A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
18 pág.
Resumo+de+Macroeconomia

Pré-visualização | Página 1 de 9

Resumo de Macroeconomia
Aula 1
- Quatro variáveis agregadas da macroeconomia, que se relacionam de forma que um afete aos outros: o nível de preços, o nível de emprego, a taxa de câmbio e a taxa de juros.
- Essas variáveis afetam o crescimento econômico, a inflação, o comércio exterior, e a distribuição de renda.
- O preço é a soma de todos os preços de todas as empresas que operam em um mesmo sistema econômico (encontra-se a variável agregada nível de preço, ou preço)
- Um dos efeitos que altera o preço é a inflação.
- Inflação é um aumento do nível geral de preços. Aumento da moeda circulante no país. 
- Deflação é a diminuição do nível geral de preços.
- Emprego refere-se a mão-de-obra como fator de produção dentro de um sistema econômico. O nível de emprego depende das expectativas dos empresários em torno do que vão produzir.
- Períodos de alto desempenho para a produção beneficiam a todos e geram o crescimento econômico.
- Crescimento econômico: aumento das atividades econômicas de um país durante um período de tempo. Geralmente é medido pelo PIB.
- Quando o país apresenta níveis de produção e emprego menores, produz menos, chamamos recessão (contrário de crescimento econômico).
- Taxa de câmbio é o preço da moeda nacional em relação à moeda estrangeira.
- Desvalorização da taxa de câmbio: moeda estrangeira encareceu.
- Valorização do câmbio: moeda estrangeira está mais barata.
- Se há muitos dólares circulando no país, o preço do dólar cai. Se o Banco Central deseja elevar o preço do dólar, tornando o real mais barato, ele compra dólares no mercado e os soma á sua reserva. O oposto acontece quando há poucos dólares circulando no mercado (quando o dólar está caro em relação ao real), aí o BC vende dólares de sua reserva por valores mais baixos do que o praticado pelo mercado.
- Balança de pagamentos: determina a atratividade de um país para o comércio exterior, e controla o fluxo de entrada e saída de capitais. É o registro de todas as transações econômicas que envolvem o país e o resto do mundo, como exemplo, as exportações, importações e pagamento de juros das dívidas externas.
- Taxa de juros: é quando o mercado embute no preço de produtos e serviços quando se compra a crédito. É uma forma que o mercado encontra para compensar perdas diante da inflação.
- Se há aumento da taxa de juros, os empresários ficam desestimulados a investir. A elevação da taxa de juros desestimula os investimentos na produção e estimula a poupança. Se os empresários investem menos, a produção cresce menos, o que implica em menos emprego – A taxa de juros pode afetar o nível de emprego. 
- Salário: fonte de renda para quem trabalha, e custo para a empresa. Reajuste estimula o consumo e eleva os custos da empresa, o que pode ser repassado para os preços. Se isso se repetir de forma generalizada, inicia-se um momento de inflação. Se você ganha mais e o reajuste é repassado para o preço das mercadorias, tudo fica mais caro, e o dinheiro passa a valer menos.
- Taxa de câmbio afta o nível de preços e as exportações. A desvalorização do câmbio é um dos fatores que pode afetar a inflação.
- Se o poder de compra das pessoas diminui, o nível de compra também é reduzido, assim como a procura pelos itens.
- Os quatro macro problemas econômicos nacionais: inflação; crescimento econômico baixo; dívida externa alta; e má distribuição de renda.
Aula 2
- PIB: estimativa do valor de tudo que foi produzido por um país em determinado período. É calculado com base nos preços de mercado, e leva em conta apenas os bens e serviços finais (não leva em conta os que já estão incluídos no produto, como matéria prima, senão seriam contabilizados de forma duplicada). É a soma de tudo que foi produzido no país, e também a renda total grada no processo da produção. ---(o valor da renda é exatamente igual ao valor do produto)
- A elevação dos preços afeta o valor do PIB, mesmo que a quantidade produzida permaneça a mesma de um ano para o outro.
- PIB Nominal: representa o PIB a preços correntes, baseado nos preços praticados pelo mercado (quantidade atual X preço atual). Capta tanto o crescimento do volume da produção quanto a variação de seus preços.
- PIB Real: representa o PIB em termos de preços constantes, a partir de um ano considerado como referência (quantidade atual X preço ano referência). Calcula o crescimento econômico, a partir do aumento ou da diminuição do nível real de produção de um país.
- Se o PIB aumentou de um ano para o outro, ou a quantidade produzida aumentou, ou os produtos sofreram aumento de preços.
- Deflator do PIB: índice que diz que parte do aumento do PIB nominal cabe ao crescimento dos preços, para calcular a elevação média do nível de preço final de um ano para o outro. Faz referência ao crescimento médio dos preços da economia. É a razão entre o PIB nominal e o PIB real, que avalia o crescimento médio de preços de um período.
- Deflator do PIB = (PIB Nominal / PIB real ) X 100
- PNB; é a soma de tudo que é produzido aqui e que fica aqui.
- A diferença entre PIB e PNB é a renda líquida enviada ao exterior.
- PIB negativo: PIB real de um ano é menor que a do ano anterior, houve recessão, a atividade econômica diminuiu entre um ano e outro.
- O que o PIB não mede: a economia informal.
- Renda per Capita (PIB per capita): é a quantia em reais que cada habitante receberia caso o PIB fosse dividido entre toda a população.
- O PIB pode ser medido de duas formas: somando as rendas pagas pelas empresas dentro da produção ou pelo total dos gastos dos consumidores no mercado de bens e serviços.
Aula 3
PIB = C + I + G + (X – M) 
Consumo (despesa das famílias com compra de bens) + Investimento (despesa das empresas com máquinas, equipamentos, etc, excluindo somente as despesas de pessoal e impostos) + Gastos do governo (despesas do Estado com compras de bens e serviços) + (exportações, valores de vendas para outros países – importações, compras de outros países)
- Componentes do cálculo do PIB: consumo, investimento, gastos do governo, exportações, diminuindo o valor das importações.
- PIB é igual a soma do consumo das pessoas, investimento das empresas e gastos do governo com o total das exportações, diminuído do valor das importações.
- A renda pode ter três destinos: o consumo (C), a poupança (S) ou pagamento de impostos (T). 
- PIB = C + S + T
- Demanda agregada: desejo dos indivíduos de adquirir os bens produzidos em um país dentro de um determinado período de tempo
- DA = C + I + G
- Se o PIB é igual a demanda agregada (PIB = DA = C + I + G) dizemos que o PIB está em equilíbrio.
- Se a demanda agregada for menos que a quantidade produzida, haverá acúmulo de estoque, se a demanda agregada for maior que a quantidade produzida, haverá falta de estoque. A posição de equilíbrio se dá quando a produção agregada iguala ao produto.
Aula 4
- Modelo Keynesiano: diz que a demanda por produtos tem papel fundamental na determinação do nível de produção e de renda de uma economia. Se a demanda agregada aumenta, as empresas procuram atender essa elevação por meio de mais produção e mais empregos, o que faz aumentar a renda, e possibilita o aumento da produção até alcançar novo ponto de equilíbrio.
- Função de consumo: diz que a quantidade de gastos de uma pessoa depende de sua renda, e conforme essa renda aumenta, também aumenta o consumo.
- Propensão Marginal a Consumir: é a fração de renda adicional que uma pessoa gasta
- PMC = (mudança no consumo) / (mudança na renda)
- Consumo autônomo: sempre ocorrerá, mesmo que a renda de uma pessoa seja equivalente a zero. É o consumo de itens de subsistência, que não conseguimos viver sem ele.
Consumo = Consumo autônomo + Renda esperada
C = Co + cY
C = Co + cYd (Consumo + consumo autônomo + renda disponível, renda apropriada pelas famílias, descontados os impostos diretos pagos ao

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.