fracos. Temos como exemplo de estilo musical a valsa. 
Compasso quaternário: Nesse compasso, os tempos são agrupados de quatro em quatro. Sua forma é representada do seguinte modo: um tempo mais forte, um fraco, um meio forte e um fraco. Podemos exemplificar o compasso quaternário através da grande maioria das músicas. Essa é a forma de compasso mais comum em uma composição musical.
Os compassos mais empregados nos ritmos brasileiros são o compasso binário (2/4) e o compasso quaternário (4/4).
FRASE MUSICAL: A frase musical é a formação de pulsos e compassos.
A frase musical ocorre dentro de uma cadência, e quando esta é interrompida ou alterada de alguma forma, temos o início de uma frase musical.
As dicas para observar na música o começo de uma nova frase seriam: • a entrada de um instrumento; • uma voz; • uma quebra brusca da cadência.
BLOCO MUSICAL: pode ser representado através de algumas variações: 
• 32 tempos (pulsos) ou; • quatro frases musicais ou; • 4 x 8 = 32 tempos.
Em suma, partimos do elemento chamado pulso, e é através dele que formamos os compassos. Da união de dois compassos, criamos a frase musical; da composição de quatro frases musicais, montamos o bloco musical.
ANDAMENTO: Manter o andamento significa conservar o ritmo vivo e presente, ou seja, poder tocar uma música sem acelerar ou retardar a marcação rítmica.
É notório que cada música possui uma velocidade, isso é o andamento musical. A maior ou menor velocidade de uma música é apresentada como vagarosa, moderada ou rápida. Sua medida é feita por BPM (batidas por minuto)
METRÔNOMO: equipamento que auxiliá-lo a medir o número de batidas por minuto em qualquer tipo de pulsação rítmica, músicas, palmas etc., exibindo o resultado em bpm.
PAUSA MUSICAL: A ausência de som denominamos pausa musical. As pausas são períodos na música em que o reconhecimento do início da frase e do bloco musical é mais fácil.
ACENTO MUSICAL: Imaginemos uma música tocando e você identificando o pulso dela. Quando isso acontecer, repare que sempre haverá pulsos que apresentam uma batida mais forte do que outros. Esses pulsos com maiores intensidades são os acentos musicais.
ATO DE OUVIR, SOM E SUAS CARACTERÍSTICAS: Ouvir é a percepção dos sons pelo ouvido e é um ato sensorial. Todo o processo de interpretar corporalmente determinado ritmo através do ato de ouvir passa agora pelo processo de escutar, ou seja, o processo de escutar representa dar verdadeira atenção ao que se escuta. Isso nos permite ter maior consciência sobre o som, compreensão mais elevada sobre a real proposta e, consequentemente, maior aprendizado do que se ouve.
SOM: “a origem da palavra som é do latim sonus, que significa a vibração de um corpo percebida pelos ouvidos, ou energia sob a forma de vibrações chamadas ondas sonoras”.
 O som depende, principalmente, do ar, e possui três qualidades: altura, intensidade e timbre.
Altura: é fixada pelo número de vibrações emitido por ondas sonoras em determinados intervalos de tempo. Podendo apresentar um menor número de vibrações, tornando o som grave, ou exibir um maior número de vibrações, tornando o som agudo.
Intensidade: A intensidade é a distinção entre os sons fortes e fracos. Ela será determinada pela energia emitida pela fonte sonora: quanto maior a energia emitida, maior será a altura do som; quanto menor for a energia, menor será a altura do som. Outra percepção que teremos da intensidade dependerá também da distância entre a pessoa e o objeto que emite o som.
Decibéis(dB): A unidade de medida sonora. Dependendo da duração à exposição, 85 dB já é uma intensidade que pode vir a comprometer a audição.
Timbre: é o grande responsável em reconhecer a origem do som. De forma precisa, ele nos permite identificar o som de instrumentos musicais específicos. Através do timbre, conseguimos reconhecer uma voz humana, inclusive quem está falando, pois, cada pessoa apresenta um timbre peculiar.
DURAÇÃO: é o intervalo de tempo em que ocorre a produção do som. Existem possibilidades em manter o som por uma duração longa ou curta. Um exemplo comum é o assobio.
MÚSICA: a música exerce forte influência sobre nós, desencadeando diversas emoções. A linguagem musical possui elementos de forte relação com a linguagem corporal. Dentre as propostas nas quais a música se manifesta, representa grande significado na prática dos exercícios físicos, afinal, a vibração animada da música estimula o movimento a ser executado.
A música é expressa através do som, e o ritmo é a matéria-prima da música, exibindo força e energia, ora forte, ora fraca, entre os tempos que se seguem.
O ritmo é a combinação de valores que se encontram em determinada ordem e que definem o gênero da música. 
Além do ritmo, outros dois componentes básicos da música são a melodia e a harmonia.
Melodia: Em música, a melodia consiste na emissão linear de sons apoiados no ritmo. Toda melodia é apresentada por combinações de tons altos e baixos, graves e agudos, fortes e fracos, de intensidade alta ou baixa, criando uma variedade imensa de ritmos.
Harmonia: é a ciência de combinar notas em um conjunto coerente, sons tocados ao mesmo tempo, para a percepção do todo. É usada para designar o que se refere à formação de “acordes” – complexos sonoros resultantes da emissão simultânea de sons de diferentes frequências, blocos de notas tocadas ao mesmo tempo.
LEITURA MUSICAL: A orquestra interpreta as músicas por meio das partituras. Com elas, os músicos podem ler as notas musicais. Estas são representadas por símbolos universais lidos em qualquer país, auxiliando a identificar a duração em que ocorre o som da música.
PAUSAS: semibreve; mínima; semínima; colcheia.
MAPEAMENTO MUSICAL: é uma excelente ferramenta para ajudá-lo a compreender como uma música foi montada. Pode auxiliar na montagem de uma sequência de movimentos, o que na área de dança chama-se coreografia. O mapeamento trabalha basicamente com a divisão dos compassos (quaternário, ternário e binário). Indica quantos compassos existem na música e quais outros elementos podemos encontrar na estrutura musical, por exemplo, pausas, acentos, entre outros.
Um dos requisitos básicos ao elaborar um mapeamento musical e montar uma coreografia é escutar várias vezes a música. É preciso saber onde começam e terminam as partes fortes e fracas da música.
Variações de contagem musical em aulas coletivas:
• 1/1: utiliza quatro tempos da música para execução de um movimento completo. Para direcionar os alunos, poderá dizer: “direto! Sobe e desce”. 
• 2/2: emprega oito tempos da música para realização de um movimento completo. Assim, em uma frase musical, você fará um movimento completo. Ao motivar os alunos, poderá ordenar: “desce em dois (quatro tempos) e sobe em dois (quatro tempos) ”. 
• 3/1: aplica quatro tempos da música para produção de um movimento completo. Então, em uma frase musical, você fará dois movimentos completos. Você poderá se dirigir aos seus alunos da seguinte maneira: “Desce em três e sobe em um”. 
• 1/3: utiliza quatro tempos da música para operação de um movimento completo. Então, haverá o seguinte comando: “Desce em um e sobe em três”. 
• 4/4: opera com 16 tempos da música para aplicação de um movimento completo. Poderá chamar

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.