Resumo de Imunologia
16 pág.

Resumo de Imunologia


DisciplinaImunologia Basica2.060 materiais90.012 seguidores
Pré-visualização7 páginas
mais, possibilitando que o indivíduo 
expresse moléculas de MHC que se ligam aos mais diversos 
peptídeos. Assim, um número muito maior de patógenos e 
microorganismos pode ser reconhecido e apresentado ao 
sistema imune.
14.2 T Cell Receptor (TCR):
\u2022 Gerais: 
O TCR é o receptor de Células T que reconhece 
complexos MHC-Peptídeo. Ele está disoisto em forma 
de um Complexo, juntamente com proteínas invariáveis 
CD3 e outra. É ele que inicia a sinalização que ativa as 
células T (não tem função efetora por sí só). Todos os 
linfócitos apresentam os mesmos tipos de TCR, diferindo quando aos correceptores.
\u2022 Estrutura:
Heterodímero que consiste em duas cadeias polipeptídicas trasnmembrana (! e ß), 
digadas covalentemente. Cada cadeia consiste em um domínio N-terminal variável (V) e 
outro constante (C). Não forma ligação estável com o MHC, o que justifica a presença de 
moléculas de adesão, também dispostas na superfície celular das células T.
\u2022 Função: Interage com MHC e reconhece antígenos.
14.3 CD4 e CD8 - Correceptores:
\u2022 Gerais: 
São proteínas monoméricas transmembrana expressas em linfócitos que se ligam as 
regiões não polimórficas das moléculas de MHC e trasduzem os sinais pelo complexo TCR. 
Não são expressas simultaneamente pelos linfócitos maduros.
\u2022 Estrutura:
 O CD4 é expresso como um monômero na superfície das células T periféricas e dos 
Timócitos, podendo tembém ser encontrado em fagócitos mononucleares e em algumas 
céluals dendríticas. Ele se liga ao MHC classe II.
Já o CD8 existe na maioria das vezes como heterodímeros ligados por pontes 
dissulfeto, compostos de duas cadeias, CD8 ! e CD8ß. Liga-se ao MHC classe I.
\u2022 Função: 
Os correceptores intensificam a sinalização do TCR, ligando-se ao MHC e 
reconhecendo parte dos mesmos ligantes que os receptores de antígenos. Além disso, 
permitem reconhecimento e respostas distintas de linfócitos aos MHCs I e II; ou seja, na 
ausência de correceptores, os linfócitos não são restritos `as classe I ou II de MHC; São eles 
que definem qual molécula funcionará como apresentadora de antígenos para linfócitos. 
Sendo assim, CD4 e CD8 são necessários para a maturação e ativação dessa células. 
14.4 Moléculas antigênicas: A maioria dos Linfócitos T reconhece apenas peptídeos; já 
os Linfócitos B reconhecem peptídeos, ácidos nucléicos, polissacarídeos, lipídeos e 
pequenas substâncias químicas. Sendo assim, a resposta imune celular é induzida apenas por 
antígenos protéicos. Os Linfócitos T reconhecem ainda alguns resíduos polimórficos do 
MHC, de forma que podem distinguir MHC próprio do estranho, característica que 
determina a compatibilidade ou não de um enxerto.
14.5 Células Apresentadoras de Antígenos (APCs):
\u2022 APCs na ativação de células T: 
9
Elas convertem antígenos protéicos em peptídeos (Processamento do Antígeno) e os 
exibem em sua superfície celular pela associação com o MHC, possibilitando seu 
reconhecimento pelos Linfócitos T. Além disso, algumas APCs oferecem estímulos `as 
células T (coestimuladores).
\u2022 Função: 
Como o próprio nome diz, apresentam antígenos aos linfócitos T. Essa função é 
estimulada pela exposição a produtos microbianos, de forma que, sob esse estimulo, os 
receptores semelhantes a Toll (TLR) aumentam a expressão de moléculas MHC e 
coestimuladores. A partir daí, a apresentação de antígeno se intensifica e as APCs passam a 
produzir citocinas que estimulam respostas das células T. Além disso, células dendríticas e 
Macrófagos que são ativados por micróbios expressam receptores a quimiocinas que 
estimulam sua migração para os locais de infecção amplificando ainda mais a apresentação 
de antígenos e ativando mais células T.
\u2022 Células: 
Células Dendríticas ativam CD4+ e CD8+; Macrófagos apresentam antígenos a CD4+ 
diferenciados na fase efetora da imunidade celular (e os T-helpers os ativam para eliminar os 
microorganismos); Linfócitos B apresentam antígenos as células T-Helpers durante 
imunidade humoral. Todas apresentam MHC II, podendo estimulas Células TCD4. Com 
relação as Células Dendríticas, são as únicas cuja função principal é a apresentação de 
antígenos.
14.6 Macrófagos:
\u2022 Origem: 
Células pluripotentes na Medula Óssea se diferenciam em células da linhagem 
Mielóide; daí, se diferenciam em Monócitos, que caem na corrente sangüínea. Os monócitos 
possuem um núcleo único que ocupa cerca de 50% do volume da célula e citoplasma 
granuloso, contendo lisossomos, vacúolos fagocíticos e filamentos esqueléticos. Eles 
possuem vida longa e circulam pela corrente sangüínea mesmoq ue não haja infecção. Uma 
vez que entrem nos tecidos, essas células maturam e se tornam Macrófagos, os quais passam 
a executar função imune.
\u2022 Características Gerais:
Macrófagos são células grandes e irregulares, com núcleo central, citoplasma 
vacuolizado e emitindo pseudópodes. Participam da imunidade inata (sua fase tardia) e 
adquirida como principais células fagocitárias. São pouco específicos e não possuem 
capacidade de memória. Sua resposta aos microorganismos é quase tão rápida quanto a dos 
neutrófilos, contudo, eles não são terminalmente diferenciados; ou seja, macrófagos podem 
sofrer divisão celular em um local inflamatório.
\u2022 Funções: 
Imunidade Natural: Fagocitose de microorganismos e produção de citocinas que 
ativam e recrutam outras células inflamatórias (produzem mediadores inflamatórios). 
Durante a fagocitose, há ainda a produção de intermediários reativos de oxigênio (Explosão 
Respiratória) e nitrogênio que também lesam o patógeno.
" Imunidade Adquirida: APCs, como já descrito: Apresentam antígenos para TCD4+; 
essas, ativam os macrófagos para que destruam os microorganismos fagocitados.
\u2022 Macrófagos residentes são encontrados em todos os órgãos, mesmo sem a ocorrência de 
uma infecção; de acordo com o órgão que habita, ele apresenta uma determinada 
característica:
Micróglia: Estão em grande proporção no cérebro, representando até 20% do 
contúdo celular do mesmo. É ativada por mecanismos que invadem o cérebro e 
proliferam rapidamente; removem neurônios mortos.
Células de Kupffer: Residem no fígado e fagocitam partículas estranhas que chegam 
pelo sistema Porta. Além disso, são responsáveis pela destruição de hemácias 
senescentes.
10
Naabi
Realce
Naabi
Realce
Naabi
Realce
Naabi
Realce
Naabi
Realce
Naabi
Realce
Naabi
Realce
Naabi
Realce
Naabi
Realce
Naabi
Realce
Naabi
Realce
Naabi
Realce
Naabi
Realce
Naabi
Realce
Naabi
Realce
Naabi
Realce
Macrófagos Alveolares: Responsável pela defesa contra microorganismos que 
infectam através das vias aéreas. Possuem pouca atividade de APC, reduzindo, 
consequentemente, a resposta e a proliferação de linfócitos T
Osteoclastos: São células multinucleadas que participam do processo de reabsorção e 
remodelagem osseas.
\u2022 Reconhecimento de microorganismos por parte dos macrófagos: 
Os macrófagos reconhecem, na verdade, padrões moleculares associados aos 
patógenos (PAMPs), como por exemplo o RNA fita dupla (vírus), LPS (Bactérias), etc; 
Possuem, portanto, Receptores de Reconhecimento de Padrões., padrões esses essenciais 
para a sobrevivência dos microorganismos.
\u2022 Diapedese:
1.Expressão de citocinas e quimiocinas pelos macrófagos residentes após estes terem 
realizado a fagocitose de microorganismos recruta monócitos do sangue para os locais de 
infecção.
2.As citocinas dos macrófagos residentes também atuam sobre as células endoteliais, 
de modo que estas aumentam a expressão de Selectinas em sua superfície. Os ligantes de 
selectina dos Monócitos atuam; a ligação é, contudo, bastante fraca. Assim, eles se ligam e 
desligam repetitivamente, \u201cRolando\u201d ao longo da superfície endotelial.
3.A rolagem permite que as quimiocinas, também produzidas pelos macrófagos 
teciduais, sinalize para esses monócitos, de modo que
Aninha
Aninha fez um comentário
Massa!!!!
1 aprovações
Carregar mais