Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
399 pág.
Livro_Ecologia e Manejo de Patógenos Radiculares em Solos Tropicais

Pré-visualização | Página 14 de 50

populations in the rhizosphere.
Advances in Plant Pathology 8: 119-148. 1992.
Hopkins, W.G. Plant Physiology. New York. John Willey & Sons. 1995.
Horst, W.J., Wagner, A. & Marschner, H. Mucilage protects root meristems for aluminium injury.
Zeitschrift für Pflanzenphysiolgie 105: 435-444. 1982.
Jauregui, M.A. & Reisenauer, H.M. Dissolution of oxides of manganese and iron by roots exudate
components. Soil Science Society American Journal 46: 314-317. 1982.
Jones, D.L. & Darrah, P.R. Re-absorption of organic compounds by roots of Zea mays L. and its
consequences in the rizosphere. II – Experimental and model evidence for simultaneous exudation
and re-absorption of soluble C compounds. Plant and Soil 153: 47-59. 1993
Lynch, J.M. & Whipps, J.M. Substrate flow in the rizosphere. Plant and Soil 129: 1-10. 1990.
Marschner, H. Mechanism of manganese acquisition by roots from soils. In: Grahm, R.D., Hannam,
R.J. & Uren,N.C. (Eds.) Manganese in Soils and Plants. Dordrecht. Kluwer. 1988. pp.191-204.
Marschner, H. Mineral Nutrition of Higher Plants. London. Academic Press. 1995.
Mench, M., Mor, J.L., Guckert, A. & Guillet, B. Metal binding whit root exudates of low molecular
weight. Journal of Soil Science 39: 521-527. 1988.
Moore, R., Clark, W.D. & Stern, K.R. Botany. London. Wm. C. Brown. 1995.
Moreira, F.M.S. & Siqueira, J.O. Microbiologia e Bioquímica do Solo. Lavras: Editora UFLA, 2002.
Nagarajah, S., Posner, A.M. & Quirk,J.P. Competitive adsorption of phosphate with polygalacturonate
and other organic anions on kaolinite and oxide surfaces. Nature 228: 83-84.1970.
Nelson, E.B. Exudate molecules initiating fungal responses to seeds and roots. Plant and Soil 129:
61-73. 1990.
Raven, P.H., Evert, R.F. & Eichhorn, S.E. Biologia Vegetal. Rio de Janeiro. Guanabara Koogan.
1996.
Ray, P.M. A Planta Viva. São Paulo. Pioneira. 1963.
Römheld, V. The role of phytosiderophores of iron and other micronutrients in graminaceous species.
Plant and Soil 130: 127-134. 1991.
Sistema Vascular e Exsudatos Radiculares
40 Ecologia e Manejo de Patógenos Radiculares em Solos Tropicais
Rovira, A.D., Bowen, G.D. & Foster, R.C. The significance of rhizosphere microflora and mycorrhizes
in plant nutrition. In: Lauchli, A. & Bielaski, R.L. (Eds.) Encyclopedia of Plant Physiology. Vol.15.
Berlin. Springer-Verlag. 1983.
Rudall, P. Anatomy of Flowering Plants: An Introduction to Structure and Development. New York.
Cambridge University Press. 1994.
Rudall, P. Anatomy of the Monocotyledons – VIII. Iridaceae. Oxford. Science. 1995.
Sánchez-Dias, M. & Aguirreolea, J. Relaciones hídricas. In: Azcon-Bieto, J. & Talon, M. (Eds.) Fisiologia
y Bioquímica Vegetal. Madrid. McGraw-Hill. 1993. pp.49-90,
Tadano, T. & Sakai, H. Secretion of acid phosphatase by roots of several crop species under
phosphorus-deficient conditions. Soil Science and Plant Nutrition 37: 129-140. 1991.
Taiz, L. & Zeiger, E. Plant Physiology. New York. Benjamin/Cummings. 1991.
Vermeer, J. & McCully, M.E. Fucose in the surface deposits of axenic and field grown roots of Zea
mays L. Protoplasma 109: 233-248. 1981.
41Importância dos Patógenos e das Doenças Radiculares em Solos Tropicais
3
Propriedades Físicas e Químicas
dos Solos
Newton P. Stamford
José J.V. Rodrigues
Richard J. Heck
Domingos E.G.T. Andrade
Introdução
O solo não é simplesmente uma massa de detritos inertes, resultante do intemperismo físico e
químico das rochas e dos restos vegetais e animais, pelos processos da atmosfera, mas sim, uma
massa prolífica e cheia de vida, sendo desta forma um sistema complexo e dinâmico, onde fatores de
natureza física, química e biológica interagem continuamente, sob a influência dos diversos fatores
climáticos (McDonald, 1994).
As propriedades físicas e químicas dos solos influenciam direta e indiretamente processos
críticos para os microrganismos fitopatogênicos e seus hospedeiros, as plantas. A sobrevivência e a
dispersão de propágulos, a infecção do hospedeiro e a reprodução dos microrganismos, bem como o
crescimento e a reprodução das plantas, são afetadas pelas propriedades físico-químicas dos solos,
que determinam a disponibilidade de água, oxigênio, nutrientes e calor nos solos. Portanto, o
conhecimento sobre essas propriedades e seu potencial efeito sobre doenças radiculares é crítico para
a adoção de estratégias adequadas de manejo (Liddell, 1997; McDonald, 1994).
Michereff, S. J., Andrade, D.E.G.T. & Menezes, M. (Eds.) c Direitos de edição reservados aos editores
Ecologia e Manejo de Patógenos Radiculares em Solos Tropicais ISBN 85-87459-09-0
2005. Recife, UFRPE.
42 Ecologia e Manejo de Patógenos Radiculares em Solos Tropicais
Propriedades físicas dos solos
O componente físico do solo é amplamente composto de matéria orgânica e minerais como
areia, silte e argila. A taxa de cada um desses determinará as características específicas do solo.
Geralmente, solos com altos níveis de matéria orgânica e argila terão melhor estrutura que solos com
altos teores de silte e areia e pouca matéria orgânica (Wheeler & Rush, 2001). Portanto, as propriedades
físicas dos solos (textura, estrutura, porosidade, consistência, temperatura, cor, etc.) são fatores que
afetam significativamente a disponibilidade de nutrientes e água do solo.
A composição volumétrica de um solo de textura média, numa condição ideal para o crescimento
das plantas, apresenta 25% de água, 25% de ar, 45% de mineral e 1 a 5% de matéria orgânica
(Brady, 1974). Diferentes solos apresentam diferentes composições volumétricas dos constituintes. A
composição de um mesmo solo varia com a profundidade, como exemplo, a matéria orgânica
normalmente diminui com a profundidade, enquanto a argila normalmente aumenta com a
profundidade. A soma dos volumes de ar e água está sujeita a grandes flutuações nas condições
naturais, dependendo da precipitação, irrigação e uso da água.
Parte sólida
A parte sólida dos solos é constituída de material mineral e orgânico. O material mineral tem
tamanho e composição variável, sendo composto de pequenos fragmentos de rochas e minerais de
vários tipos derivados da fragmentação gradual e decomposição química de minerais primários que
formam a crosta da terra. Os minerais que têm a mesma composição química das rochas, chamam-
se primários e formam no solo as frações areia e parte do silte. Os minerais secundários, onde o
material apresenta composição e estrutura diferente das rochas das quais eles se originaram, são
formados pela intemperização dos minerais menos resistentes durante o processo de formação dos
solos e constituem a fração argila e parte do silte. As quatro principais classes de partículas inorgânicas
do solo e suas propriedades gerais são apresentadas na Tabela 3.1.
Tabela 3.1. Propriedades gerais de quatro principais classes de partículas inorgânicas do solo.
Tamanho Nome comum Observação Composição dominante
Muito Grosseiro Pedra, cascalho Olho nu Fragmento de rochas
Grosseiro Areia Olho nu Minerais primários (feldspato,
quartzo etc.)
Fina Silte Microscópio ótico Minerais primários e secundários
Muito fina Argila Microscópio eletrônico Minerais secundários
43Importância dos Patógenos e das Doenças Radiculares em Solos Tropicais
Matriz, textura e estrutura do solo
As partículas minerais e orgânicas que compreendem a fase sólida do solo formam a matriz do
solo, a qual é permeada por poros pequenos ou grandes. Nesses espaços ocorre a proliferação de
microrganismos que podem ser fitopatogênicos, benéficos ou inertes para a planta (Liddell, 1997). A
matriz do solo, juntamente com a solução e a atmosfera do solo, influencia o desenvolvimento, o
crescimento e o arranjo ou arquitetura das raízes, sendo esse arranjo um importante componente
para doenças radiculares,
Página1...101112131415161718...50