A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
16 pág.
GINÁSTICA PARA TODOS

Pré-visualização | Página 3 de 3

social. 
A ginastica para todos pode ser praticada em ambientes que possam 
proporcionar segurança e estabilidade para o praticante além de poder ter um espaço 
onde ele consiga se locomover com facilidade para poder fazer toda a amplitude de 
seus movimentos, como em espaços próprios a ginastica artística, colchonetes, 
tatames, ou em lugares abertos mas com uma segurança de que seu praticante não 
será prejudicado de nenhuma forma como e, campos com gramados, tudo para 
proporcionar um melhor exercício. 
 
 
 
12 
 
6.1. PRATICANTESPRATICANTES 
Sua prática é necessária na medida em que a tradição histórica do mundo 
ginástico é uma oferta de ações com significado cultural para os praticantes, onde as 
novas formas de exercitação em confronto com as tradicionais possibilitam uma 
prática corporal que permite aos alunos darem sentido próprio às suas exercitações 
ginásticas. 
Participação e apreensão das variadas acepções gímnica, buscando novos 
significados e possibilidades. A apreciação da GPT tem como intuito de sociabilizar, 
solidarizar e impor uma identidade social, considerando-a como um elemento 
privilegiado no contexto educativo. 
 
 
 
13 
 
7. CONSIDERAÇÕES FINAIS 
Conclui-se que a ginástica assim também como na Grécia antiga busca a 
beleza do corpo e outros benefícios como saúde, fortalecimento, agilidade e instintos 
de sobrevivência, que se desenvolveu nas quatro grandes escolas (inglesa, francesa, 
sueca e alemã), levando a ginástica para o meio pedagógico e fisiológico, valorizando 
a ginástica no Brasil, que tem métodos ginásticos como jogos, atividades atléticas e 
esportivas. 
Ludwing Jahn foi a maior influência para a criação e o desenvolvimento dos 
aparelhos ginásticos. Com o desenvolvimento dos aparelhos criados por Jahn houve 
a facilitação da pratica das modalidades ginásticas, ele criou aparelhos que são muito 
conhecidos na área de educação física usados na ginástica artística, ginástica natural 
e na calistenia. Outra modalidade que podemos citar é a ginástica geral(GG), que 
engloba todas as outras modalidades de ginástica e também a calistenia. 
Os maiores objetivos do exercício físico alem da pratica do bem estar, saúde 
e condicionamento físico é a integração social. 
Como futuros profissionais em educação física e desporto, enaltecemos o 
quão importante este trabalho traz na nossa formação e o quanto nos ajudou a refletir, 
e nos conscientizar sobre os variados aspectos da ginástica, assim, esse trabalho 
pretende ser um ponto de partida para todos que gostam, praticam e se interessam 
por essas modalidades de ginástica, objetivando o incentivo a novos adeptos dessa 
modalidade. 
 
 
 
14 
 
8. REFERÊNCIAS: 
Ginastica geral experiência reflexões São Paulo 2008 
SOARES. C. L.; TAFFAREL, C, N, Z; VARJAL, E; CASTELLANI FILHO, L.; 
ESCOBAR, M.O.; BRACHT, V. Metodologia do ensino de educação Física São Paulo, 
Ed. Cortez. 1992. 
SOARES, C. Educação Física: raízes europeias e Brasil. 3. ed. Campinas: 
AYOUB, Eliana. Ginástica geral e educação física escolar Ginástica geral e educação 
física escolar Sociologia crítica do esporte Ginástica geral e educação física escolar. 
Campinas, SP: Unicamp, 2003. 
BRACHT, Valter. Sociologia crítica do esporte Sociologia crítica do esporte: uma 
introdução. 2.ed. Ijuí: Unijuí, 2003. 
BRASIL. MINISTÉRIO DO ESPORTE. PROGRAMA ESPORTE E LAZER DA 
CIDADE. Manual de orientação. www.esporte.gov.br. Acesso em 15/08/2006. 
COLETIVO DE AUTORES. Metodologia do ensino de educação física Manual de 
orientação. Manual de orientação. Disponível em: Metodologia do ensino de 
educação física. São Paulo: Cortez, 1992. 
CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE GINÁSTICA. Ginástica geral. Metodologia do 
ensino de educação física Ginástica geral. Ginástica geral. Disponível em: 
www.cbginastica.com.br. 
FÉDÉRATION INTERNATIONALE DE GYMNASTIQUE. General Gymnastics: 
Gymnastics for All. More than just a name change. Disponível em www.fig-
gymnastics.com 
MARCELINNO, Nelson C. Lazer e educação Lazer e educação. Lazer e educação. 
11.ed. Campinas: Papirus, 2004. 
MELO, Victor A. de; ALVES JÚNIOR, Edmundo D. Introdução ao la Introdução 
ao la Introdução ao lazer zer zer zer. Barueri, SP: Manole, 2003. 
OLIVEIRAA, Nara R. C., DE LOURDES, Luiz F. C. Ginástica geral na escola: uma 
proposta metodológica. In: Revista Pensar a Prática Prática. V. 7, n.2. Goiânia: UFG. 
pp.221-228. 
 
 
15 
 
SANTOS, José C. E. Ginástica geral Ginástica geral Educação física: Revista 
Pensar a Ginástica geral: elaboração de coreografias, organização de festivais. 
Jundiaí, SP: Fontoura, 2001. 
SOARES, C. Educação física: Educação física: raízes europeias e Brasil. Campinas, 
SP: Papirus, 1994. 
SOUZA, Elizabeth P. M. Ginástica geral Ginástica geral: uma área do conhecimento 
da educação física. Tese (Doutorado em Educação Física), Faculdade de Educação 
Física, Universidade Estadual de Campinas. Campinas, SP: 1997. 
STANQUEVISCH, Patrícia. Possibili Possibili Possibilidades do corpo na ginástica 
geral a partir do discurso dos envolvidos dados do corpo na ginástica geral. 
Dissertação (Mestrado em Educação Física), Faculdade de Ciências da Saúde, 
Universidade Metodista de Piracicaba. Piracicaba, SP: 2004. 
WERNECK, Christianne. Lazer, trabalho e educação Lazer, trabalho e educação 
Lazer, trabalho e educação: relações históricas, questões contemporâneas. Belo 
Horizonte: UFMG, CELAR-DEF/UFMG, 2000.