QUIMICA ANALITICA
15 pág.

QUIMICA ANALITICA


DisciplinaFarmacoterapia233 materiais899 seguidores
Pré-visualização9 páginas
Definição Uma mistura eutética é definida como uma mistura de dois ou mais componentes que normalmente não interagem para formar um novo composto químico, mas que, a certas proporções, inibem o processo de cristalização um do outro, resultando num sistema com um ponto de fusão inferior ao dos componentes. A formação da mistura eutética é usualmente regida pelos seguintes fatores: a) os componentes devem ser miscíveis no estado líquido e na maior parte imiscíveis no estado sólido, b) O contato íntimo entre materiais de formação eutécticos é necessário para a depressão induzida por ponto de fusão, c) os componentes devem ter grupos químicos que podem interagir para formar laços físicos, tais como ligações intermoleculares de hidrogênio, etc., d) as moléculas que estão de acordo com a equação de VantHoff modificada podem formar misturas eutéticas. Mistura Eutética é uma mistura de duas ou mais substâncias que funde no ponto de congelação mais baixo de qualquer mistura dos componentes. Esta temperatura é o ponto eutético. A massa fundida líquida tem a mesma composição que o sólido. O que é Eutético é uma palavra que é utilizada em referência a uma mistura que contém dois ou mais componentes em proporções que lhes permitem solidificar à mesma temperatura. O ponto em que os componentes começam a solidificar é conhecido como o ponto eutético. Eutético têm uma série de aplicações, mais particularmente no campo da metalurgia, onde eles são populares na forma de ligas usadas para coisas como solda e fundição. Nem sempre é possível obter uma mistura eutéctica. É necessário ajustar a proporção de componentes na mistura e controlar de perto os componentes para as impurezas que possam desequilibrar a mistura e eliminar o ponto de solidificação. No caso de uma liga de metal, os componentes começam como líquidos aquecidos e, durante o arrefecimento do líquido, os componentes começam a cristalizar e solidificar ao mesmo tempo que atingem o ponto eutético. A estrutura de uma mistura eutética tende a ser de natureza lamelar, com os materiais em camadas uns sobre os outros à medida que cristalizam para fora da mistura líquida e começam a solidificar. Isto pode contribuir para a resistência do sólido arrefecido, uma vez que as camadas de material são menos susceptíveis de rachar e separar. A cristalização simultânea também garante que a distribuição de componentes na mistura é altamente uniforme na natureza, o que também pode ser benéfico para a resistência. É possível ver a estrutura da mistura com o auxílio de um microscópio, e a microscopia também pode ser usada para determinar se a mistura de componentes é ou não uniforme. Existem numerosos exemplos de misturas eutéticas para além das ligas metálicas. O sal e o gelo, por exemplo, podem formar uma mistura eutéctica, assim como muitos compostos químicos utilizados na indústria farmacêutica. Misturas Eutéticas também desempenham um papel na cozinha e preparação de alimentos, como qualquer pessoa que tenha tido uma receita de cozimento ir desastrosamente errado é provavelmente bem ciente. Em todos estes casos, as propriedades da mistura eutética desempenham um papel importante nas propriedades do componente sólido acabado. Visão geral Uma solução sólida constituída por duas ou mais substâncias e que tem o ponto de congelação mais baixo de qualquer mistura possível destes componentes. O ponto de congelamento mínimo para um conjunto de componentes é chamado de ponto eutético. As ligas de baixo ponto de fusão são geralmente misturas eutéticas. Mistura Eutética: a temperatura se mantem constante durante a fusão e a composição não muda. Ex.: Ligas metálicas como: bronze (cobre e estanho), latão (cobre e zinco).
TECNOLOGIAS E PROCESSOS DE FABRICAÇÃO FARMACÊUTICA
8.1 EQUIPAMENTOS E PROCESSOS UTILIZADOS NA PRODUÇÃO DE FORMAS FARMACÊUTICAS SÓLIDAS
A maioria dos produtos preparados na forma farmacêutica sólida consiste em uma mistura do fármaco com diversos tipos de excipientes. A escolha dos excipientes depende de vários fatores, como: as características e propriedades do fármaco veiculado, a dose, a solubilidade, o tamanho e forma de partículas do fármaco.
O excipiente (do latin excipiere = excluído, exceto) embora seja considerado inerte em termos de atividade biológica, pode influenciar as propriedades de enchimento (fluxo, coesividade, adesão), estabilidade e liberação do fármaco. Em formulações de pós, o fármaco e os componentes inertes precisam ser misturados de forma a assegurar uma mistura de pó uniforme para o desenvolvimento da forma farmacêutica sólida. Um cuidado especial no processo de mistura deve ser tomado para formulações com fármacos em baixa dosagem, onde a falta de homogeneidade pode resultar em graves consequências terapêuticas.
Em formulações em que o fármaco é veiculado em baixa dosagem e desta forma ocupam uma pequena parcela do volume total da cápsula na formulação final (normalmente inferior a 20%), as propriedades da mistura são determinadas pelos diluentes e adjuvantes escolhidos. De outra forma, quando os fármacos são veiculados em dose unitária elevada (acima de 20% do total da formulação) \u2013 como exemplo, 500 mg de um determinado antibiótico \u2013 deixam pouco espaço disponível dentro da cápsula, obrigando a utilização de adjuvantes que exerçam seus efeitos mesmo em baixas concentrações sobre as propriedades de enchimento e liberação do fármaco. Em formulações com fármacos em alta dosagem, as propriedades da mistura são determinadas pelas propriedades do fármaco. Na indústria farmacêutica, o equipamento utilizado para misturar os pós, geralmente, é o misturador em V.
O bom fluxo do pó é o fator mais importante para o enchimento uniforme das cápsulas e influencia diretamente na qualidade do produto; por exemplo, na uniformidade de peso e uniformidade de conteúdo. Para se obter uma formulação de pós com bom fluxo são normalmente utilizados um diluente com fluxo livre (ex. lactose anidra, celulose microcristalina) e um deslizante (ex. dióxido de silício coloidal = Aerosil 200).
A redução da adesão dos pós ao equipamento pode ser realizada por meio da utilização de lubrificantes (ex. estearato de magnésio, talco). Para aumentar a coesividade e melhorar a capacidade de formar aglomerados de pós, os diluentes mais utilizados são a lactose, o amido de milho e a celulose microcristalina.
A celulose microcristalina aumenta a compactabilidade da formulação, portanto, em formulações com doses elevadas de fármacos é recomendável a sua adição em maior quantidade a fim de aumentar a densidade aparente da mistura. Para formulações com dosagens baixas de fármacos, a lactose pode ser convenientemente empregada em maior quantidade
Para obtenção de uma mistura homogênea e uniforme é ideal que a densidade e o tamanho de partículas do fármaco e dos excipientes sejam similares. Este fator é particularmente importante quando um fármaco veiculado em baixa dosagem é misturado com uma quantidade maior de excipientes. Em termos gerais, relacionado ao fármaco e excipiente geral, um número maior de partículas menores que 50 m (ex. mais que 20% das partículas de pó) proporciona propriedades de fluxo deficiente e pode aumentar a variabilidade no peso das cápsulas após o enchimento. Em contrapartida, pós grosseiros com a maioria das partículas maiores que 150 m apresentam normalmente excelente propriedades de fluxo.
	a celulose microcristalina e amido de milho dessecado, pode ser algumas vezes útil
	
A forma das partículas de pó pode influenciar todas as etapas na manipulação de pós, principalmente a mistura, o empacotamento e o fluxo. Substâncias constituídas por partículas em forma de agulha ou de bastões, incluindo todos os pós contendo materiais fibrosos ou partículas com formato alongado, podem dificultar o processo de mistura. A redução do tamanho destas partículas, a granulação e a adição de excipientes com partículas de formato arredondado, como
A adesão dos pós no equipamento de compressão ou encapsulador é um problema sério e de difícil solução, podendo