Resenha espaços corporativos

Resenha espaços corporativos

Disciplina:Projetos de Interiores Institucionais1 materiais25 seguidores
Pré-visualização1 página
Faculdade de Tecnologia Nova Palhoça – FATENP/Unigranrio

Acadêmico: Leticia Santos dos Passos

Professora: Nora Alejandra

Disciplina: Projeto de Design de Interiores Institucionais e Corporativos.

Espaços Corporativos.

O ambiente corporativo deve ser versátil, atender todas as necessidades do cliente,

garantir conforto aos funcionários com um bom mobiliário, espaços bem iluminados e bom

desempenho acústico. Tudo precisa ser muito bem estudado, pois muitos escritórios

demandam de uma grande necessidade de atenção dos seus funcionários, e precisam ser

projetadas salas individuais ou em duplas, biombos e divisórias podem ser usados para

solucionar esse problema.

Os arquivos deslizantes são uma boa opção para economia de espaço, são feitos de

aço, eletrônicos ou mecânicos, podem vir com acabamentos adesivados, revestidos de vidro

ou tecido, mas que podem perder o espaço, pois contamos com o aumento da digitação e

diminuição dos papéis.

Os forros precisam ser funcionais, precisam ser removíveis para facilitar o acesso as

instalações elétricas e a manutenção e ter um bom desempenho acústico, existe vários tipos:

forros de fibra mineral, gesso, madeira, bambu e metal.

Os pisos elevados, moldados in loco ou removíveis, facilitam a instalação e a

manutenção das instalações técnicas, permitem a instalação de saídas de ar- condicionado e

proporcionam rapidez e flexibilidade na montagem e nas alterações de layout. De diferentes

materiais, tanto para a composição das placas e seus acabamentos, quanto para a estrutura de

sustentação, que pode ser metálica ou de polietileno reforçado.

No mobiliário corporativo, as estações de trabalho curvas perderam espaço para

estações de plataforma, com uso de telas planas de computador. As mesas oferecem maior

flexibilidade na configuração dos espaços, os mobiliários precisam interagir com as instalações

como o cabeamento elétrico. Para as cadeiras, uma tendência é o uso de membrana sintética

como poliamida expandida no encosto, material que se adapta ao corpo do usuário.

Podem ser usadas divisórias modulares, dividias em dois principais tipos: piso-teto e baia. O

bom desempenho acústico é exigido nas divisórias de piso-teto, geralmente especificadas para

salas de reunião e de videoconferência.