A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
10 pág.
Anatomia e fisiologia da mama; alterações patológicas nas mamas relacionadas à amamentação; leite materno (composição e produção); pega correta; benefícios da amamentação; achados normais na pele do recém-nascido

Pré-visualização | Página 1 de 3

Problema 02- Conhecer a anatomia e fisiologia da mama
- Conhecer as alterações morfofisiológicas da mama na amamentação
- Conhecer as alterações patológicas na mama relacionadas à amamentação
- Compreender a composição, produção e maturação do leite materno
- Conhecer como proporcionar a pega correta durante a amamentação
- Identificar os benefícios da amamentação para o filho e mãe
- Identificar os achados normais na pele do recém-nascido
- Conhecer o processo de desenvolvimento do sistema digestório do recém-nascido
- Conhecer os fatores que influenciam a formação de vínculo com o recém nascido
- Conhecer a anatomia e fisiologia da mama
- estruturas mais proeminentes da parede anterior do tórax, sobretudo mulher
- tecido glandular e tecido fibroso integrados a uma matriz adiposa
 - junto com vasos sanguíneos, linfáticos e nervos
- homens e mulheres possuem, porém em mulheres há maior desenvolvimento
- as glândulas mamárias estão localizadas na tela subcutânea sobre os músculos peitorais maior e menor
- na parte mais proeminente da mama está a papila mamária
 - circundada por uma área cutânea pigmentada circular, a aréola
- as glândulas mamárias presentes nas mulheres estão relacionadas à reprodução
 - nos homens são rudimentares e não funcionais (possuem apenas alguns ductos e cordões epiteliais); 
 - geralmente, em homens, não há desenvolvimento do sistema glandular
- Mamas femininas
- a gordura ao redor do tecido glandular determina o tamanho das mamas não lactantes
- o leito que apoia o corpo mamário se extende:
 - transversalmente: do esterno até a linha axilar médiaEntre a mama e a fáscia peitoral existe um espaço retromamário, um plano de tecido conjuntivo frouxo que permite certa mobilidade sobre a fáscia
 - verticalmente: da costela II à costela IV
- dois terços desse leito são formados pela fáscia peitoral do músculo peitoral maior
- um terço é formado pela fáscia do músculo serrátil anterior
- uma parte da glândula mamária pode se extender em direção à axila, formando o processo axilar, ou a cauda de Spence
- glândula mamária se fixa á derme por ligamentos suspensoresDurante o ciclo menstrual alguma mulheres o confundem com tumores
 - formados por tecido conjuntivo fibroso
 - mais desenvolvidos na parte superior
 - sustentam lobos e lóbulos da glândula mamária
- na puberdade as mamas aumentam por desenvolvimento glandular mas, principalmente, por deposição de gordura
- aréolas e papila também aumentam
- tamanho e forma são determinados, em parte, por fatores genéticos, étnicos, alimentares
- os ductos lactíferos formam brotos que originam 15 a 20 lóbulos da glândula mamária (o parênquima da glândula)
- cada lóbulo é drenado por um ducto que convergem e têm aberturas independentes
- ao fim do trajeto, profundamente à areola, o ducto se dilata formando o seio lactífero, onde se acumula gotículas de leiteDevido estarem sujeitas à fissuras e irritação no início da amamentação
- as aréolas possuem muitas glândulas sebáceas que aumentam na gravidez para lubrificar papila e aréola
- as papilas mamárias são projeções cônicas ou cilíndricas no centro das aréolasQue comprimem os ductos durante a lactação e ficam eretos sob estimulação
 - não possuem gordura, pelos nem glândulas suporíparas
 - são formadas por fibras musculares lisas circulares
- as glândulas mamárias são glândulas sudoríferas modificadasQuando glândulas aumentam e novas se formam
 - não possuem cápsula nem bainha - seu contorno arredondado é devido gordura, exceto na gravidez 
- os alvéolos secretores de leite são organizados em cachos de uva
- as mamas aumentam ligeiramente no período menstrual devido ação do FSH e LH sob as células glandulares
----------------
FISIOLOGIAFenômeno conhecido como telarca
---------------
- Na puberdade, primeiramente há o desenvolvimento das mamas no sexo femininoTecido glandular não palpável e aréola não pigmentada
- aparecimento inicial coincide com o aumento do estradiol (E2) plasmático
 - pois antes, as mamas estavam no estágio 1 (infantil), as quais são semelhantes em meninos e meninas
 - no estágio 2, papilas e aréolas se elevam, sendo o diâmetro da aréola aumentado
 - no estágio 3, há o aumento substâncial da mama e aréola, esta que se torna mais pigmentada
 - os contornos dos seios, porém, permanecem num único plano
 - no estágio 4, papilas e aréolas aumentam ainda mais; aréolas se tornam mais pigmentadas
 - contornos dos seios começam a surgir
 - o estágio 5, caracteriza o crescimento final da mama
- esse crescimento depende totalmente da ação dos estrógenos
- pois antes da puberdade, o crescimento das mamas acompanha o crescimento corporal
- após a puberdade há o aumento progressivo de estrogéno, a cada ciclo menstrual
 - permitindo aceleração do crescimento total
 - que compreende crescimento e diferenciação do epitélio dos ductos mamários, tecido conjuntivo, ductos lobulares e aréolas
 - cresce ainda, seletivamente, o tecido adiposo nas mamas, que garante a forma típica feminina
- a progesterona, por sua vez, estimula o desenvolvimento lóbulo-alveolar
 - que aumenta o tamanho das células alveolares
 - assim como o estrógeno E2, a progesterona também induz hipertrofia mamária
 - não só por estimular o desenvolvimento de lóbulos e alvéolo, mas por aumentar o líquido no tecido subcutâneo
 - a progesterona, porém, bloqueia a lactogênese
- conhecer as alterações morfofisiológicas das mamas para a amamentaçãoAo fim da gestação
- a lactogênese é o preparo da glândula mamária para a amamentação
- a produção de leite, em si, é um processo que só atinge plenitude com o desenvolvimento final das mamas 
- durante a gestação, devido a alta de hormônios, sobretudo estrógenos, há:
 - desenvolvimento ductal
 - aumento na síntese de receptores de prolactina
- a progesterona estimula o crescimento alveolar, mas inibe a síntese do leite (galactopoiese)
- as mamas são estimuladas ao máximo, mas a produção de leite requer outros fatores
- após o parto, com a dequitação, a produção dos hormônios da gravidez cessaFatores de crescimento semelhante à insulina
 - outros hormônios passam a atuar em cooperação na mama:
 - prolactina - glicocorticoides - GH - IGF - insulina
- a prolactina é fundamental, pois estimula a produção de caseína e de lactalbumina (importante para produção de lactose)
 - prolactina é um polipeptídeo de 198 aminoácidos e é produzida por lactotrofos da adeno-hipófise
 - tem sua secreção inibida pela dopamina
- o cortisol também é importante para síntese de caseína e de lactalbumina
- durante a gestação, a secreção de prolactina aumenta paulatinamente
 - atingindo níveis máximos no período do parto
- após o parto, a secreção de prolactina cai rapidamente 
 - passando a ter secreção episódica com o início da amamentação
 - pois a cada mamada há o estímulo reflexo de sua secreção proveniente da sucção dos mamilosComo a dopamina inibe a secreção de prolactina, sua queda permite que a prolactina seja liberada
 - essa sucção promove uma diminuição da secreção de dopamina
 - levando à queda acentuada na sua concentração hipofisária
- além da inibição da dopamina, admite-se que haja produção de um fator estimulador da secreção de prolactina (PRF)
 - ainda não muito bem identificado
 - há proposições de que seja: peptídeos hipotalâmicos, TRH, serotonina, histamina, neurotensina, endorfinas ou VIP
- ao deixar de amamentar, a secreção de prolactina

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.