TOXICIDADE aguda e cronica
7 pág.

TOXICIDADE aguda e cronica


DisciplinaToxicologia: Tópicos Especiais113 materiais75 seguidores
Pré-visualização5 páginas
- Articulação entre setores: educação, esporte, agricultura, etc. INTERVENÇÕES PARA PREVENÇÃO DE DANT E PROMOÇÃO DA SAÚDE Nível secundário - Controle de doenças. - Trabalhar com grupos de risco (câncer, diabetes ou hipertensão). INTERVENÇÕES PARA PREVENÇÃO DE DANT E PROMOÇÃO DA SAÚDE Nível terciário - Reorientar o sistema de saúde (recursos humanos, treinamento e atualização, educação em saúde. - Participação da comunidade através de suas organizações (organização no diagnóstico, análise e planejamento, execução, capacitação, análise e divulgação dos resultados). - Aumentar o nível de informação (educação formal e informal). - Programas de prevenção nos locais de trabalho. - Trabalhar de forma intersetorial (comunidades, setor público e privado). - Monitorar riscos e avaliar os resultados. SISTEMA DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE Conceito: Como em qualquer outra atividade, no setor saúde a informação deve ser entendida como um redutor de incertezas, um instrumento para detectar focos prioritários, levando a um planejamento responsável e a execução de ações de que condicionem a realidade às transformações necessárias. Planejamento é um processo de tomada de decisões que, com base na situação atual, visa a determinação de providências a tomar objetivando atingir uma situação futura desejada. A Organização Mundial da Saúde define Sistema de Informação em Saúde -SIS como um mecanismo de coleta, processamento, análise e transmissão da informação necessária para se planejar, organizar, operar e avaliar os serviços de saúde. Considera-se que a transformação de um dado em informação exige, além da análise, a divulgação, e inclusive recomendações para a ação. No novo modelo de assistência à saúde, é preciso reverter a atual situação de centralização de dados, de limitação do uso dos mesmos, da demora com que são analisados e que retornam para o nível local, idealizando um novo sistema em que os dados passem a ser analisados no próprio município, gerando de forma oportuna subsídios para o planejamento e para as ações em saúde, bem como de ações para a melhoria da qualidade dos dados. Conhecer os passos de cada uma das etapas de um Sistema de Informações é de fundamental importância para garantir não só a fidedignidade das bases de dados, mas também a permanência e plena utilização das mesmas justificativas para esse fato são: 1. precário conhecimento sobre a grande diversidade de bancos de nacionais, estaduais e municipais; 2. coleta de dados através de sistemas compartimentalizados, com pouca ou nenhuma articulação; 3. complexidade dos dados existentes e da estrutura dos bancos; 4. insuficiência de recursos, particularmente recursos humanos qualificados para apoiar o processo de desenvolvimento e análise do SIS; 5. inexistências de instâncias responsáveis pela análise dos dados; 6. falta de padronização nos procedimentos de obtenção, análise e disseminação das informações; 7. oportunidade, qualidade e cobertura das informações variando de acordo com as áreas geográficas onde são produzidas; 8. ausência de um claro interesse epidemiológico quando da implantação dos bancos de dados e 9. dificuldade no acesso às informações. Nos últimos anos, contudo, tem sido observado grande avanço no que se refere ao acesso e às possibilidades de análise dos principais sistemas de informação em saúde disponíveis no Brasil: o processamento desses sistemas vem, gradativamente, passando para Estados e/ou municípios, permitindo que a análise ocorra em tempo oportuno; foram incluídas, em alguns sistemas, variáveis como bairros e áreas de residência, fundamentais quando o usuário é o nível local; foram criados programas como o TABWIN, com a finalidade de simplificar e agilizar a realização de tabulações com dados provenientes desses sistemas. Uma parte desses avanços pode ser atribuída ao processo de implantação do Sistema Único de Saúde - SUS, que coloca a descentralização dos sistemas de informação como um dos mecanismos para o seu gerenciamento. A demanda por informações que pudessem subsidiar a tomada de decisões nos níveis estadual, regional e municipal, funcionou como importante elemento de pressão para definir estratégias de adequação e disseminação das informações em saúde. O desenvolvimento tecnológico ocorrido na área da informática foi também determinante no aprimoramento dos mecanismos de disseminação das informações disponíveis. 12 Uma das principais inovações parece ter sido a criação da Home Page do DATASUS, que reúne e articula num único banco de dados, informações de diferentes sistemas, úteis para o planejamento e avaliação em saúde. Acessada a partir do endereço eletrônico \u201chttp://www.datasus.gov.br\u201d, sob o ícone \u201cInformações em Saúde\u201d, é possível obter dados sobre a rede hospitalar e ambulatorial do SUS e sobre alguns dos principais sistemas de informação em saúde: mortalidade, internações hospitalares, morbidade hospitalar e produção ambulatorial. Além destes, também estão disponíveis, na referida Home Page, dados cuja fonte é o IBGE: pesquisa assistência médico-sanitária, população residente, alfabetização, abastecimento de água, esgoto e coleta de lixo.