Acessão por construção

Acessão por construção


DisciplinaCivil V566 materiais568 seguidores
Pré-visualização1 página
Acessão por construção
Alunas: Alana Roos, Bianca Cardoso e Suélen v. Dullius
Definição do direito de acessão: 
	É uma forma de aquisição originária, no qual em virtude da lei, o que foi acrescido ao bem, tanto no valor quanto no volume, o integra e passa a ser direito do proprietário também, sendo que a incorporação pode se dar de forma natural ou artificial. A acessão adere ao princípio de que a coisa acessória segue o principal, contudo observando sua consequência no aspecto do princípio que veda o enriquecimento sem causa.
	Segundo nosso código civil, Art 1248, existem 5 formas de acessão:
Art. 1.248. A acessão pode dar-se:
I - por formação de ilhas;
II - por aluvião;
III - por avulsão;
IV - por abandono de álveo;
V - por plantações ou construções.
	Elas se dividem em duas formas:
- NATURAIS: sem intervenção humana. São as que constam no Art. 1248, incisos I a IV, C.C.
- INDUSTRIAL OU ARTIFICIAL: quando resulta do trabalho do homem, podendo ser móveis ou imóveis. São as que constam no Art. 1248, inciso V, C.C.
	As acessões por construções estão dispostas nos artigos 1253 a 1259 do C.C.
	Elas diferem das benfeitorias pois essas são feitas com o objetivo de conservar, melhorar a coisa ou embelezá-la, já as acessões são obras que criam coisas novas e diferentes, que posteriormente vem a aderir a coisa já existente. 
	Nas disposições seguintes encontramos algumas características das aquisições por acessões:
	Conforme art 1253 C.C : A sua presunção é relativa, sendo que as construções e plantações de um prédio por exemplo são presumidas feitas pelos proprietários e a sua custa até que se prove em contrário.
	Seguindo tem-se dissertado:
	Art. 1254 \u2013 o dono do solo edifica no próprio terreno com materiais alheios, assim adquire a propriedade pela edificação, caso o proprietário não pague o valor devido aos materiais e tenha agido de má fé responderá pelo valor dos respectivos materiais além de perdas e danos. 
	Art 1255 \u2013 o dono dos materiais constrói em terreno alheio, passando a ser proprietário da construção, caso tenha agido de boa fé terá direito a indenização, se de má fé deverá repor a coisa no estado anterior, se possível e pagar os prejuízos causados. No Parágrafo único diz que se a construção exceder o valor do terreno e aquele que edificou estava de boa fé passará este a ser proprietário do solo desde que pague a indenização. 
	Art 1256: Se ambos estiverem de má fé o proprietário do terreno adquirirá a edificação devendo indenizar o possuidor. P.Ú. é presumida a má fé quando o proprietário sabia da construção e não a impugnou.
	Art 1257 \u2013 acontece quando o terceiro edifica em terreno alheio com material alheio, é verificado a boa fé do dono do terreno (terceiro). 	Assim, o agente será ressarcido do valor das acessões pelo proprietário do solo e aquele ressarcirá o proprietário dos materiais.
	Art. 1258 - Uma invasão de uma parcela pequena do terreno invadido. O invasor-construtor está de boa-fé (construí ignorando que estava invadindo). O valor da construção excede o valor da parcela invadida. -> nesse caso, o construtor tem direito a adquirir a parcela invadida indenizando o dono dessa parcela \u2013 é uma indenização que leva em consideração o valor da área invadida e também a desvalorização que a subtração dessa parcela pode causar ao terreno \u2013 a indenização vai ser a mais ampla possível.
	Art. 1258, parágrafo único - é uma invasão de pequena proporção. Diferença da situação anterior: construtor está de má-fé, sabe que invadiu o terreno vizinho \u2013 nesse caso, o direito do construtor de adquirir a parcela invadida depende de requisitos adicionais -> o valor da construção deve receber consideravelmente superior ao valor da parcela invadida. Mas o que seria consideravelmente? Não se sabe. Nesse caso, para que o construtor tenha direito a parcela invadida, a porção invasora não possa ser destruída, demolida sem grave consequência para a construção toda. Isso é para não incentivar a atitude de má-fé, colocam-se situações mais restritivas. Tem que pagar uma indenização multiplicada por 10.
	Art. 1259 - diferença: o tamanho da invasão \u2013 é uma invasão considerável. Construtor só tem direito ao terreno invadido se ele estiver de boa-fé e terá que indenizar. Não fala de valores. A indenização inclui o valor da parcela perdida, a desvalorização da área remanescente e o valor que a invasão acresceu. Se estiver de má-fé tem que demolir tudo e pagar a indenização em dobro.
JURISPRUDÊNCIA:
Ementa: AÇÃO ORDINÁRIA. ACESSÃO. BEM IMÓVEL. INDENIZAÇÃO. MATÉRIA DA SUBCLASSE "PROPRIEDADE E DIREITOS REAIS SOBRE COISAS ALHEIAS". RESOLUÇÃO Nº 01/98, DESTA CORTE. No caso dos autos, os requerentes pretendem indenização por conta dos gastos empreendidos na construção de uma casa de alvenaria no terreno de propriedade dos réus, tendo em vista o aval dos proprietários. Ainda, buscam a condenação dos requeridos ao pagamento de aluguéis pelo uso da referida casa durante o período em que os autores permaneceram afastados da residência. Portanto, a questão principal da demanda cinge-se à discussão por conta de aquisição por acessão, ou seja, em razão da construção de uma casa em terreno alheio, sendo o que pedido indenizatório passa pela análise da existência de contratação verbal e da suposta boa-fé dos autores, nos termos do art. 1.255, do Código Civil. Logo, não se trata de responsabilidade civil pura, ou extracontratual. Matéria que se enquadra na subclasse "propriedade e direitos reais sobre coisas alheias", cuja competência pertence a uma das Câmaras dos colendos 9º e 10º Grupos Cíveis, nos termos do art. 11, IX, "c", da Resolução nº 01/98, desta Corte. Correção da distribuição anterior. DÚVIDA DE COMPETÊNCIA SUSCITADA, EM DECISÃO MONOCRÁTICA. (Apelação Cível Nº 70067756379, Quinta Câmara Cível, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Jorge André Pereira Gailhard, Julgado em 27/05/2016)
FONTES:
BRASIL. Lei nº 10.406 de 2002. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/L10406.htm> .Acesso em: 11 Maio 2017.
 
GUIMARÃES, Luis P. C; MEZZALIRA, Samuel. Artigo 1257. Disponível em: <http://www.direitocom.com/codigo-civil-comentado/artigo-1257>.Acesso em: 11 Maio 2017.
TJRS. Publicado pelo Tribunal de Justiça de Rio Grande do Sul. Disponível em: < http://www.tjrs.jus.br/busca/search?q=cache:www1.tjrs.jus.br/site_php/consulta/consulta_processo.php%3Fnome_comarca%3DTribunal%2Bde%2BJusti%25E7a%26versao%3D%26versao_fonetica%3D1%26tipo%3D1%26id_comarca%3D700%26num_processo_mask%3D70067756379%26num_processo%3D70067756379%26codEmenta%3D6784620+aquisição+acessão+contrução+++++&proxystylesheet=tjrs_index&ie=UTF-8&access=p&client=tjrs_index&site=ementario&oe=UTF-8&numProcesso=70067756379&comarca=Comarca%20de%20Cerro%20Largo&dtJulg=27/05/2016&relator=Jorge%20André%20Pereira%20Gailhard&aba=juris >. Acesso em: 15 maio 2017.
PABLO. Direito das coisas/ Ações Possessórias. Disponível em: <https://www.passeidireto.com/arquivo/1026081/direito-das-coisas/8>. Acesso em: 15 Maio 2017.
WANDERLEY, Wellington. Aquisição por acessão. Disponível em: <http://wellingtonwanderleyadvogado.blogspot.com.br/2012/08/aquisicao-por-acessao.html>.Acesso em: 11 Maio 2017.
QUESTÃO:
(TRF_3ª Região_11º Concurso) Aquele que semeia, planta ou edifica em terreno alheio:
(A) ganha, em desfavor do proprietário, as sementes, plantas e construções;
(B) perde, em proveito do proprietário, as sementes, plantas e construções;
(C) perde, em proveito do proprietário o que plantou e construiu, mas tem direito à
indenização, caso tenha procedido de boa-fé;
(D) deverá pagar ao proprietário pelas benfeitorias realizadas no imóvel sem a
devida autorização.