A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
8 pág.
Apol Diversidade e Resistencia Artes Visuais

Pré-visualização | Página 1 de 3

Questão 1/10 - Artes Visuais, História e Sociedade: Brasil
Leia o fragmento de texto a seguir: 
“Entre 1882 e 1887 Rodolfo Amoedo [...] desfrutou de uma bolsa para estudar em Paris, onde foi aluno de dois importantes nomes daquele circuito. Um era Alexandre Cabannel, nome dos mais reconhecidos, influentes e bem sucedidos pintores acadêmicos. O outro era Puvvis de Chavanne, pintor de formas elegantes e perspectiva simplificada, admirado por Gauguin, Seurat e Lautrec [...]. Crítico contundente dos coloristas, especialmente pintores de paisagens e naturezas-mortas, com a mudança de regime político [Amoedo] seguiu sendo professor da Escola Nacional de Belas Artes”. 
Após esta avaliação, caso tenha interesse em ler o texto integral, ele está disponível em: CHEREM, Rosângela Miranda. Rodolfo Amoedo e as experimentações acadêmicas. Anais do XIII Encontro de História ANPUH-Rio, 2008, p. 2.
 
Fonte: AMOEDO, Rodolfo. Más notícias, óleo sobre tela 100 x 74 cm, 1895. Acervo Museu Nacional de Belas Artes. 
De acordo com o fragmento acima e o conteúdo do livro-base Diversidade e Resistência: a construção de uma arte brasileira, em relação à produção de Rodolfo Amoedo, é correto afirmar que:
	
	A
	Amoedo foi leitor de Baudelaire e decisivo para introduzir questões de modernidade
 na arte no Brasil, como a estrutura formal da composição e a visão vanguardista do artista.
	
	B
	Ocupou uma das cadeiras mais importantes da Escola Nacional de Belas Artes 
por ser um professor que seguia à risca os moldes acadêmicos tradicionais e por
ser considerado conservador.
	
	C
	Suas preferências estéticas ficaram em Paris; chegando ao Brasil, repetiu o modelo de
 ensino que aprendeu na Academia Imperial.
	
	D
	A obra Más Notícias foi censurada pelo tratamento formal dado à cor, à pincelada, e ao 
desenho desestruturado através da referência cubista.
	
	E
	O artista foi radical, trazendo ao país vertentes mais vanguardistas da arte, 
como o abstracionismo e o dadaísmo.
Questão 2/10 - Artes Visuais, História e Sociedade: Brasil
Considere o extrato de texto e a imagem a seguir: 
“Foi quando entrou para o importante e influente círculo de amizades da alta intelectualidade da época que Portinari deslanchou na carreira e assumiu gradativamente o estilo moderno. Mário Pedrosa afirma que a passagem do pintor para o modernismo e sua ruptura com o academicismo foi lenta e gradual, feita de forma segura”.  
Após esta avaliação, caso tenha interesse em ler o texto integral, ele está disponível em: ARÊDES, Ana Carolina Machado. Os traços modernistas da pintura de Candido Portinari. Revista Contemporâneos, UFABC/Lepcon, n.3, p. 1-28, nov. /abr., 2009, p. 18. 
Fonte: PORTINARI, Cândido. Retrato de Getúlio Vargas, óleo sobre tela, 77 x 61 cm, 1938. Acervo Centro Cultural do Banco do Brasil, Rio de Janeiro. Disponível em: http://www.portinari.org.br/#/acervo/obra/1171. Acesso em 03 de abr. 2017. 
De acordo com o fragmento do texto, a imagem e o conteúdo do livro-base Diversidade e Resistência: a construção de uma arte brasileira, sobre a obra Retrato de Getúlio Vargas, de Cândido Portinari, assinale a alternativa correta:
	
	A
	Portinari pintou esta tela sem preocupar-se com a representação fiel de Getúlio Vargas,
 pois não morava no país e não tinha nenhuma afinidade ou amizade com o retratado.
	
	B
	Ao realizar este retrato, o artista preferiu sair do país, com medo de represálias daqueles 
que eram a favor do sistema de governo da época.
	
	C
	A obra afirma o estilo de Portinari, que é neoclássico, por isso a representação de 
Getúlio Vargas é imponente e destoante da aparência real do então Presidente.
	
	D
	O quadro é realista, ainda que busque engrandecer a figura de Getúlio, criando efeitos 
que o fazem parecer mais alto do que era, além de pintar partes do rosto com brilho intenso.
	
	E
	Como Goya, ao executar o retrato da corte espanhola, Portinari deixa subentendida a 
crítica ao governo de Getúlio.
Questão 3/10 - Artes Visuais, História e Sociedade: Brasil
Atente para a passagem a seguir: 
“Apesar de haver produção artística local antes de 1816, e mesmo aulas de desenho e pintura, apenas com a vinda da Missão houve uma sistematização do ensino e da prática artística por meio da Academia, e isso sim era algo inédito no país”.  
Após esta avaliação, caso tenha interesse em ler o texto integral, ele está disponível em:  TREVISAN, Anderson Ricardo. Debret e a Missão Artística Francesa de 1816: aspectos da constituição da arte acadêmica do Brasil. Plural: Revista do Programa de Pós-Graduação em Sociologia. USP, São Paulo, n.14, p. 9-32, 2007, p. 18. 
De acordo com a passagem acima e o conteúdo do livro-base Diversidade e Resistência: a construção de uma arte brasileira sobre a Missão Artística Francesa no Brasil, é correto afirmar que:
	
	A
	implantou-se uma corrente de arte erudita que ganhou força com os anos, apesar do
 predomínio da arte popular e artesanal.
	
	B
	serviu de referência para a criação da Academia no Brasil, por intermédio do 
príncipe-regente, baseado no modelo da Academia Portuguesa.
	
	C
	a formação dos artistas que participaram da missão artística francesa era barroca.
	
	D
	a maioria dos artistas plásticos brasileiros antes da chegada da Missão eram membros 
da elite local.
	
	E
	a Missão permitiu que a arte erudita se aproximasse do povo.
Questão 4/10 - Artes Visuais, História e Sociedade: Brasil
Leia a citação a seguir: 
Segundo o historiador Giulio Carlo Argan, não devemos considerar “o barroco como um estilo, mas como uma situação – um problema comum ao qual cada artista deu uma resposta singular [...]. Esse problema comum foi o surgimento do Estado absolutista, ‘a grande criação política do século 17’. Em contraste com o Renascimento, produto típico das pequenas cidades-Estado italianas, o barroco prosperou sob as grandes estruturas burocráticas criadas para assegurar a extração de uma renda fundiária dos camponeses após o fim da servidão de gleba”. 
Após esta avaliação, caso tenha interesse em ler o texto integral, ele está disponível em: PULS, Maurício. Contrastes e confrontos. Caderno Mais, Folha de S. Paulo, 19/12/2004. <http://www1.folha.uol.com.br/fsp/mais/fs1912200416.htm>. Acesso em 30 de mar. 2017. 
De acordo com a citação acima e o conteúdo do livro-base Diversidade e Resistência: a construção de uma arte brasileira sobre a aproximação do barroco europeu com as manifestações barrocas brasileiras, assinale a afirmativa correta:
	
	A
	No Brasil, o barroco foi imponente, erudito e elitizado como na Itália.
	
	B
	O barroco brasileiro ocorreu no século XVII, durante o qual se destacaram as 
casas-grandes construídas no estilo dos palacetes italianos barrocos.
	
	C
	O barroco no Brasil está relacionado à Igreja, pois se pretendia envolver ainda mais os 
fiéis com o poder de persuasão da arte barroca.
	
	D
	A arquitetura barroca no Brasil é intimista, privilegiando a simplicidade, se assemelhando 
ao minimalismo.
	
	E
	Os jesuítas, ao chegarem no Brasil no século XVI, trouxeram o estilo barroco na bagagem,
ornamentando suas igrejas.
Questão 5/10 - Artes Visuais, História e Sociedade: Brasil
Considere o seguinte extrato do texto: 
“Tendo em mãos qualquer material vindo da indústria, tais como lâmpada, bolas de gude entre outros, propõe um método sobre a maneira de manipulá-los, que o capacita a realizar a sua obra de arte. Mais uma vez questiona a arte e quem é o artista”. 
Após esta avaliação, caso tenha interesse em ler o texto integral, ele está disponível em: PASTE, Rosana Lucia. Processo de criação em arte: estudo de caso do artista plástico e professor Nelson Leirner. Dissertação (Mestrado em Educação), Vitória: Universidade Federal do Espírito Santo, 2010, p. 83. 
De acordo com o extrato do texto acima e o conteúdo do livro-base Diversidade e Resistência: a construção de uma arte brasileira, sobre o legado de Marcel Duchamp para Nelson Leirner,