A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
5 pág.
TEORIA DA BUROCRACIA(2) (1)

Pré-visualização | Página 2 de 2

as seguintes:
1. Internacionalização das regras e exagerado apego aos regulamentos;
2. Excesso de formalismo e de papelório;
3. Resistência a mudanças;
4. Despersonalização do relacionamento;
5. Categorização como base do processo decisório;
6. Superconformidade às rotinas e procedimentos;
7. Exibição de sinais de autoridade;
8.Dificuldade no atendimento a clientes e conflitos com o público.
 MODELO BUROCRÁTICO DE MERTON
De acordo com Merton, a burocracia é um modelo que se baseia nas consequências não previstas. Começa com a exigência de controle por parte da organização, essa exigência de controle enfatiza a previsibilidade do comportamento, pois a ênfase nas regras e sua forte imposição leva as pessoas a justificarem suas ações. Quando ocorre alguma consequência não prevista, acaba gerando dificuldades no atendimento ao público, levando a um sentimento de defesa de ação individual.
INTERAÇÃO DA BUROCRACIA COM O AMBIENTE
Weber não previu a possibilidade de flexibilidade da burocracia para atender a duas circunstâncias: A adaptação da burocracia às exigências externas dos clientes e a adaptação da burocracia às exigências internas dos participantes.
GRAUS DE BUROCRATIZAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES
Gouldner realizou uma pesquisa e concluiu que não há um único modelo de burocracia, mas uma variedade de graus de burocratização. Enquanto Weber não considerou os aspectos subjetivos e informais da aceitação das normas e da legitimação da autoridade.
AS DIMENSÕES DA BUROCRACIA
Não existe somente um modelo de burocracia. Trata- se de uma abordagem empiricamente mais adequada do que tratar a organização como totalmente burocrática ou não- burocrática. Hall selecionou seis dimensões de burocracia: 
1. Divisão do trabalho baseado na especialização funcional
2. Hierarquia de autoridade
3. Sistemas de regras e regulamentos
4. Formalização das comunicações
5. Impessoalidade no relacionamento entre as pessoas
6. Seleção e promoção baseadas na competência técnica
APRECIAÇÃO CRÍTICA DA TEORIA DA BUROCRACIA
A burocracia proporciona uma maneira racional de organizar pessoas e atividades para alcançar objetivos específicos. A burocracia tem defensores e adversários.
Para Perrow, os erros atribuídos à democracia estão relacionados ao fracasso em burocratizar adequadamente.
O EXCESSIVO RACIONALISMO DA BUROCRACIA
Katz e Kahn salientam que a organização burocrática é super- racionalizada e não considera a natureza organizacional e nem as condições do ambiente. Para ambos, o sistema burocrático consegue sobrevivência e eficiência apenas quando: as tarefas individuais são mínimas em requisitos criativos, as exigências do ambiente sobre a organização são óbvias, a rapidez na tomada de decisão é importante e casa pessoa envolvida no processo significa custos e riscos organizacionais, sendo a organização um sistema fechado.
CONCLUSÃO
Antes de estudar o assunto, sempre “culpei” a burocracia pela demora, descompromisso e excesso de formalidade, haja vista a dificuldade de observar as teorias de Max Weber em ação, pois muitas vezes, não vemos as estruturas organizadas e a padronização dos processos, principalmente no serviço público. Creio que Perrow esteja certo quando diz que os erros atribuídos à burocracia não são erros do conceito, mas são consequências do fracasso em burocratizar adequadamente.
�PAGE �
�PAGE �3�

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.