ENCEFALITES
3 pág.

ENCEFALITES


DisciplinaClínica Médica de Pequenos Animais1.131 materiais15.629 seguidores
Pré-visualização1 página
ENCEFALITES
1) A encefalite é uma inflamação do sistema nervoso central, especificamente o cérebro. Encefalite em cães pode ser aguda ou crônica. Encefalite aguda afeta principalmente cães jovens enquanto encefalite crônica é vista a ocorrer em cães mais velhos. Os sintomas característicos de encefalite aguda são o rápido início de doença geral, tosse, vômito, corrimento nasal e movimentos soltos. Disfunção neurológica pode apresentar-se quer antes quer depois do que se aproxima da doença em geral. Os sinais observáveis \u200b\u200bde encefalite crônica em cães geralmente estão ausentes ou efêmeros. O cão sendo vítima pode apresentar déficit do ritmo muito lentamente progressivo ou desequilíbrio e convulsões que podem ou não podem ocorrer.
Dependendo se a causa da encefalite é conhecida ou não, é de dois tipos, - infecciosa e idiopática. Quando o fator causal é conhecido, é referida como a encefalite infecciosa, enquanto que se a razão exata por trás da ocorrência de encefalite é desconhecida, é chamado do tipo idiopática. Encefalite é causada principalmente pela infecção do cérebro por organismos tais como bactérias, vírus, fungos, parasitas e rickettsia.
O veterinário irá realizar alguns testes de diagnóstico para confirmar a presença de encefalite em seu cão. Estes testes incluem histórico médico completo, juntamente com a história da família e do exame do sistema nervoso. É realizada punção lombar para fazer um diagnóstico preciso e rápido. Punção espinal é um método de diagnóstico, no qual uma pequena amostra do fluido que banha o cérebro e medula espinal é retirada para análise. A ressonância magnética demonstra a ser de grande ajuda para fazer um diagnóstico definitivo, uma vez que permite a visualização da construção do cérebro.
O tratamento para o tipo de encefalite idiopática geralmente envolve altas doses de um esteróide  de prednisona. O tratamento pode demorar cerca de 4-7 meses. Em alguns casos graves de encefalite, imunossupressores mais potentes podem ser utilizados. O efeito destes medicamentos é   semelhante à da quimioterapia. Por isso, o trabalho regular de sangue é necessário para excluir toxicidade. Um produto homeopático japonês chamado Kampo também é conhecido por ser eficaz no tratamento de encefalite em cães.
As principais causas de convulsão em felinos são as encefalites, principalmente as virais, tumores e lesões por encefalopatias isquêmicas. As causas tóxicas, como envenenamentos, podem ser comuns, dependendo da região e estilo de vida do animal. Outras causas que devemos incluir são as nutricionais (deficiência de tiamina), meningoencefalites não-supurativas, infecções fúngicas e protozoárias e também traumas cranianos. Causas metabólicas e a epilepsia idiopática são raras em felinos.
A encefalopatia isquêmica felina ainda é pouco compreendida. A isquemia de tecidos cerebrais pode ocorrer devido à vaso espasmos de artérias cerebrais ou por migração de larvas de helmintos(Cutelebra). Classicamente o curso é superagudo, com sintomas unilaterais (hemiparesia, andar em círculo, perda de resposta postural). A convulsão surge como complicação, podendo aparecer meses depois do infarto cerebral. Mudanças comportamentais também são comuns. A análise do líquido cefalorraquidiano (LCR) geralmente é normal. O único meio de diagnóstico ante-mortem é por imagem cerebral, como a tomografia.
O diagnóstico é feito através de análise do LCR,onde há um aumento moderado de proteínas,e por imagem cerebral.O tratamento é de suporte,com fluido e anticonvulsivantes.O uso do corticóide é controverso,em alguns casos a melhora é bem significativa,entretanto pode piorar em casos de viroses ativas.
As encefalites infecciosas formam um importante capítulo no diagnóstico diferencial de estados convulsivos em felinos.Infecções virais,como PIF e FIV,protozoários(toxoplasmose) e fungos(criptococose),podem causar infecções centrais graves.
A PIF é responsável pela maior porcentagem de encefalites infecciosas.Sintomas como "heald tilt",nistagmo,tremores intencionais,ataxia,paresia,com presença ou não de sinais sistêmicos,como febre,letargia,inapetência e sintomatologia ocular.As convulsões não ocorrem isoladamente,sempre haverá outro sintoma associado.O diagnóstico é pela anamnese(histórico,idade,estilo de vida do paciente),exame oftálmico,análise de LCR(alta concentração de proteínas).
Outras causas de encefalites infecciosas são a criptococose,FIV,toxoplasmose e raiva.A primeira geralmente é associada a descargas nasais,nódulos e ulcerações cutâneas,cegueira e alterações neurológicas.Na análise do LCR podem ser encontrados numerosos organismos fúngicos.A encefalopatia pela FIV geralmente é assintomática,podendo gerar anormalidades sutis no comportamento e quadros convulsivos.A toxoplasmose raramente se desenvolve como uma doença clínica em gatos,entretanto em alguns estados de imunosupressão pode ocorrer um quadro de pneumonia,hepatite ou pancreatite.Sinais oculares são comuns,além de febre,inapetência e miosite.O diagnóstico ante-mortem é difícil,em casos suspeitos recomenda-se iniciar o tratamento com clindamicina.
GEBARA, C.M.S. et al. Lesões histológicas no sistema nervoso central de cães com encefalite e diagnóstico molecular da infecção pelo vírus da cinomose canina. Arq. Bras. Med. Vet. Zootec, , vol.56, n.2, pp.168-174, 2004.
NEPOMUCENO, Anelise Carvalho. Neuroimagem de encéfalo de gatos domésticos: correlação entre tomografia computadorizada e cortes anatômicos. 2014. viii, 48 p. Tese (doutorado) - Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias de Jaboticabal, 2014.