Curso vigilancia epidemiologica
210 pág.

Curso vigilancia epidemiologica


DisciplinaVigilância em Saúde173 materiais961 seguidores
Pré-visualização50 páginas
__________________________________________________________________________________
\u25cf \u25cf \u25cf CBVE - Curso Básico de Vigilância Epidemiológica \u25cf \u25cf \u25cf 17 
Módulo IV CBVE
A renda média per capita do Município cresceu 60,60%, passando de R$ 96,80, em 1991, para 
R$155,61 em 2000. A pobreza, medida pela proporção de pessoas com renda domiciliar per capita 
inferior à metade do salário mínimo vigente, diminuiu 3,11%, passando de 71,1%, em 1991, para 68,9% 
em 2000. A desigualdade cresceu: o índice de Gini passou de 0,58, em 1991 para 0,78 em 2000.
QUESTÃO 12: Quais são os indicadores preconizados para avaliar a situação de saneamento de uma localidade?
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
O Índice de Gini é utilizado para medir a concentração de renda de uma região. O índice mede o grau de 
desigualdade existente na distribuição de indivíduos segundo renda domiciliar per capita. Seu valor varia 
de zero, quando não existe desigualdade \u2013 a renda de todos os indivíduos tem o mesmo valor \u2013, até um, 
quando a desigualdade é máxima \u2013 apenas um indivíduo detém toda a renda da sociedade.
A associação entre renda e saúde é nítida, tanto no nível individual quanto no coletivo. Nas famílias de 
menor renda, especialmente em países do mundo em desenvolvimento, encontra-se alta freqüência de 
desnutrição, de doenças transmissíveis e de condições ambientais de\ufb01cientes.
As pessoas de famílias de menor renda têm, geralmente, nível baixo de instrução e exercem ocupações 
que podem conter riscos apreciáveis para a saúde; portanto, não é aconselhável isolar o efeito da renda 
de outras variáveis estreitamente relacionadas a ela.
18 \u25cf \u25cf \u25cf CBVE - Curso Básico de Vigilância Epidemiológica \u25cf \u25cf \u25cf
Análise de Situação de SaúdeCBVE
3.4. Portais e as condições de saneamento
Tabela 4 - Proporção de moradores por tipo de abastecimento de água no Município de Portais, 
Estado de Paraíso. Brasil, 1991 e 2000
Abastecimento de água 1991 2000
Rede geral 44,7 47,2
Poço ou nascente (na propriedade) 0,9 34,4
Outra forma 54,4 18,4
TOTAL 100 100
 
Fonte: Secretaria de Obras e Saneamento de Portais
Tabela 5 - Proporção de moradores segundo destino dos dejetos no Município de Portais, Estado de 
Paraíso. Brasil, 1991 e 2000
Instalação sanitária 1991 2000
Rede geral de esgoto ou pluvial 0,2 32,3
Fossa séptica - 4,8
Fossa rudimentar 34,8 22,9
Vala 5,1 4,3
Rio, lago ou mar - 3,9
Outro escoadouro 14,7 0,7
Não tem conhecimento do tipo do escoadouro 0,1 -
Não dispõe de instalação sanitária 45,1 31,1
TOTAL 100 100
Fonte: Secretaria de Obras e Saneamento de Portais
Tabela 6 - Proporção de moradores por tipo de destinação de lixo no Município de Portais, Estado 
de Paraíso. Brasil, 1991 e 2000
Coleta de lixo 1991 2000
Coletado 26,6 42,2
Queimado (na propriedade) 5,9 31,7
Enterrado (na propriedade) 0,1 2,1
Jogado 66,0 22,1
Outro destino 1,4 1,9
TOTAL 100 100
Fonte: Secretaria de Obras e Saneamento de Portais
\u25cf \u25cf \u25cf CBVE - Curso Básico de Vigilância Epidemiológica \u25cf \u25cf \u25cf 19 
Módulo IV CBVE
QUESTÃO 13: Analise as condições de saneamento do Município de Portais.
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
Tabela 7 - Distribuição dos serviços de saneamento básico segundo bairros do Município de Portais, 
Estado de Paraíso. Brasil, 2004
Bairros Rede de água (%) Rede de esgoto (%) Coleta de lixo (%)
Limão Verde - - -
Sítio General Braga - - -
Três Porteiras - - -
Baixo Jaciporé 15 - -
Alto Jaciporé 100 63,1 100
Centro Velho 100 58,6 100
Centro Novo 100 71,2 100
Beiral 100 72,4 100
Bairro do Quinze - - -
Vertentes 100 79,7 100
TOTAL 47,2 32,3 42,2
Fonte: Secretaria de Obras e Saneamento de Portais
O pro\ufb01ssional da vigilância sanitária do Município chamou a atenção para o fato de haver 
interrupções freqüentes no abastecimento de água. Nestas situações, a população recorre a carros-
pipa, poços, torneiras comunitárias e bicas. O mesmo acontece nas regiões sem abastecimento de 
água. A população ribeirinha utiliza a água do rio Jaciporé para o preparo da comida e para a higiene 
pessoal.
Outro aspecto que mereceu destaque foi o fato de o esgoto ser lançado no rio sem receber 
tratamento.
20 \u25cf \u25cf \u25cf CBVE - Curso Básico de Vigilância Epidemiológica \u25cf \u25cf \u25cf
Análise de Situação de SaúdeCBVE
QUESTÃO 14: Quais os principais problemas relacionados ao saneamento básico no Município de Portais e quais as atividades 
que você indicaria com o objetivo de promover e prevenir doenças?
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
Quando são comparados os anos de 1991 e 2000, veri\ufb01ca-se pequeno acréscimo na cobertura 
dos serviços de abastecimento público de água; e aumento na proporção do uso de água de poço ou 
de nascente (na propriedade). Em 1991, apenas nove Estados apresentaram cobertura desses serviços 
acima da média do País, que era de