Aula Nota 10 1
183 pág.

Aula Nota 10 1


DisciplinaConcursos112.987 materiais124.936 seguidores
Pré-visualização50 páginas
grupo de alunos para fazer reforço em separado. Não faz sentido
trabalhar um material mais difícil, se os alunos ainda não._dormnaramx;QÍsasjrmis
simples. Não faz sentido continuar a ler um romance, se falta compreensão sobre
no que aconteceu nos primeiros capítulos. Pare e conserte; depois, continue. Aliás,
quanto mais tarde você resolver o problema, mais complicado ele será. Quando um
erro é composto de três dias ou três horas de mal-entendidos consecutivos, é prová-
vel que se torne complexo e mais difícil de corrigir; vai levar tempo para localizar
a causa inicial e você vai precisar de uma aula inteira para ensinar tudo de novo. É
muito melhor agir rapidamente e resolver problemas de aprendizado enquanto eles
ainda são simples e podem ser abordados com uma pergunta adicional, uma curta
atividade ou uma nova explicação que leva três minutos em vez de 35.
Há muitas maneiras de intervir a
QuontO mais Curto a distando partir de dados. Os professores às vezes
entre o reconhecimento de esquecem o benefício de ensinar o mes-
Umofaíhana compreensão mo material novamente, mas de um jei-
doduno e a intervenção to K&**\u2122*** diferente do adotado na
primeira vez. Repetir o que você fez an-
para consertar o problema,
tes pode funcionar. Só que isso parte da
mais provável será a premissa de que todos os alunos que não
eficiência da intervenção, aprenderam da primeira vez vão apren-
- der da segunda. Isso não significa que
você deva tentar um método completamente novo para ensinar divisão com resto,
por exemplo. Mas você tem mesmo de pensar num jeito melhor de fazer isso, talvez
explicando com palavras ligeiramente diferentes ou com exemplos diferentes.
Aqui estão várias outras ações que você pode adotar em resposta a dados que
revelem que o domínio do conteúdo por parte dos alunos está incompleto:
l Ensine de novo, usando uma abordagem diferente.
> Ensine de novo, identificando a etapa problemática: "Acho que o ponto complicado
é quando a divisão não é exata, então vamos trabalhar nisto um pouco mais".
Estruturar e dar aulas 1 23
l Ensine de novo, identificando e explicando os termos difíceis: "Acho que estamos
com problemas com o termo denominador, não?"
l Ensine de novo, a um ritmo mais lento: "Vamos ler esta lista de palavras de novo.
Vou ler bem devagarzinho e gostaria que vocês prestassem muita atenção na
minha pronúncia d</som do /: Depois vou pedir a vocês que...&quot;
> Ensine de novo, com outra ordem: &quot;Desta vez, vamos tentar inverter a ordem dos
principais eventos da história&quot;.
> Ensine de novo, identificando os alunos mais preocupantes: &quot;Agora vamos tra-
balhar nos livros, mas eu quero que uns dois ou três venham trabalhar comigo
aqui na frente. Se eu disser seu nome, traga seu livro para cá [ou me encontre no
intervalo]&quot;.
> Ensine de novo, usando mais repetições: &quot;Parece que já estamos conseguindo iden-
tificar os géneros, mas vamos praticar um pouco mais. Eu vou ler para vocês
duas frases de 10 histórias imaginárias. Para cada uma, escreva o género a que
você acha que ela pertence e uma razão para a sua resposta&quot;.
Muitos anos atrás, em uma escola em que eu dava aula, mandaram-me treinar
o time de beisebol, um esporte que eu só jogava de vez em quando. Senti-me
desqualificado para treinar. Mas o amigo de um amigo era um mestre como trei-
nador de beisebol e durante um café ele me ensinou a organizar minhas práticas.
Seu melhor conselho foi simples e duradouro e é a chave para a técnica Mais uma
vez: &quot;Ensine a eles o básico de como bater na bola e depois faça-os bater nu bola
o máximo de tempo que puder. Prática e mais prática, tacada após tacada após
tacada: maximize o número de vezes que eles praticam. Deixe-os bater na bola
uma vez atrás da outra até que eles possam dar a tacada até dormindo. Essa é a
chave. Não mude isso. Não invente moda. Faça-os fazer a mesma coisa de novo
e de novo&quot;. Afinal entendi: fazer de novo era a chave para aprender a bater na
bola em beisebol.
Às vezes, as verdades óbvias são as melhores. De fato, esta verdade é reafirma-
da pelos dados em quase todos os campos e em toda situação. Quer saber qual é o
fator que melhor prevê a qualidade de um cirurgião? Não é a reputação dele, não é
a faculdade onde se formou, nem mesmo quão inteligente ele é. A melhor maneira
de prever sua qualidade é descobrir quantas cirurgias de um certo tipo eleja fez. É a
memória muscular. É a repetição. É Mais uma vez - para cirurgias complexas, para
124 Aula nota 10
\u2022
\u2022
bater a bola de beisebol, resolver problemas de matemática, escrever corretamente.
A repetição é a chave para um cirurgião não apenas porque significa que ele vai fa-
zer tudo certo se as coisas correrem normalmente, mas também porque, se as coisas
derem errado, ele terá o máximo de poder cerebral livre para resolver o problema
na hora. Com suas habilidades de corte e sutura no automático, ele vai calmamente
aplicar todas as suas faculdades para focar e resolver o problema inesperado.
Nada melhor do que a técnica
Quer saber qual é o fatorque Mais uma vez para desenvolver e re-
melhor prevê a qualidade finar uma habilidade, e assim po-
de um cirurgião? Nôo é a der aplicá-la de maneira precisa sob
reputação dele, nãO é a quaisquer circunstâncias. Portanto, as
r ,, , £ grandes aulas devem ter muito Maisfaculdade onde se formou, nem
uma vez. E, se e verdade que as pes-
mesmoquãointeiqenteeeé. , u. r,soas aprendem uma nova habilidade
A melhor maneira de prever sua na décima ou vígésima vez que a pra_
qualidade é descobrir quantas ticam (nunca na primeira vez), então
cirurgias de um certo tipo ele é importante incluir isso nas suas au-
já fez. É a memória muscular. Ias. Quando seus alunos chegam à fase
É 0 repetição do &quot;V°cês&quot;> quando já estão fazendo
trabalhos independentes, precisam de
muita, muita prática: 10 ou 20 repe-
tições em vez de duas ou três. E importante lembrar disso porque, especial-
mente em um dia muito cheio, repetir poucas vezes é o mais comum. A gente
ensina_até a parte onde os alunos parecem ter percebido a nova habilidade e
para. Eles tentam uma vez e dizemos: &quot;Muito bem, você entendeu!&quot;. Ou pior:.
&quot;Agora estamos sem tempo. Tente fazer em casa e vê se aprende direitinho!&quot;,-
Uma aula deve terminar com os alunos tentando mais uma vez e mais uma vez
e mais uma vez. Deve quase sempre começar com uns poucos Mais uma vez do ma-
terial precedente (revisão). Aqui estão pontos-chave para lembrar:
l Siga em frente até que eles possam fazer sozinhos. No final da prática independente,
os alunos devem ser capazes de resolver problemas no nivel mais avançado e
devem fazê-lo inteiramente sozinhos.
l Use variações e formatos múltiplos. Alunos devem saber resolver problemas em
formatos múltiplos e em número significativo de variações plausíveis.
l Agarre as oportunidades para enriquecer e diferenciar a instrução. Como alguns
alunos demonstram domínio mais rapidamente do que outros, certifique-se de
ter problemas extras para eles, de forma que avancem para o próximo nível.
Estruturar e dar aulas 125 / _
Termine sua aula com um Mais uma vez final, uma única pergunta ou talvez uma cur-
ta sequência de problemas para resolver no fim da aula. Ao recolher isso dos alunos
e fazer a triagem dos dados, o resultado é o Arremate. Não apenas esta técnica vai
estabelecer uma expectativa produtiva sobre o trabalho completado pelos alunos no
dia, como também vai garantir que você sempre Entendeu? de forma a prover-se com
dados sólidos e, portanto, percepções cruciais. Qual a porcentagem de seus alunos que
respondeu certo? Quais os erros mais frequentes? Ao olhar para esses erros, por que
foram cometidos? O que, na sua aula, pode ter levado a essa confusão? Você saberá
não apenas como melhorar a próxima aula, mas também não viverá tateando no es-
curo. Você saberá quão eficiente foi sua aula, de acordo com a medida do aprendizado
dos alunos, e não de acordo com o que