Curso vigilancia epidemiologica
210 pág.

Curso vigilancia epidemiologica


DisciplinaVigilância em Saúde164 materiais947 seguidores
Pré-visualização50 páginas
e solicitou sorologia para a hepatite A (anti-HAV IgM).
Esses casos foram noti\ufb01cados à vigilância epidemiológica do Município no dia 5 de janeiro de 
2004, quando a chefe administrativa do hospital, responsável pelas noti\ufb01cações, retornou das suas 
férias.
QUESTÃO 34: Como ocorrem as noti\ufb01cações no seu Município/Região/Estado? 
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
QUESTÂO 35: Quais as conseqüências do conhecimento tardio da ocorrência dos casos?
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
42 \u25cf \u25cf \u25cf CBVE - Curso Básico de Vigilância Epidemiológica \u25cf \u25cf \u25cf
Análise de Situação de SaúdeCBVE
No dia 15 de janeiro de 2004, o Lacen de Quimeras informou que os exames de MCP e PCF 
foram reagentes para o anti- HAV IgM.
QUESTÃO 36: Essa situação pode ser caracterizada como um surto?
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
De\ufb01nição de surto
Para a hepatite do tipo A, por suas características endêmico-epidêmicas e porque 70% de casos 
são assintomáticos, considera-se que a ocorrência de dois ou mais casos que apresentem vínculo 
epidemiológico caracteriza um surto. Em relação à distribuição espacial, devem ser consideradas as 
seguintes orientações para a de\ufb01nição de um surto:
- casos restritos a uma mesma família/residência;
- casos restritos a instituições (creche/escola, asilo, alojamento, presídio e outros);
- casos dispersos pelo bairro ou localidade e que possam estar associados a uma fonte 
comum;
- casos dispersos pelo Município, que possam estar associados a uma fonte comum.
Durante os meses seguintes, foram noti\ufb01cados e con\ufb01rmados outros casos de hepatite A, através 
do critério laboratorial ou por vínculo epidemiológico. A seguir, descrição do surto de hepatite A 
ocorrido em Portais:
Tabela 13 - Distribuição do quantitativo de casos de hepatite A, taxa de ataque e percentual, segundo 
faixa etária no Município de Portais, Estado de Paraíso. Brasil, novembro de 2003 a julho de 2004
Faixa etária
(em anos)
População
pessoas
N° Taxa de ataque (%) %
0-4 5.540 47 8,48 27,17
5-9 5.395 73 13,53 42,19
10-14 5.734 43 7,50 24,85
15-19 5.335 5 0,94 2,89
20-24 3.989 2 0,50 1,16
25-29 3.034 2 0,66 1,16
30-34 2.757 1 0,36 0,58
35-39 2.506 - - -
>40 12.031 - - -
TOTAL 46.351 173 3,73 100
Fonte: Vigilância em Saúde de Portais
\u25cf \u25cf \u25cf CBVE - Curso Básico de Vigilância Epidemiológica \u25cf \u25cf \u25cf 43 
Módulo IV CBVE
Tabela 14 - Número, taxa de incidência (por 100.000 habitantes) e proporção dos casos de hepatite 
A segundo bairro de residência no Município de Portais, Estado de Paraíso. Brasil, novembro de 2003 
a novembro de 2004
Bairros N° Taxa %
Baixo Jaciporé 64 39,46 36,99
Alto Jaciporé 24 5,92 13,87
Centro Velho 27 6,39 15,61
Centro Novo 14 3,07 8,09
Beiral 10 2,56 5,78
Bairro do Quinze 25 15,79 14,45
Vertentes 9 2,33 2,20
TOTAL 173 3,73 100
Fonte: Vigilância em Saúde de Portais
Fonte: Vigilância em Saúde de Portais
Figura 21 - Proporção de casos de hepatite A segundo bairro de residência no Município de Portais, 
Estado de Paraíso. Brasil, novembro de 2003 a julho de 2004
Baixo 
Jaciporé
%
40,00
35,00
30,00
25,00
20,00
15,00
10,00
5,00
0,00
Bairro
Alto 
Jaciporé
Centro 
Velho
Centro
Novo
Beiral Bairro
do 15
Vertentes
44 \u25cf \u25cf \u25cf CBVE - Curso Básico de Vigilância Epidemiológica \u25cf \u25cf \u25cf
Análise de Situação de SaúdeCBVE
QUESTÃO 37: Qual o bairro mais atingido? E o que apresentou maior risco?
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
QUESTÃO 38: Você pode a\ufb01rmar que não ocorreram casos na zona rural?
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
QUESTÃO 39: Qual a importância do conhecimento do período de incubação e do período de transmissibilidade para a 
vigilância epidemiológica?
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
Período de incubação
De 15 a 50 dias, a depender da dose infectante; em média, de 28 a 30 dias.
Período de transmissibilidade
Infectividade máxima na metade \ufb01nal do período de incubação, continuando por alguns dias 
após o aparecimento da icterícia (ou durante o período máximo de atividade da aminotransferase 
em casos anictéricos)
Modo de transmissão
O vírus da hepatite A (VHA) é encontrado nas fezes, alcançando níveis de pico em uma ou 
duas semanas antes do aparecimento dos sintomas. Ele diminui, rapidamente, com o aparecimento 
dos sintomas ou da disfunção hepática, a qual é concorrente com o aparecimento da circulação dos 
anticorpos para o VHA. Foram relatadas fontes comuns da contaminação da água e, também, da 
contaminação dos alimentos por preparadores/manipuladores.
\u25cf \u25cf \u25cf CBVE - Curso Básico de Vigilância Epidemiológica \u25cf \u25cf \u25cf 45 
Módulo IV CBVE
Fonte: Vigilância em Saúde de Portais
Figura 22 - Distribuição dos casos de hepatite A segundo a data de início dos primeiros sintomas, no 
Município de Portais, Estado de Paraíso. Brasil, novembro de 2003 a julho de 2004
30/
11/
200
3
No
 de
 ca
so
s
30
25
20
15
10
Período
5
0
14/
12/
200
3
28/
12/
200
3
11/
01/
200
4
22/
02/
200
4
25/
01/
200
4
08/
02/
200
4
07/
03/