OAB-1°Fase Penal
112 pág.

OAB-1°Fase Penal


DisciplinaDireito Penal I63.402 materiais1.031.747 seguidores
Pré-visualização25 páginas
de frequentar determinados lugares;
V \u2013 proibição de inscrever-se em concurso, avaliação ou exame públicos.
As hipóteses previstas nos incisos I e II estão relacionadas com o art. 56, 
que diz que as penas de interdição ali previstas aplicam-se para todo o crime 
cometido no exercício de profissão, atividade, ofício, cargo ou função, sempre 
que houver violação dos deveres que lhes são inerentes.
A sentença condenatória transitada em julgado forma um título executivo 
judicial e produz efeitos principais (aplicação da sanção penal) e secundários 
(que podem ter natureza penal e extrapenal). Faz-se necessário observar que 
tais efeitos não devem ser confundidos.
A limitação de final de semana está prevista no art. 48 do Código Penal. 
É preciso ressaltar que a limitação de final de semana não é uma espécie de 
interdição temporária de direitos, mas sim de pena restritiva de direito.
Exercícios
136. (FGV) Analise a assertiva: O Código Penal prevê somente as seguin-
tes hipóteses de penas restritivas de direitos: prestação de serviços à 
comunidade ou entidades públicas, interdição temporária de direitos 
e prestação pecuniária.
D
ire
ito
 P
en
al
83
137. (FGV) Analise a assertiva: A pena de interdição temporária de direi-
tos compreende as seguintes situações: proibição do exercício de car-
go, função ou atividade pública, bem como mandato eletivo; proibi-
ção do exercício da profissão, atividade ou ofício que dependam de 
habilitação especial, de licença ou autorização do poder público; 
suspensão de autorização ou habilitação para dirigir veículo; proi-
bição de frequentar determinados lugares; e, obrigação de perma-
necer, aos sábados e domingos, por cinco horas diárias, em casa de 
albergado ou outro estabelecimento adequado, ocasião em que serão 
ministrados cursos e palestras ou atribuídas atividades educativas.
138. Analise a assertiva: As penas restritivas de direitos são: prestação pe-
cuniária; perda de bens e valores; prestação de serviços à comunida-
de ou entidades públicas; interdição temporária de direitos e limita-
ção de fim de semana.
18. Penas Restritivas de Direitos \u2013 Requisitos
18.1 Apresentação
Nesta unidade, veremos as penas restritivas de direitos e seus requisitos.
18.2 Síntese
Os requisitos para a substituição da pena privativa de liberdade pela restriti-
va de direitos estão elencados nos incisos do art. 44 do Código Penal:
Art. 44. As penas restritivas de direitos são autônomas e substituem as priva-
tivas de liberdade, quando:
I \u2013 aplicada pena privativa de liberdade não superior a quatro anos e o 
crime não for cometido com violência ou grave ameaça à pessoa ou, qualquer 
que seja a pena aplicada, se o crime for culposo;
II \u2013 o réu não for reincidente em crime doloso;
III \u2013 a culpabilidade, os antecedentes, a conduta social e a personalidade 
do condenado, bem como os motivos e as circunstâncias indicarem que essa 
substituição seja suficiente.
Nos crimes hediondos, pode haver a substituição da pena privativa de li-
berdade por restritiva de direitos, já que a Lei dos Crimes Hediondos não veda. 
Entretanto, na prática, isso não ocorre porque as penas dos crimes hediondos 
normalmente serão superiores a quatro anos.
D
ire
ito
 P
en
al
84
O tráfico é equiparado ao crime hediondo. A Lei de Drogas (Lei nº 
11.343/2006), em seu art. 44, dispõe que é vedada a substituição da pena priva-
tiva de liberdade pela restritiva de direitos. Porém, o STF entendeu num caso 
concreto que essa vedação do mencionado art. 44 é inconstitucional. Por se 
tratar de uma situação de controle difuso, em tese, não há efeito vinculante.
Assim, o juiz aplica a pena privativa de liberdade e, preenchidos os requi-
sitos, substitui por pena restritiva de direitos. Se o condenado não cumpre a 
pena restritiva de direitos, então voltará a ter que cumprir a pena privativa de 
liberdade, conforme disposto no art. 44, § 4º do CP.
Segundo o art. 17 da Lei Maria da Penha, é vedada a aplicação, nos casos 
de violência doméstica e familiar contra a mulher, de penas de cesta básica ou 
outras de prestação pecuniária, bem como substituição de pena que implica no 
pagamento isolado de multa.
Exercícios
139. (Cespe) Analise a assertiva: Se o condenado for reincidente, o juiz 
não poderá aplicar a substituição da pena privativa de liberdade, ape-
sar de, em face de condenação anterior, a medida ser socialmente 
recomendável e a reincidência não se ter operado em virtude da prá-
tica do mesmo crime.
140. (Cespe \u2013 OAB \u2013 2009) Analise a assertiva: As penas restritivas de 
direitos são autônomas e substituem as penas privativas de liberda-
de, podendo ser aplicadas em casos de crimes cometidos com grave 
ameaça, desde que não tenha havido violência contra a pessoa.
141. Analise a assertiva: Não é possível a aplicação da substituição da pena 
privativa de liberdade para restritiva de direitos em qualquer hipótese 
de crime de homicídio, tendo em vista a gravidade do resultado.
19. Penas Restritivas de Direitos \u2013 Formas de 
Aplicação e Conversão
19.1 Apresentação
Nesta unidade, veremos as penas restritivas de direitos e suas formas de 
aplicação e conversão.
D
ire
ito
 P
en
al
85
19.2 Síntese
Conforme já estudado, as penas privativas de liberdade são substituídas pe-
las penas restritivas de direitos.
Para a aplicação da pena restritiva de direitos, o juiz deverá observar o se-
guinte critério exposto no § 2º do art. 44 do Código Penal: se a condenação for 
igual ou inferior a um ano, a substituição poderá ser por uma pena restritiva de 
direitos ou por uma multa. Já se a condenação for superior a um ano, a substi-
tuição poderá ser por duas penas restritivas de direitos, ou uma pena restritiva 
de direitos mais uma multa.
Em uma situação hipotética, na qual um crime comine uma pena de re-
clusão e multa, caso o juiz substitua a pena privativa de liberdade por multa, 
teremos uma multa em substituição à pena privativa de liberdade e a outra 
multa, a qual estava já prevista no preceito secundário do crime.
Segundo jurisprudência do STJ, se o crime não for do Código Penal, mas 
sim de uma legislação penal especial, e no preceito secundário do crime esti-
verem previstas a pena restritiva de direitos e multa, o juiz não poderá fazer a 
substituição da pena privativa de liberdade por multa.
É preciso ressaltar que o § 4º do art. 44 determina: \u201cA pena restritiva de di-
reitos converte-se em privativa de liberdade quando ocorrer o descumprimento 
injustificado da restrição imposta. No cálculo da pena privativa de liberdade a 
executar será deduzido o tempo cumprido da pena restritiva de direitos, respei-
tado o saldo mínimo de trinta dias de detenção ou reclusão.\u201d
O § 5º dispõe: \u201cSobrevindo condenação a pena privativa de liberdade, por 
outro crime, o juiz da execução penal decidirá sobre a conversão, podendo 
deixar de aplicá-la se for possível ao condenado cumprir a pena substitutiva 
anterior.\u201d
Exercício
142. (FCC) A substituição da pena privativa de liberdade pela restritiva 
de direitos:
a) Não pode ser feita por multa, ainda que cumulada com pena 
restritiva de direitos, se superior a um ano;
b) Cabe em qualquer condenação superior a quatro anos;
c) Cabe nos crimes culposos, se a condenação não for superior a 
quatro anos;
d) Não cabe para o condenado reincidente;
e) Pode ser feita por uma única restritiva de direitos se a condena-
ção for de um ano.
D
ire
ito
 P
en
al
86
20. Da Multa
20.1 Apresentação
Nesta unidade, veremos a pena de multa, sendo abordados aqui os aspec-
tos mais importantes acerca deste tema.
20.2 Síntese
Primeiramente, não se deve confundir multa cominada com multa apli-
cada, já que a multa cominada é aquela prevista em lei, também chamada de 
multa abstrata.
A aplicação da pena de multa se dá em duas fases,