A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
91 pág.
Aula01

Pré-visualização | Página 1 de 4

Sistemas de Comunicação II 
EST002
Prof. Mateus
Email: mateusafcj@unifei.edu.br
Ramal: 1958
Ementa
• Transição de Comunicações Analógicas Para 
Digitais;
• Transmissão Banda Base de Dados Digitais;
• Transmissão com Modulação Digital de 
Portadora; 
• Ruído em comunicações digitais;
• Filtros Digitais; 
• Teoria da Informação;
• Espalhamento Espectral.
2
Bibliografia
• HAYKIN, Simon. Communication Systems. New Delhi: 
John Wiley, 1982;
• HAYKIN, Simon. An introduction to analog and digital 
communications. New York: John Wiley & Sons, 1989;
• LATHI, B. P. Modern Digital and Analog Communication 
Systems. New York: Holt, Rinehart & Winston, 1983;
• HSU, H. P. Fourier Analysis. New York: Semon and 
Schuster, 1970.
3
Avaliação
• Provas:
1. P1 20/setembro – 100 pontos
2. P2 29/novembro – 100 pontos
3. Sub 06/dezembro – 100 pontos
• Exercícios em dias aleatórios (nota extra na P1 e 
P2): 3 x 2 pontos para cada prova;
• Média para Aprovação: ≥ 60
• Atendimento: Quintas-feiras entre 15:40h e 18:00h 
4
Revisão Sistemas de Comunicação I
• Análise de Fourier
• Filtros
• Modulação em Amplitude
• Modulação em Ângulo
• Sinais e Ruídos Aleatórios
• Esquemas de Multiplexação
5
Histórico
6
Histórico
7
Histórico
8
Histórico
9
Transição de Comunicações 
Analógicas Para Digitais
10
Transição de Comunicações Analógicas Para Digitais
• A comunicação digital é definida quando a informação 
transmitida é apresentada através de símbolos discretos;
• Esses símbolos discretos são representados com formas 
de ondas convenientes que por sua vez são transmitidos 
com ou sem modulação de portadora;
• Existe uma tendência da migração de sistemas 
analógicos para sistemas digitais devido às suas 
vantagens.
11
Transição de Comunicações Analógicas Para Digitais
• Definição de sinal digital: É uma seqüência de valores 
discretos no tempo e em amplitude;
• A conversão do sinal analógico para digital é denominada 
de digitalização. Uma degradação ocorre devido a 
discretização que é compensada pelos benefícios como 
maior tolerância a ruído e possibilidade de compactação;
• A digitalização é obtida com dois processos: 1) 
Amostragem e 2) Quantização.
12
Transição de Comunicações Analógicas Para Digitais
• Vantagens da comunicação digital:
▪ Facilidade de regeneração do sinal digital: O uso de 
repetidores regeneradores aumenta o alcance de um 
sinal;
▪ Permite a aplicação de algoritmos para correção de 
erros e compactação;
13
Transição de Comunicações Analógicas Para Digitais
• Vantagens da comunicação digital:
▪ Possibilita o uso de métodos criptográficos para manter a 
integridade da informação;
▪ Compatibilidade pois diferentes sinais digitais podem ser 
tratados como símbolos binários em sistemas 
computacionais;
▪ Possibilidade de implementação em hardware dedicado;
▪ Baixo consumo de potência e maior qualidade.
14
Transição de Comunicações Analógicas Para Digitais
• Desvantagens da comunicação digital:
▪ Circuito mais complexo e com maior custo;
▪ Algoritmos complexos, procedimento de controle e 
protocolos devem ser usados;
▪ Maior largura de faixa ocupada.
15
Transição de Comunicações Analógicas Para Digitais
• Arquitetura da comunicação digital:
• Outras arquiteturas podem ser entendidas como 
comunicação digital.
16
Transição de Comunicações Analógicas Para Digitais
• Arquitetura da comunicação digital:
▪ Amostrador: Realiza a amostragem do sinal, atendendo 
certos critérios, para que o sinal amostrado possa ser 
recuperado.
17
Transição de Comunicações Analógicas Para Digitais
• Arquitetura da comunicação digital:
▪ Quantizador: Realiza um arredondamento dos valores 
amostrados em um número limitado de níveis 
(símbolos). 
18
Transição de Comunicações Analógicas Para Digitais
• Arquitetura da comunicação digital:
▪ Codificador de fonte: Transforma os níveis obtidos do 
quantizador em uma representação binária.
19
Transição de Comunicações Analógicas Para Digitais
• Arquitetura da comunicação digital:
▪ Codificador de canal: introduz bits extras para adicionar 
redundância para correção de erros e gera os pulsos 
que representam os bits.
20
Transição de Comunicações Analógicas Para Digitais
• Arquitetura da comunicação digital:
▪ Modulador: Utiliza uma seqüência binária representada 
em pulsos para modular uma portadora (AM, PM, FM).
21
Transição de Comunicações Analógicas Para Digitais
• Arquitetura da comunicação digital:
▪ Canal: Meio físico para a transmissão do sinal e descrito 
como um sistema dinâmico que deve possuir uma 
banda de freqüência com ganho constante e fase linear.
22
Transição de Comunicações Analógicas Para Digitais
• Arquitetura da comunicação digital:
▪ Demodulador: Demodula o sinal recebido, obtendo-se 
assim o código de linha que representa os bits 
transmitidos.
23
Transição de Comunicações Analógicas Para Digitais
• Arquitetura da comunicação digital:
▪ Decodificador de Canal: Extrai os bits da representação 
em pulsos com amostragem e retira os bits extras de 
redundância eliminando possíveis erros.
24
Transição de Comunicações Analógicas Para Digitais
• Arquitetura da comunicação digital:
▪ Decodificador de Fonte: Transforma os bits em uma 
seqüência de níveis (símbolos) representado os valores 
amostrados do sinal.
25
Transição de Comunicações Analógicas Para Digitais
• Arquitetura da comunicação digital:
▪ Modulador PAM: Modula em amplitude de pulso os 
valores da amostras.
26
Transição de Comunicações Analógicas Para Digitais
• Arquitetura da comunicação digital:
▪ Filtro de Reconstrução: Realiza uma filtragem passa 
baixa do sinal PAM recuperando a mensagem m(t).
27
Transição de Comunicações Analógicas Para Digitais
• Uma situação intermediária entre a comunicação 
digital e analógica é a modulação de pulso analógica 
onde um trem de pulsos é modulado por um sinal 
analógico amostrado;
• O trem de pulsos tem algum parâmetro variado em 
função das amostras do sinal que podem ser:
1. A amplitude do pulso (PAM);
2. A largura do pulso (PWM);
3. A posição do pulso (PPM).
28
Transição de Comunicações Analógicas Para Digitais
• Se os valores amostrados são atribuídos em níveis 
discretos antes da modulação de pulso, completa-se a 
transição da comunicação analógica para digital;
• Os valores em níveis discretos do sinal podem ser 
codificados (PCM, DM, DPCM), normalmente, em bits os 
quais são representados em um código de linha; 
• Os pulsos representando os bits podem ser 
transmitidos diretamente pelo canal (transmissão banda 
base) ou ser modulados em amplitude ou ângulo.
29
Transição de Comunicações Analógicas Para Digitais
• Resumindo: Na comunicação digital transforma-se o 
sinal de mensagem m(t) em uma seqüências de 
números binários (ou outros sistemas numéricos) com 
sua respectiva representação em um código de linha:
• A taxa de transmissão de bits determina a largura de 
faixa ocupada pela representação binária;
• De fundamental importância na transformação de um 
sinal analógico para digital é o uso da amostragem.
30
Transição de Comunicações Analógicas Para Digitais
• Amostragem:
▪ É o processo de discretização temporal de um sinal 
contínuo de onde obtêm-se amostras em tempos discretos;
▪ O intervalo de tempo entre as amostras é o período de 
amostragem, Ts. Seu inverso é a freqüência de 
amostragem, fs = 1/Ts ou ainda ωS = 2π/TS;
▪ É possível a recuperação do sinal contínuo através da 
interpolação dos valores obtidos da amostragem. Isso 
também pode ser feito com filtragem.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.