A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
18 pág.
Resumo+de+Macroeconomia

Pré-visualização | Página 6 de 9

(X). → DA = C + I + G + X
- Keynes supôs que o consumo das famílias (C) depende da renda agregada disponível que elas têm para gastar.
- A renda agregada disponível (YD) é toda renda recebida pela sociedade (gerada no processo produtivo), isto é, é a renda agregada (Y) menos os tributos cobrados pelo governo (T) .
- Tanto a aposentadoria como as bolsas são rendas que podem ser utilizadas para comprar bens e serviços. A inclusão dessas rendas aumenta a renda agregada disponível para comprar bens e serviços. → renda agregada disponível = (toda renda gerada no processo produtivo e recebida pela sociedade) – (tributos cobrados pelo governo mais a transferência de renda que o governo faz à sociedade como aposentadoria, seguro desemprego, bolsa família, bolsa escola, etc) → YD = Y – T
- Quanto maior a renda disponível, maior o consumo das famílias. Quanto menor a renda disponível, menos o consumo delas.
- Nem toda renda agregada gerada na economia será utilizada para comprar bens e serviços, parte dela será poupada. → C = cYD = c(Y – T) onde c é a propensão marginal a consumir. (quanto do consumo irá variar quando a renda disponível variar)
- Diferença entre déficit público e dívida pública: quando o governo fica com suas receitas inferiores aos seus gastos, ocorre um déficit. Se o governo adota constantes políticas fiscais expansionistas que incorram constantes déficits, ele aumentará sua dívida, de forma que não poderá mais gastar mais do que arrecada, pois terá que pagar os acúmulos de déficits de períodos anteriores. O déficit público é o que ocorre no período, um fluxo, e a dívida pública é um acúmulo de déficits, um estoque.
- Se o governo apresenta o NFSP primário superavitário (com lucros), parece que tomou medidas de contração da renda agregada. Mas se o NFSP nominal for deficitário, não podemos dizer que o governo tomou medidas expansionistas. Quem empresta a maior parte do dinheiro para o governo são os banqueiros, que já possuem grande quantidade de bens e baixa propensão a consumir. Assim, a maior parte das transferências que o governo realiza para esses agentes vira poupança e não consumo. E assim, não aumenta a demanda agregada nem o produto, pouco afetando com isso a renda agregada. 
- Política fiscal expansionista: adotadas pelo governo quando adota medidas buscando aumentar a renda agregada. Feita quando o país apresenta desemprego involuntário dos fatores de produção. Com o desemprego involuntário, o governo age afetando a oferta de bens e serviços, gerando uma renda maior. Essa pressão sobre a oferta não afetará o nível dos preços, já que o país pode aumentar sua oferta agregada utilizando fatores de produção desempregados.
- Política fiscal contracionista: adotadas pelo governo quando adota medidas buscando diminuir a demanda agregada. Feita quando o país apresenta características de uma economia que está em pleno emprego. Com a economia em pleno emprego, a qualquer pressão sobre a oferta agregada os agentes responderão aumentando o nível geral de preços, causando inflação de demanda.
Aula 11
- Oferta de moeda: objetos capazes de comprar bens e serviços ou de quitar uma dívida de forma imediata, isto é, objetos que apresentem liquidez total. O papel moeda que está em poder público (PMPP) faz parte dos meios de pagamento da sociedade.
- São considerados oferta de moeda: o papel moeda em poder público (PMPP), o cartão de débito, o depósito que está em sua conta (depósito à vista) → OM = PMPP + DV
- Política monetária: é o conjunto de medidas que o governo adota para controlar a oferta de moeda (meios de pagamento) conforme os interesses econômicos do país. Quase sempre essas medidas são implementadas pelo Banco Central. É quando o governo resolve variar a oferta de moeda do país.
- Diferença entre política monetária expansionsita e política monetária contracionista: Quando o governo adota medidas visando aumentar a oferta de moeda, está adotando uma política monetária expansionista, e quando o governo toma medidas visando diminuir a oferta de moeda, adota uma política monetária contracionista.
- OM = PMPP + DV
- Aqueles economistas que acreditam que a emissão de moeda causa inflação e por isso afeta a distribuição de renda no país, recomendam uma política monetária que tem como objetivo um forte controle sobre a oferta de moeda, restringi-a ao máximo possível para evitar que ocorra aumento generalizado de preços. Aqueles economistas que acreditam que o governo pode emitir moeda ao realizar seus gastos sem necessidade de contrabalançar com tributos/aumento da dívida e que isso não causa inflação. Se a economia apresenta desemprego de seus fatores de produção (trabalho, máquinas, equipamentos, etc), o governo pode e deve realizar gastos aumentando a oferta de moeda do país. Esse aumento de gastos fará aumentar a quantidade produzida de bens e serviços, e com isso, a renda agregada também aumentará e o desemprego tenderá a diminuir.
- O governo consegue afetar diretamente a demanda agregada, aumentando ou diminuindo seus gastos (política fiscal). O governo age diretamente sobre a demanda agregada quando utiliza a política fiscal.
- Objetivos do governo ao utilizar a política monetária: também dependem da teoria econômica adotada. De modo geral, os objetivos da política monetária são estabilizar o nível de preços, aumentar o nível de emprego, buscar maior crescimento econômico, estabilizar a taxa de câmbio, etc...
- Objetivos principais do governo ao utilizar a política monetária: o objetivo principal é afetar a base monetária da sociedade, que é controlada diretamente por ele. Assim, ele pretende afetar os meios de pagamento (meta secundária), e assim ele poderá chegar aos objetivos finais (que é aumentar o nível de emprego, crescimento do produto, estabilidade de preços, etc...)
- É o governo que determina a quantidade de moeda ofertada, por meio da política monetária, e a taxa de juros se adapta a essa quantidade.
- Existe a hipótese em que o governo determina a taxa de juros, e com base nessa taxa de juros os bancos determinam a a taxa de juros que acreditam ser atraente. Neste caso, o governo determina a taxa de juros, e os meios de pagamento é que se adaptam a essa taxa. 
- Para chegar aos seus objetivos pela política monetária, o governo precisa elaborar metas, que podem ser sobre a base monetária da economia ou sobre a taxa de juros, dependendo da teoria econômica utilizada. 
- Como o governo consegue realizar a política monetária: demora um pouco para os efeitos da política monetária atingirem os objetivos desejados,não é de forma direta. 
- Para realizar a política monetária, o governo utiliza instrumentos de política monetária: reservas compulsórias, redesconto e operações de mercado aberto.
- O governo só tem controle sobre o PMPP que ele emite. Os depósitos a vista são criados pelos bancos comerciais por meio da liberação de empréstimos. O Bacen controla o PMPP mais as reservas bancárias, já que é ele quem emite as reservas que os bancos comerciais guardam (reservas voluntárias e reservas compulsórias).
- Multiplicador monetário: é a razão entre os meios de pagamento e a base monetária, isto é, quanto em proporção, os meios de pagamento são superiores às reservas bancárias. Com o dinheiro colocado em contas em bancos comerciais, o banco multiplica os valores de aplicação e de reservas...
- Reservas compulsórias: utilizada quando tenta atingir a oferta de moeda na economia, isto é, quando busca alterar as reservas compulsórias (parte dos depósitos a vista que os bancos comerciais são obrigados a reservar e guardar no Bacen). O governo pode adotar medida contracionista aumentando o percentual de reserva compulsória do banco comerciais, por exemplo.
- Logo após a implantação do plano real, foi visto que o aumento da demanda pudesse fazer com que a inflação aumentasse. Para evitar isso, o governo adotou medidas contracionista aumentando o valor das reservas

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.