Projeto de Máquinas   10 ago 2017[1]
147 pág.

Projeto de Máquinas 10 ago 2017[1]


DisciplinaProjeto de Sistemas de Máquina I1 materiais12 seguidores
Pré-visualização7 páginas
Projeto de Máquinas
1
Projeto de Máquinas
Transmissões por Correias
2
Introdução
\u2022 Correias, correntes e outros elementos similares, elásticos ou flexíveis, são usados 
em sistemas de transporte e na transmissão de potência para distâncias grandes.
\u2022 Com frequência, esses elementos podem ser utilizados para substituir 
engrenagens, eixos, mancais e outros dispositivos relativamente rígidos de 
transmissão de potência.
\u2022 Em muitos casos, seu uso simplifica o projeto de uma máquina e substancialmente 
reduz o custo.
3
Introdução
\u2022 Elementos elásticos como correias ocupam uma posição importante no que diz 
respeito a absorver cargas de choque e a amortecer e isolar os efeitos de vibração.
\u2022 A maioria dos elementos flexíveis não dispõe de uma vida infinita. Ao serem 
utilizados, é importante estabelecer um programa de inspeção, a fim de protegê-
los contra desgaste, envelhecimento e perda de elasticidade.
4
Correias - Características
\u2022 Os quatro principais tipos de correias são mostrados, com algumas de 
suas características, na tabela da pagina seguinte.
\u2022 Polias abauladas são usadas para correias planas, e polias ranhuradas ou 
roldadas, para correias redondas e em V. Correias sincronizadoras 
requerem rodas dentadas, ou catracas. 
\u2022 Em todos os casos, os eixos devem ser separados por uma certa distância 
mínima, dependendo do tipo de correia e do tamanho, para operar 
apropriadamente. 
\u2022 Outras características das correias são as seguintes:
\u2013 Podem ser usadas para longas distâncias de centro.
\u2013 Exceto para as correias sincronizadoras, existe algum escorregamento e 
deformação; assim, a razão de velocidade angular entre os eixos motores e 
movidos não é constante nem exatamente igual à razão dos diâmetros de 
polias.
\u2013 Em alguns casos, uma polia intermediária ou de tensão pode ser usada para 
evitar ajustes na distância de centro que são necessários pelo envelhecimento 
ou pela instalação de correias novas.
5
Correias - Características
6
Características de alguns tipos comuns de correia
Obs.: correias de tempo = sincronizadoras
Correias - Geometria
7
Geometria de transmissão de correia aberta sem reversão
Correias - Geometria
8
Geometria de transmissão de correia aberta sem reversão
Para uma correia plana com esta 
transmissão, a tração da correia é tal que o 
afundamento ou abaixamento é visível 
quando a correia está em movimento
Correias - Geometria
9
Geometria de transmissão de correia cruzada com reversão
Correias - Geometria
10
Geometria de transmissão de correia cruzada com reversão
Obs.: ambos os lados da correia contatam as polias; dessa 
forma, tais transmissões não podem ser usadas com correias 
em V ou com correias sincronizadoras.
Correias - Geometria
11
Geometria de transmissão de correia aberta com reversão
Obs.: ambos os lados da correia contatam as polias; dessa 
forma, tais transmissões não podem ser usadas com correias 
em V ou com correias sincronizadoras.
Correias - Geometria
12
Geometria de transmissão de correia com 
torção de um quarto; uma polia-guia
intermediária deve ser usada se o 
movimento for em ambas
as direções.
As polias devem ser posicionadas de 
modo que a correia deixe cada polia no 
plano médio da outra face de polia
Correias - Geometria
13
Essa transmissão elimina a 
necessidade de uma 
embreagem. A correia plana 
pode ser mudada, para a 
esquerda ou para a
direita, pelo uso de um garfo.
Correias - Geometria
14
Transmissões de velocidade 
variável. 
(a) comumente utilizada 
apenas para correias 
planas. 
(b) pode também ser usada 
para correias em V e 
correias redondas 
mediante a utilização de 
polias ranhuradas.
Correias planas - Materiais
\u2022 As correias planas são feitas de uretano e também de tecido 
impregnado de borracha reforçado com fios de aço, ou cordas de 
náilon, para absorver a carga de tração; uma ou ambas as 
superfícies podem ter um revestimento superficial de atrito.
\u2022 Essas correias são silenciosas e eficientes a altas velocidades, e 
podem transmitir alta potência por grandes distâncias entre 
centros.
\u2022 Normalmente, a correia plana é adquirida por rolo e cortada, sendo 
as extremidades unidas mediante a utilização de materiais 
fornecidos pelo fabricante.
\u2022 Duas ou mais correias planas funcionando lado a lado, em vez de 
uma única correia larga, são frequentemente usadas para formar 
um sistema de transporte.
15
Correias em V - Materiais
\u2022 Uma correia em V é feita de tecido ou corda, 
geralmente de algodão, raiom ou náilon, e impregnada 
com borracha.
\u2022 Em contraste com as correias planas, as correias em V 
são usadas em polias com ranhuras, e a distâncias mais 
curtas de centro.
\u2022 Além disso, são um pouco menos eficientes que as 
correias planas, mas algumas delas podem ser 
utilizadas em uma única polia, realizando, assim, uma 
transmissão múltipla.
\u2022 As correias em V são produzidas somente em certos 
comprimentos e não têm juntas.
16
Correias sincronizadoras - Materiais
\u2022 As correias sincronizadoras são feitas de tecido emborrachado e fio 
de aço, e têm dentes que se encaixam nos sulcos cortados na 
periferia da roda dentada. 
\u2022 A correia sincronizadora não alonga ou escorrega, 
consequentemente, transmite potência a uma razão de velocidade 
angular constante.
\u2022 O fato de ser dentada fornece várias vantagens sobre as correias 
ordinárias. Uma delas é que nenhuma tensão inicial é necessária, 
de modo que transmissões de centros fixos podem ser usadas.
\u2022 Uma outra vantagem é a eliminação da restrição nas velocidades; 
os dentes permitem funcionar a praticamente qualquer velocidade.
\u2022 As desvantagens estão no custo da correia, na necessidade de 
sulcar a roda dentada e nas presentes flutuações dinâmicas 
causadas nas frequências de engrenamento dos dentes da correia.
17
Transmissões de Correias Planas
\u2022 As transmissões modernas de correias planas consistem em 
um forte núcleo elástico rodeado por um elastômero e 
apresentam distintas vantagens sobre as transmissões de 
engrenagem ou de correia em V.
\u2022 Uma transmissão de correia plana conta com uma 
eficiência de cerca de 98%, valor que corresponde 
aproximadamente ao de uma transmissão de engrenagem.
\u2022 Por outro lado, a eficiência de uma transmissão de correia 
V varia de cerca de 70 a 96%.
\u2022 As transmissões de correia plana produzem pouco barulho 
e absorvem mais vibração torcional do sistema que 
qualquer das duas transmissões de correia em V ou de 
engrenagens.
18
Transmissões de Correias Planas
19
Transmissão por correia aberta
D = diâmetro da polia grande
d = diâmetro da polia pequena
C = distância entre centros
\u398 = ângulo de contato
L = comprimento da correia
Transmissões de Correias Planas
20
Transmissão por correia cruzada
D = diâmetro da polia grande
d = diâmetro da polia pequena
C = distância entre centros
\u398 = ângulo de contato
L = comprimento da correia
Transmissões de Correias Planas
21
\u3c9
v
r
V = \u3c9 . r
V = 2\u3c0n . r
V = \u3c0dn (m/s)
V = velocidade da correia
n = rotação (rev / s)
\u3c9 = velocidade angular
Transmissões de Correias Planas
22
Peso (w) de um metro de correia:
w = \u3d2bt (N/m)
Onde:
\u3d2 = densidade (N/m³)
b = largura (m)
t = espessura (m)
Transmissões de Correias Planas
23
Forças e torque em uma polia
Fi = tração inicial
Fc = tração circunferencial causada pela força centrífuga
\u394F' = tração causada pelo torque transmitido T
D = diâmetro da polia
Transmissões de Correias Planas
24
Fc = w . V² / g
Forças e torque em uma polia
w = peso de um metro de correia
V = velocidade da correia
Transmissões de Correias Planas
25
Fator de serviço:
Ks = utilizado