Aula RI Conc Redes (8)
33 pág.

Aula RI Conc Redes (8)


DisciplinaRedes e Serviço de Informação I4 materiais2 seguidores
Pré-visualização2 páginas
6º Semestre
1
\uf0fc A informação e o conhecimento exercem grande influência nas 
atividades econômicas, sociais e culturais.
\uf0fc A tecnologia como ferramenta que pode potencializar a 
disseminação da informação (eliminar barreiras x inclusão).
\uf0fc A sociedade encontra-se estruturalmente marcada pelas 
mudanças advindas das novas tecnologias: as relações sociais
são pautadas pela conexão ou falta de conexão dos indivíduos 
às redes que constituem o mundo. 
2
\uf0fc As tecnologias de informação concretizam a Sociedade da 
Informação, na qual as redes são recursos estratégicos para o 
desenvolvimento científico e tecnológico.
3
\uf0fc A rede é imprescindível para o 
desenvolvimento de serviços e 
produtos em sintonia com o 
ambiente informacional que 
nos cerca e cresce a cada dia.
\uf0fc Rede é um conjunto de nós interligados. São formas muito 
antigas da atividade humana que ganharam uma nova vida, ao 
converterem-se em Redes de Informação. 
4
\uf0fc Neste contexto, a internet é um meio de comunicação que 
permite a utilização de redes de muitos para muitos, numa 
escala global. E, ainda, potencializa o acesso à informação.
Castells (2004, p. 15)
\u201c o esforço conjunto de várias 
organizações empenhadas em 
reunir, organizar e disseminar 
informações para os usuários\u201d
(Cabral; Paula, 2007, p.8)
5
6
\uf0fc são dispositivos tecnológicos que propiciam a coleta, 
armazenamento, processamento e distribuição veloz de 
informações, desmaterializando as relações interpessoais e 
interinstitucionais. 
\uf0fc Tal fato se deu devido ao impulso da Internet, que se \u201cconstitui 
atualmente a base tecnológica da forma organizacional que 
caracteriza a Era da informação: a rede\u201d 
Castells (2004, p. 15).
\u201cReúnem pessoas e organizações para o 
intercâmbio de informações, ao mesmo tempo em 
que contribuem para a organização de produtos e 
a operacionalização de serviços que, sem a 
participação mútua, não seriam possíveis\u201d
(Tomaél, 2005, p.3)
7
\uf0fc é tradicionalmente um grupo de unidade e serviços de 
informação voltado para um interesse comum, que pode ser a 
compilação de uma base de dados, um sistema cooperativo de 
catalogação;
\uf0fc seu ponto focal é o compartilhamento de recursos e a 
cooperação em serviços e produtos.
\uf0fc \u201cé um arranjo formal que reúne várias organizações engajadas 
para a consecução de objetivos comuns, buscando a troca de 
informações, materiais e/ou serviços\u201d
(Katz, 1997)
8
\uf0fc \u201cAs alianças se tornam cada vez mais indispensáveis para 
o desenvolvimento de práticas comuns que vão facilitar e 
redimensionar o contexto informacional em que estamos 
inseridos\u201d. 
\uf0fc \u201ca participação em redes, mais que uma necessidade, é 
hoje imprescindível para podermos desenvolver serviços e 
produtos em sintonia com o ambiente informacional que 
nos cerca e cresce a cada dia\u201d. 
(Tomaél, 2005)
9
\uf0fc \u2018O relacionamento e a cooperação são inerentes ao ser 
humano\u2019; 
\uf0fc \u2018em todas as atividades e áreas do conhecimento, a 
formação de redes está fortalecendo as partes envolvidas, 
reduzindo os custos das operações e diminuindo o tempo 
gasto em cada fase do processo\u201d. 
(Tomaél, 2005)
10
\uf0fc \u201cA formação de redes é uma das mais importantes 
questões com que se defronta a comunidade 
bibliotecária e de informação\u201d. 
\uf0fc E isso é facilitado pelos recursos da TI, que incidem 
diretamente em todos os processos informacionais, desde 
sua criação e gestão até seu uso, estabelecendo-se novas 
formas de relacionamento entre os serviços e unidades de 
informação e os seus usuários, modificando seus produtos e 
integrando-os a outros. 
Mcgarry (1999, p.122)
11
\uf0fc As redes de informação têm um papel importante no 
processo de gestão da informação, sendo que a sua 
implementação auxilia desde a aquisição, catalogação, 
organização, disseminação, recuperação até a obtenção da 
informação pelo usuário final. 
\uf0fc Tecnologicamente não há limites para a criação de uma rede: a 
não utilização de uma rede para dinamizar os serviços de uma 
biblioteca ocorre principalmente por fatores políticos e não por 
fatores tecnológicos.
Mcgarry (1999, p.122)
12
\uf0fc As redes para serviços e unidades de informação foram 
criadas em vista das deficiências e limitações de suas 
coleções.
\uf0fc A cooperação foi utilizada para suprir as demandas dos 
usuários, ampliar os recursos informacionais e racionalizar os 
recursos financeiros.
\uf0fc A cooperação entre bibliotecas já existe desde o início do 
século 20.
Tomaél (2006); Silva (1986)
13
\uf0fc \u201cNo âmbito empresarial as redes de 
organizações, que buscam 
inovação, competências e 
ampliação de mercado, também 
têm seu espaço\u201d. 
Tomaél (2005)
14
\uf0fc Como
\uf0fc Onde
\uf0fc Quando
15
surgiram as redes de informação?
\uf0fc \u201cAs redes de informação são fenômenos existentes na 
sociedade desde o século XII quando se formavam grupos 
em portos, comércio, nos mosteiros ou universidades onde a 
informação era difundida\u201d. 
\uf0fc \u201cPor volta da metade do século XX, a sociedade 
contemporânea passou a perceber o valor do conhecimento 
e da comunicação como objeto de pesquisa científica, 
originando o campo da Ciência da Informação que pôs em 
evidência o fenômeno social da formação de redes de 
informação\u201d.
Spudeit (2010)
16
\uf0fc \u201cHá uma tendência nas pesquisas científicas atuais de trabalhar 
com o conceito rede em variados campos do conhecimento\u201d. 
17
\uf0fc \u201cO modelo rede se aplica desde as redes 
neurais até aos computadores, do 
sistema imunológico ao sistema 
ambiental e social\u201d.
\uf0fc \u201cA palavra rede aparece inicialmente no 
século XII e designava redes de caça ou 
pesca e tecidos (MUSSO, 2004, p.18)\u201d. 
Spudeit (2010)
\uf0fc \u201cO conceito foi evoluindo e passou a ser empregado na 
medicina no século XVIII relacionado ao corpo humano\u201d.
\uf0fc \u201cSomente na virada do século XVIII para XIX é que a rede 
não foi mais apenas observada sobre ou dentro do corpo 
humano, ela começou a ser construída fora do corpo\u201d.
\uf0fc \u201cJá no século XX, o termo rede passou por uma imensa 
transformação semântica entre os anos 60 e 90 e o 
surgimento da internet é um dos responsáveis por essa 
mudança\u201d.
Spudeit (2010)
18
\uf0fc Atualmente, o conceito de rede \u201caparece como exemplo do que 
é aberto, rompe hierarquias, transgride fronteiras, impede 
segredo e pode ser produzido e apropriado por qualquer um 
(VAZ, 2008, p.222)\u201d.
\uf0fc Assim, as redes ...foram evoluindo até o momento em que 
passaram a ser sinônimos de relações sociais e tecnológicas.
\uf0fc \u201cO conceito de rede sofreu quebras, mutações, redefinições e 
no século XXI, em plena Sociedade da Informação, as redes 
estão translaçadas na sociedade, nas relações sociais, nas 
relações tecnológicas, virtuais, da era do ciberespaço, no qual 
a comunicação ocorre em variados ambientes que descartam a 
necessidade de contato físico de relacionamento\u201d.
Spudeit (2010)
19
A Contribuição dos Letrados:
\uf0fc \u201cas redes de informação já existiam desde os primórdios, a partir 
dos mosteiros e da instalação das universidades se formavam 
grupos de estudiosos leigos e religiosos medievais, que foram os 
responsáveis pelo aumento considerável na quantidade de 
professores e estudantes, cuja autonomia era a característica 
principal destes grupos de intelectuais que se transformaram em 
membros assalariados de academias ou sociedades científicas\u201d.
\uf0fc \u201cNeste contexto, as redes de informação surgem para ligar esses 
grupos de eruditos entre si e vão se consolidando com os 
secretários, bibliotecários, arquivistas, conselheiros que tinham 
função de acessar e organizar o conhecimento, objeto que ganhou 
destaque nos séculos XVI e XVII perante o desenvolvimento de 
Estados centralizados\u201d.
Spudeit (2010)