AV. CONT. MET. E PRAT. DE ENSINO LÍNGUA PORTUGUESA
4 pág.

AV. CONT. MET. E PRAT. DE ENSINO LÍNGUA PORTUGUESA


DisciplinaCont. Met. e Prat. de Ensino de Língua Portuguesa122 materiais106 seguidores
Pré-visualização2 páginas
do
ponto de vista linguístico, ela não apresenta nenhuma imperfeição.
o ensino de gramática normativa garante a uniformidade da língua e, portanto, prestígio social aos alunos.
 8a Questão (Ref.: 93055) Pontos: 1,0 / 1,0
Leia o texto abaixo e responda:
Unidade e variedade
Há variações entre as formas que a língua portuguesa assume nas diversas regiões em que é falada. Basta pensar
nas evidentes diferenças entre o modo de falar de um lisboeta e de um carioca, por exemplo, ou na expressão de
um gaúcho em contraste com a de um amazonense. Essas variações regionais constituem os falares e os dialetos.
As formas regionais da língua portuguesa no Brasil vêm sendo valorizadas como parte importante da ampla
diversidade cultural do país. Além disso, o português empregado pelas pessoas que têm acesso aos meios de
instrução difere daquele empregado pelas pessoas privadas de escolaridade. Algumas classes sociais, assim,
dominam uma forma de língua que goza de prestígio "a chamada norma culta" enquanto outras são vítimas de
preconceito por empregarem formas menos prestigiadas. Também são socialmente condicionadas certas formas de
língua que alguns grupos desenvolvem a fim de evitar a compreensão por aqueles que não fazem parte desses
grupos. O emprego dessas formas de língua proporciona o reconhecimento fácil dos integrantes de uma
comunidade restrita, seja um grupo de estudantes, seja uma quadrilha de contrabandistas. Desse modo, são
criadas as gírias, variantes lingüísticas sujeitas a contínuas transformações. Ainda: o exercício de determinadas
atividades requer o domínio de certas formas de língua chamadas línguas técnicas. Abundantes em termos
específicos, essas variantes têm seu uso praticamente restrito ao intercâmbio técnico de engenheiros, médicos,
químicos, biólogos, lingüistas e outros especialistas. E, em diferentes situações, um mesmo indivíduo emprega
diferentes formas de língua. Basta pensar nas atitudes que assumimos em situações formais (como, por exemplo,
um discurso numa solenidade de formatura) e em situações informais (uma conversa descontraída com amigo): em
cada uma dessas situações, procuramos adequar nosso nível vocabular e sintático ao ambiente cultural em que nos
encontramos. Ou seja, a língua é unidade na variedade. (Ulisses Infante. Textos: leituras e escritas. São Paulo:
Editora Scipione, 2005, pp. 12-13. Adaptado)
De acordo com o texto, as variações regionais do português do Brasil:
 manifestam a ampla diversidade cultural do país.
ao contrário de outras, não estão sujeitas a transformações contínuas.
dificultam a comunicação entre um lisboeta e um carioca, por exemplo.
são abundantes e têm seu uso vocabular bastante restrito.
são vítimas de discriminação por adotarem formas menos prestigiadas.
 9a Questão (Ref.: 87049) Pontos: 0,5 / 0,5
Sabe-se que o aluno não é apenas alguém que sabe ou não sabe o que foi ensinado. Todos nós temos um potencial
cognitivo e emocional que nos permite avançar na aprendizagem e que se torna real assim que é atingido. Esse
processo dinâmico, em que o desenvolvimento real e potencial se alternam constantemente, aponta para uma
avaliação contínua e diagnóstica.
Considerando o trecho acima, vejamos, então, o caso de um aluno chamado Rui, que produziu um texto
com algumas inadequações observadas pela professora. Aponte o encaminhamento necessário para
fazer esse aluno avançar na sua produção textual.
O texto não é apresentado ao aluno pelo professor. Ele será arquivado em uma pasta que, ao final do ano
letivo, será levada para casa.
O texto, antes de ser devolvido ao aluno, deve ser mostrado aos pais a fim de que eles reforcem na criança
a necessidade de acertar.
O texto não é apresentado ao aluno para que ele não seja desestimulado e continue a escrever. O erro, na
opinião dessa professora, não é matéria-prima de trabalho.
 O texto produzido é avaliado pela professora, junto com o aluno, e, após essa avaliação, uma segunda
versão é proposta.
O texto é apresentado ao aluno, as inadequações são apontadas e a professora faz algumas recomendações.
Não é proposta uma segunda versão.
 Gabarito Comentado.
 10a Questão (Ref.: 1037285) Pontos: 0,5 / 0,5
29/11/2017 BDQ Prova
http://simulado.estacio.br/bdq_prova_resultado_preview.asp 4/4
Aprendemos que é preciso saber intervir no texto da criança, transformando-o com a intenção de aproximá-lo, cada
vez mais, de uma escrita convencional. Para tanto, podemos utilizar alguns recursos da língua, em relação ao
recurso da inferência, MARQUE A ALTERNATIVA VERDADEIRA:
 Diz respeito ao ato de relacionar a visão de mundo e os conhecimentos do leitor com as informações
presentes no texto e com a visão de mundo do autor.
Significa julgar os fatos e situações, dar opiniões sobre marcas linguísticas e argumentar sobre a opinião
omitida;
Refere-se à forma que o autor coloca as ideias no texto, partindo do princípio que todo leitor possui a sua
visão de mundo;
Trata-se do modo de propor soluções a partir de um desafio relacionado à temática abordada;
É o modo que o leitor percebe a ideia principal do texto e o seu relacionamento com outras ideias propostas
pelo autor em outros textos;